O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Operários-escravos chineses na Itália derrubam produção local

Fábrica chinesa em Prato fechada pela polícia
Dezenas de milhares de chineses como que obedecendo a um plano instalaram-se na cidade italiana de Prato e transformaram esse prestigioso pólo têxtil em uma capital das confecções baratas, segundo reportagem do “New York Times”.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

“Procedimentos coloniais” de empresas chinesas contra operários na África

Mineiros da chinesa Collum Coal Mine, foto do 'Lusaka Times'

Capangas a serviço dos patrões chineses da mina Collum Coal Mine (CCM), na Zâmbia balearam 12 mineiros que protestavam contra as deploráveis condições de trabalho a que são submetidos. A fonte da informação é a polícia nacional noticiou a agência AFP.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

China é saqueadora do Brasil?, pergunta jornal britânico

Super Porto do Açu em construção
O jornal britânico “The Guardian”  perguntou-se se a China é uma saqueadora do Brasil. A construção de um enorme complexo portuário e industrial no município de São João da Barra, na região norte do Estado do Rio de Janeiro, apelidado de “Estrada para a China” foi o eixo da questão.

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Regime condena proprietário particular mais rico do país

Huang Guangyu (foto), mais rico empresário privado chinês, foi acusado e condenado pela nomenklatura socialista de Pequim. Seu verdadeiro crime é ter ficado rico capitalista, informou o diário “Le Figaro” de Paris.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Violências contra os proprietários e reações contra o governo abalam a China

Repressão em Longnan, província de Gansu

As autoridades municipais na China estão multiplicando os meios brutais para expropriar cidadãos comuns, noticiou a revista alemã “Der Spiegel”.

Os procedimentos dos funcionários socialistas levaram cidadãos desesperados a se suicidarem. Porém, muitos outros juraram defender suas propriedades com a própria vida.

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Coreia do Norte: seleção punida por não ganhar a Copa

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A seleção da Coreia do Norte foi vítima de uma sessão de crítica ideológica de massa no Palácio da Cultura dos Trabalhadores, em Pyongyang.

O crime foi não ganhar a Copa do Mundo “traindo” o ditador socialista Kim Il Sung. Segundo informou a “Radio Free Asia”, durante seis horas os jogadores foram vilipendiados por mais de 400 atletas escolhidos pelo regime.

terça-feira, 31 de agosto de 2010

China: onda migratória ou onda de fugas?

Comércio chinês predomina na 25 de Março, São Paulo

Vem-se anunciando nas últimas semanas “a mais recente onda migratória da história da China”.

Empresários chineses que fizeram fortuna e estudantes de universidades ocidentais preferem abandonar o país. O que está acontecendo? Onda migratória ou onda de fugas?

Segundo Didi Kirsten Tatlow, do “The New York Times”, “mesmo a China se tornando um país cada vez mais rico, o número de pessoas com muito dinheiro preferindo emigrar é grande”.

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Macro engarrafamento patenteia desordem profunda da economia chinesa


A planificação centralizada socialista bateu novo recorde histórico. É inacreditável. Prepare-se para ler algo chocante.

O início (sem aviso prévio) da reforma da auto-estrada Pequim- Zhangjiakou surpreendeu os viajantes na estrada e criou um monumental engarrafamento no norte da China.

As imagens de satélite permitem à imprensa calcular em 100 quilômetros a fila de caminhões e carros presos.

A auto-estrada estava sendo muito utilizada, sobre tudo por caminhões, após a descoberta de uma grande jazida de carvão na região de Mongólia Interior.

A China depende de suas ultra-poluidoras centrais térmicas que funcionam na base de queimar carvão.

O engarrafamento avança na velocidade de um quilômetro cada 24 horas e já se encontra no décimo dia, noticiou “La Nación” de Buenos Aires.

Há motoristas que ficaram cravados ao chão durante cinco dias, informou a TV do governo.

Zhang Minghai diretor da Secretaria de Trânsito de Zhangjiakou comemorou um ligeiro aumento na velocidade média.


Mas, Zhang não deu esperanças. Ele disse não saber quando retornará a normalidade à estrada Pequim-Zhangjiakou.

O engarrafamento começou o dia 14 de agosto e poderá durar ainda semanas, até por volta de meados de setembro.

Caminhoneiros e motoristas montaram acampamentos e procuram se distrair e fazer exercício.

Paradoxalmente, a iniciativa privada está salvando o socialismo do desastre.

Uma pequena multidão de camelôs e de donas de casa percorre de bicicleta e moto a intérmina fileira vendendo pratos feitos e bebidas.

A organização interna da China há tempos dava sinais de desorganização profunda.

Mas, até agora não se evidenciou para olhos ocidentais nenhum caso tão calamitoso quanto o presente engarrafamento-monstro.

Em 25 de agosto a NBC e diversos jornais europeus informaram que houve um aumento de velocidade que permite falar em fim do engarrafamento, segundo o mesmo "La Nación".

A NBC fala em fim do engarrafamento "por agora".

De fato, o problema de fundo, isto é, a direção totalitária da economia continua de pé.


Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Atentados contra os católicos desmentem política de distensão com o comunismo chinês

A única igreja católica em Ordos, na província da Móngolia Interior, foi demolida pela polícia chinesa e seu pároco, Pe Gao Em, foi preso junto com Yang Yizhi, um líder leigo católico.

O crime sacrílego aconteceu a meia-noite. Os fiéis erigiram um Cruzeiro no local de 5 metros de altura e passaram a montar guarda para impedir o saque das ruínas, informou a agência UCANews.

Poucos dias depois, o Pe Zhang Shulai e a religiosa Wei Yanhui, da “igreja clandestina” fiel a Roma, foram mortos a facadas em Wuhai, na mesma província.

A notícia, inicialmente difundida pela Laogai Research Foundation, acabou sendo confirmada pela polícia socialista, informou o diário “Il Messagero” de Roma.

Os fiéis estão espantados vendo que a diplomacia vaticana aumenta os sinais de aproximação com a tirania comunista de Pequim enquanto os esbirros socialistas multiplicam as violências e crimes contra os católicos fiéis ao Papa.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Socialismo na Coreia do Norte: ainda que o preço seja miséria, fome e morte

ONU: uma entre três crianças norte-coreanas com menos de cinco anos é desnutrida
Declarações de norte-coreanos demonstram cabalmente a falência provocada pela ideologia socialista. Em reportagem publicada pelo New York Times e reproduzida no Brasil pelo site iG em 11/06/20101, a jornalista norte-americana Sharon Veronica Lafraniere, que obteve na China entrevistas com oito deles, revela a miséria causada pela política da Coréia do Norte.

A idéia que delas se depreende é a determinação férrea do ditador e seus sequazes de manutenção do ideal socialista, ou seja, o estabelecimento da igualdade social e econômica a qualquer custo, ainda que o preço seja a miséria, a fome e a morte de seus infelizes habitantes.

Saliento trechos da reportagem da competente jornalista. Os subtítulos são nossos:

“Entrevistas feitas no mês passado com oito norte-coreanos que deixaram o país recentemente – um fugitivo da prisão, contrabandistas, pessoas em exílio temporário para trabalhar na China, a mulher de um oficial do Partido dos Trabalhadores em viagem – pintam um retrato assustador do desespero existente dentro da Coréia do Norte, uma nação de 24 milhões de pessoas, e do crescente ressentimento em relação ao seu errático líder, Kim Jong-il.”

“Eles e outros norte-coreanos falaram apenas sob condição de não revelar seus nomes em conversas em grande parte arranjadas por igrejas clandestinas operando na China logo depois da fronteira. Se fossem identificados como viajando ou trabalhando ilegalmente na China, eles poderiam ser deportados e presos, assim como seus parentes.”

Fome e desnutrição de crianças

“O Programa Alimentos para o Mundo da ONU diz que uma entre três crianças norte-coreanas com menos de cinco anos é desnutrida.”

Ausência do emprego e suborno

A fim de poder se ausentar de suas funções para trabalhar como empreendedor informal, para não deixar sua família morrer de fome, um operário estatal declara ter “esquecido de receber salário” durante anos -eufemismo que lembra o nosso conhecido “jeitinho”- para evitar dizer à repórter o fato contundente de que subornava seu chefe.

Isolamento e propaganda obnubilante

Em outro trecho da reportagem, Sharon La Franiere menciona que “pelo menos dois dos entrevistados na China repetiram a propaganda oficial de que a Coreia do Norte é vítima de inimigos obstinados, sua pobreza uma trama armada pelo Ocidente e sua sobrevivência ameaçada pelos EUA, Coreia do Sul e Japão.

“A acusação feita pela Coreia do Sul de que a Coreia do Norte afundou um de seus navios de guerra, o Cheonan, em março, é apenas parte da trama, afirmou a esposa do oficial do partido.

“É por isso que temos armas para nos protegermos”, disse durante uma visita a parentes no norte da China – período no qual aproveitou para ganhar um dinheiro extra como garçonete. ‘Nossos inimigos estão nos atacando por todos os lados e é por isso que não temos eletricidade e uma boa infraestrutura. A Coreia do Norte deve manter suas portas fechadas’.”

O “expert” em propaganda o nazista Joseph Goebbels não poderia fazer melhor do que o clã Kim.

Perseguição à livre iniciativa e propriedade privada

“Em um comunicado de 2007 do Comitê Central, Kim Jong-il reclamou que os mercados haviam se transformado em ‘um berço de todo tipo de práticas não socialistas’. A desvalorização da moeda em 30 de novembro os virou de cabeça para baixo. O Estado decretou que um novo e mais valioso won substituiria o velho won, mas que as famílias poderiam trocar apenas 100 mil wons, cerca de US$ 35 no índice do mercado negro, pelo novo. A medida eliminou as reservas privadas de dinheiro.

Pyongyang: plásticos para fechar janelas com fríos abaixo de zero.
“A desvalorização da moeda apenas aumentou o sofrimento. Seu objetivo era desviar os rendimentos da ampla economia clandestina norte-coreana – seus mercados de rua – para as empresas estatais sem dinheiro.

“Os mercados são a única fonte de renda de muitos norte-coreanos, mas eles são uma afronta ao credo do governo no socialismo econômico. Teoricamente todos, com a exceção de menores, idosos e mães de crianças pequenas, trabalham para o Estado. Mas as empresas estatais estão definhando há 30 anos e os norte-coreanos fazem tudo o que podem para escapar do trabalho nelas.

“Os fazendeiros cuidam de seus próprios jardins enquanto ervas daninhas tomam conta de fazendas coletivas. Trabalhadores urbanos evitam suas obrigações em empregos estatais para venderem de tudo, de metal retirado de fábricas desativadas a televisores contrabandeados da China.

“A mulher do oficial do partido, com o cabelo suavemente encaracolado, uma bolsa de marca pirata ao lado, vangloriou-se de sua casa de seis cômodos com duas televisões coloridas e um jardim. Na sequência, elogiou a desvalorização monetária como uma punição merecida para aqueles que tentaram enganar o Estado, apesar de reconhecer que isso levou ao caos e lembrar que um oficial de alto escalão foi executado pela administração por mau gerenciamento dessa política.

“Muitas pessoas ruins enriqueceram por meio do comércio ilegal com a China, enquanto as pessoas boas nas empresas estatais não tinham dinheiro suficiente”, disse. “Assim, os que tinham perderam para os que não tinham.”

Não terão essa mesma determinação férrea os que propugnam implantar no Brasil a sonhada igualdade absoluta na esfera social, econômica, política e mesmo na profundidade do pensar, querer e agir? Deporá a favor dessa observação o aparente recuo ensaiado pelo Ministro Vannuchi diante da firme oposição manifestadas por amplos setores da sociedade civil, militar e religiosa ao ditames do PNDH3?

No Brasil ampla parcela da opinião pública tem se mostrado reativa contra as tentativas de imposição de um Brasil cada vez mais socialista. Este Brasil abençoado pela manifestação maternal do aparecimento milagroso de uma imagem de origem inteiramente desconhecida, não pode e não deve cair nas malhas do socialismo precisamos reagir enquanto há tempo, peçamos força e coragem à Padroeira do Brasil.

Nota
1 A leitura da reportagem é altamente recomendável para quem quer ter um idéia do que é verdadeiramente um estado puramente socialista. Acesse.

Fonte: Nilo Fujimoto, site do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 20 de julho de 2010

Camponeses resistem a expropriações

Yang Youde, 56, camponês da província de Hubei, no centro da China resiste à expropiaçao de sua roça. Segundo informou o diário Libération, reproduzindo notícias do “Les Nouvelles de Pékin”.

Ele transformou sua casa numa verdadeira fortaleza equipada até com um canhao artesanal.

Yang dissuadiu as equipes do governo que tentaram despojá-lo de sua terra e destruir sua casa usando esse canhão que atira até 100 metros diversos tipos de projéteis, especialmente rojões e fogos de artifício que espantam os agentes socialistas..

“Eu devo proteger meus direitos”, disse Yang ao diário chinês. “Eu sou um agricultor. Toda minha vida depende da agricultura. Se eu cesso a resistência não terei aonde ir”. Numa escaramuça mais recente, os agentes socialistas espancaram a Yang, mais ele não arreda.

As expropriações no campo e na cidade viraram uma das principais fontes de tensão social na China.

O socialismo não admite nenhuma forma de propriedade, porém, milhões de chineses não aceitam esse absurdo.

A ditadura tem que agir pisando em ovos para limitar as dezenas de milhares de revoltas camponesas e citadinas que se reproduzem todo ano nos quatro cantos do imenso e infeliz império maoísta.

No fim de abril, um dirigente do Partido Comunista da província de Henan ordenou a um caminhoneiro passar por cima de um manifestante que tinha se deitado na estrada. Para acalmar a indignação popular o dirigente foi presso.

Em novembro, na província de Sichuan, uma mulher de 47 anos morreu após atear fogo em si própria como protesto pela destruição da fabriqueta de seu marido, acrescentou “Libération”.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Ataque submarino da Coreia do Norte pôde ser espoleta de conflito geral

Torpedo nortecoreano que afundou nave sulcoreana
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Relatório da inteligência americana aponta que o ditador comunista da Coreia do Norte Kim Jong-il, deu a autorização para o ataque que resultou no afundamento da corveta “Cheonan” sul-coreana, informou “The New York Times”.

No afundamento morreram 46 marinheiros da Coreia do Sul. O casco da nave afundada foi recuperado e foi possível identificar até os restos do torpedo utilizado pelo submarino comunista.

Foi o incidente mais mortífero desde a Guerra de 1950-1953, e gerou forte tensão internacional.

Nave sulcoreana foi reflotada e a causa foi esclarecida
Medidas diplomáticas e condenações da ONU seguiram-se após a comprovação do crime.

Porém têm poucas chances de produzir qualquer resultado, pois o Ocidente teme incomodar a China, verdadeiro sustentáculo da ditadura marxista.

A visita de Kim a “Unidade 586” que teve papel crucial no ataque “teve todas as características de uma congratulação pelo serviço feito”, observou Jonathan Pollack, professor no Naval War College dos EUA e especialista no militarismo da Coreia do Norte.

Kim Jong-il recebe o premiê chinês Wen Jiabao, Pyongyang
Para Victor Cha, especialista do Center for Strategic and International Studies de Washington, provocações do gênero são procuradas pelo ditador com a finalidade de reforçar sua credibilidade interna.

O procedimento é típico de ditadores que passam apertos. A experiência histórica aponta que casos desses podem subitamente dividir o mundo e precipitá-lo numa guerra de uma extensão inimaginável.

Nesse caso, de que lado ficaria o Brasil petista, já tão próximo do Irã, aliado muito próximo da Coreia do Norte?

domingo, 27 de junho de 2010

Sinistros mistérios por tras da “torcida” e do time da Coreia do Norte

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na arquibancada do Ellis Park, os “norte-coreanos” torciam de um modo esquisito. Mais pareciam “bonecos teleguiados que evitam falar”, comentou “O Globo” (16.6.10)

Os 50 homens não queriam, ou não podiam falar e evitavam a imprensa. Um animador comandava-os com batuta de ferro, assim como o “líder supremo” Kim Jong Il dirige o país.

“Aqueles 50 homens pareciam bonecos guiados por controle remoto. Todos com a mesma roupa, receberam de um espécie de animador de torcida, dois pedaços de madeira para que fizessem barulho como se batessem palmas.

“Cada gesto era guiado pelo líder, que ficava à frente e dizia quando bater com a madeira, o quê e quando cantar.

“O grito de guerra era algo como ‘Somos da Coreia do Norte e lutamos muito bem. Em 1966, eles lutaram e agora faremos o mesmo’, numa referência à histórica campanha na Copa da Inglaterra”, registrou a reportagem.

Quando alguém perguntava como tinham chegado até lá, faziam um sinal de silêncio com o dedo indicador à frente da boca.

Mas, eles tinham um porta-voz designado, Kim Yong Chon, que falava pelo grupo:

— Fomos escolhidos para vir apoiar o time. Como viemos? De avião.

Aqueles norte-coreanos, na verdade, sequer se conheciam. E não conversavam entre si. Sobre a vida em seu país, diziam não poder responder.

O mistério não demorou em começar a se esclarecer: a “torcida” norte-coreana era composta por atores chineses contratados pelo regime norte-coreano, noticiou a imprensa internacional.

A própria imprensa chinesa revelou o fato. Eles foram recrutados pela empresa China Sports Management Group a pedido do Comitê de Esportes da Coreia do Norte.

A Coreia do Norte vem servindo de “desabafo” para as tendências violentamente anti-ocidentais e anti-capitalistas astutamente aboletadas em Pequim. Nada de mais normal que a Coreia do Norte recorresse a seus aliados de confiança para essa delicada operação de propaganda.

Por que não contratou atores do próprio país?

Após a partida com o Brasil, diversos meios internacionais noticiaram que quatro jogadores norte-coreanos tinham “desaparecido”. Fugaram-se? Foram detidos pela espionagem norte-coreana na delegação?

Mistério...

O diretor de imprensa da FIFA, Nicolas Maingot, segundo alguns sites, saiu a dissipar os temores dizendo que “os 23 jogadores estão presentes no hotel”, em Johannesburgo. De fato, o dia da partida com o Brasil no estádio Ellis Park só havia 19 dos 23 futebolistas da equipe.

Dá para temer que o futuro desses jogadores pode ser sinistro, se se considera a experiência passada, observou o jornalista da “Folha de S.Paulo”, João Pereira Coutinho.

Ele lembrou que em 1966, o Portugal eliminou a Coreia do Norte.

“Mas na história desse jogo, a verdadeira tragédia aconteceu quando os norte-coreanos regressaram a casa. A revista americana The New Republic relatou recentemente o sucedido: recebidos como heróis pela população, a verdade é que as autoridades oficiais de Pyongyang não gostaram do 3x5 com Portugal.

“E agiram em conformidade. A equipe foi desmantelada. Os jogadores foram criticados violentamente pela imprensa oficial do Partido, acusados de ‘espionagem’ e outras atividades ‘subversivas’. E, depois de criticados, seguiu-se a tortura e o envio para os campos de concentração do regime.”

“Meio século depois, acrescentou o jornalista, a situação não se alterou. A Coreia do Norte continua a ser um estado comunista e paranoico especialista no assassinato dos seus cidadãos”.

Não admira que alguns desses jogadores tenham dado sinais de deserção, tal vez mendigando asilo político.

Eis o regime mimado pela China maoista ‒ ou “convertida ao regime de mercado” como alguns ingênuos insistem em acreditar.

Ao menos enquanto não cair sobre esses ingênuos (?) a canga da escravidão socialista. Mas ali já poderá ser muito tarde.

Veja a TV nortecoreana retransmitindo a “vitória” Coreia do Norte 1 X Brasil 0, na África do Sul

Se seu email não visualiza corretamente o vídeo embaixo CLIQUE AQUI



terça-feira, 22 de junho de 2010

Virtual extermínio dos católicos na Coreia do Norte

1954: túmulo de três sacerdotes martirizados em Chunchon
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Ninguém conhece o destino dos bispos católicos da Coreia do Norte, informou a agencia AsiaNews. No Anuário Pontifício eles figuram como titulares de suas dioceses, porém os considera “dispersos”, um eufemismo por “desaparecidos”.

Para o regime comunista trata-se de “perfeitos desconhecidos” e desde os anos 80 funcionário algum fornece qualquer informação sobre eles.

A Coreia do Norte esta subdividida em três dioceses ‒ Pyongyang, Chunchon e Hamhung ‒ além da Abadia Territorial de Tomwok.

Nos anos 50, 30% dos habitantes da capital Pyongyang professavam a fé católica, mas no resto do país atingiam só o 1%.

Durante a Guerra de Coreia (1950-1953) as tropas comunistas massacraram missionários, religiosos estrangeiros e católicos coreanos. O regime norte-coreano, satélite de Rússia e da China, tentou varrer toda presença cristã. No Norte foram destruídos todos os monastérios e igrejas, e os monges e sacerdotes foram condenados a morte.

Pe Antoine Gombert:
mártir dos nortecoreanos comunistas
Naquela guerra o delegado apostólico no país, Mons. Patrick James Byrne foi condenado à morte. A execução não teve lugar, porém o representante vaticano foi deportado a um campo de concentração onde faleceu em virtude das privações.

Desde aquela época não se têm mais notícias dos 166 sacerdotes e religiosos presentes no país pelo fim da guerra. “São perfeitos desconhecidos” respondem sempre os burocratas socialistas.

Oficialmente não ficou nem clero nem culto. Fontes de AsiaNews no país afirmam que os “verdadeiros” católicos que restam, não são mais de duzentos, na sua maioria idosos.

O regime autoriza apenas a igreja de Changchung na capital Pyongyang. Na realidade, é mera “vitrina” de propaganda do regime.

Os fiéis devem professar a fé em secreto. Se forem descobertos numa missa podem ser presos, torturados e condenados à pena capital. O simples fato de possuir uma Bíblia é crime punível com a morte.

Mons. Hong Yong-ho foi nomeado Vicário Apostólico de Pyongyang em 24 março de 1944 pelo Papa Pio XII. Em 10 março de 1962 a Santa Sé elevou o Vicariato à condição de diocese em protesta contra a perseguição do regime comunista.

Mons. Hong tornou-se um símbolo da resistência católica, mas hoje está “desaparecido”.

Se ele estiver vivo teria mais de cem anos, e o Vaticano julga que “não pode se excluir que ainda esteja prisioneiro em algum campo de reeducação”.

Enquanto isso, na Coréia do Sul, num regime de liberdades, os católicos aumentam continuadamente e já superaram a barra de 10% da população total, segundo a agência UCANews.

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Regime inumano de trabalho gera onda de suicídios suspeitos na China

 
Uma onda de suicídios na fábrica da Foxconn, pertencente a uma empresa de Taiwan, instalada em Shenzen, sul da China continental, causou pânico entre os seus dirigentes, informou a BBC.

A direção da fábrica decidiu aumentar os salários em 20%. Ela produz aparelhos eletrônicos para a Apple, como o iPhone e o novo iPad, mas também para Dell, Nokia e Sony. O salário inicial nessa empresa de alta tecnologia é de 900 yuans por mês, equivalente a perto de R$ 242. A Foxconn emprega mais de 300 mil pessoas na China.

O problema é o regime militar de trabalho na fábrica, mais ou menos similar ao usado no resto da China. O total dos suicídios reconhecidos aproximaria-se a 16.

Presidente da Foxconn, Terry Gou, tenta acalmar as denúncias
O fato é que os operários estão submetidos a extenuantes jornadas de trabalho num parque industrial isolado, que lhes fornece dormitórios para garantir máxima produtividade. Eles são controlados e punidos por uma polícia interna, suspeita de ter induzido o suicídio de muitos.

O presidente da empresa, Terry Gou, garantiu que estava instalando redes para evitar novos suicídios em todos os dormitórios e prédios do imenso complexo. Elas visam segurar os operários que venham se jogar pelas janelas.

O complexo industrial, segundo o correspondente da BBC em Xangai, Chris Hogg, “é uma verdadeira cidade, com lojas, postos de correio, bancos e piscinas de tamanho olímpico”. Setenta psicólogos aconselharão aos funcionários.

Dormitórios comuns para os operarios da Foxconn
Segundo o diário portenho “La Nación”, os pais de Ma Xiangqian, 19, um dos mortos, acham que seu filho faleceu em circunstâncias misteriosas. “Só pedimos é a verdade. Nem sequer uma compensação” disse o pai de Ma.

Empregados denunciam que agentes internos de segurança espancam os operários e em algum dos casos, teriam jogado a vítima pela janela.


O alto número de operários que assim perderam a vida nas fábricas da China incomoda à indústria tecnológica que, com capitais e tecnologias ocidentais, explora a mão de obra escrava chinesa. Aumentam os apelos de ativistas para um boicote mundial de produtos como os últimos iPhone da Apple produzidos em condições injustas.

Sun Danyong: empresa reconheceu violências
Os operários do complexo de Longhua, ainda segundo “La Nación”, reagiram irados quando a direção da empresa pediu que assinassem uma carta de modo imediato contendo uma cláusula pela qual so recebeeriam o mínimo legal por acidentes fora do local de trabalho.

Gou, presidente da empresa, pediu desculpas e disse que retiraria a proposta.

O diário australiano “The Age” também noticiou o caso do operário acusado pela segurança interna de roubar um iPhone e que depis apareceu como tendo se suicidado. O jornal forneceu uma lista dos suicídios e tentativas suspeitas.

Disciplina em estilo militar na Foxconn
Tratou-se do funcionário Sun Danyong que perdeu um protótipo de um iPhone de 4ª geração apareceu depois “suicidado”. A empresa deplorou o uso de 'métodos inadequados de interrogação' aplicados sobre Sun antes da morte, segundo o diário inglês “The Mail”.

Apple e Dell declararam estar dispostas a investigar as denúncias sobre as más condições de trabalho nas fábricas chinesas que montam os produtos que depois vendem no mundo todo, inclusive no Brasil.

A declaração visa sobre tudo a imprensa e os consumidores ocidentais. Há muitos anos, o regime de exploração de mão de obra escrava vinha sendo denunciado em Ocidente e em nada incomodava aos capitalistas ocidentais beneficiados.

E a Foxconn não é a pior neste sentido no paraíso socialista chinês.




Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 11 de maio de 2010

Marinha de guerra chinesa perturba mares conflitivos

Marinha chinesa intensifica presença em águas conflitivas
 A Marinha de guerra chinesa está expandindo sua presença em mares estratégicos, desafiando a hegemonia da marinha americana, escreveu “The New York Times”.

A China comunista alega se tratar de medidas de defensa em alto mar. Porém na prática está se instalando em águas altamente conflitivas, como as do Golfo Pérsico, que pouco têm a ver com sua defesa, mas sim com um plano de expansão e de hegemonia planetára.

Em março, dois modernos navios de guerra chineses ancoraram pela primeira vez em Abu Dhabi, no Golfo Pérsico.

Pequim fez saber privadamente a altos oficiais americanos que não quer mais a presença deles no Mar da China onde o regime marxista matém tensas relações com Taiwan.

Nave de guerra chinesa ancorada em Nova Zelanda
Para o jornal americano, a China acalenta “intenções agressivas” em relação aos EUA e outros países.

O almirante Robert F. Willard, chefe do comando naval americano no Pacífico declarou ante o Congresso em Washington que os recentes desenvolvimentos navais chineses atingiram um patamar “muito alarmante.”

China testou mísseis mar-mar de longo alcance, desenvolve um portaviões, uma sofisticada frota de submarinos destinados a agir nas áreas mais conflitivas dos mares asiáticos.

“A modernização naval da China aparece como concebida para desafiar nossa liberdade de ação na região,” acrescentou.

Manobras frente a Taiwan
As Filipinas e o Japão são dois dos países vizinhos visados pelo expansionismo maoista.

O ministro da defesa japonês Toshimi Kitazawa denunciou em abril manobras intimidatórias de frotas chinesas perto demais do Japão. As naves de guerra chinesas praticaram manobras provocatórias contra os navios japoneses enviados a garantir as fronteiras.

Em Washington, Lee Kuan Yew, ex-chefe de governo de Singapura pediu que os EUA mantenham sua presença na região pois está altamente preocupado com o expansionismo naval de Pequim.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 13 de abril de 2010

China expande redes de espionagem social

Policial impede fotos durante prisão de manifestantes
Na região chinesa da Mongólia Interior, a polícia reconheceu ter recrutado 12.093 cidadãos de um total de 400.000 habitantes para trabalharem como espiões a serviço do regime, informou o diário australiano “The Sydney Morning News”.

O delegado Liu Xingchen disse à agencia oficial socialista Xinhua que a prioridade é colher informações e denúncias de “elementos não-harmoniosos”, leia-se não submissos à ditadura socialista.

Sabia-se da extensão espantosa da rede de espionagem social do regime, mas nunca se teve um depoimento oficial tão comprobatório.

Segundo o delegado Liu cada membro do sistema de repressão está obrigado ele próprio a recrutar 20 informantes. E se alguém recusar o “convite” pode entrar na lista negra dos “suspeitos”.

A entrevista de Liu foi publicada pelo website China Digital Times. Nela, o delegado diz que o trabalho visa “preventivamente descobrir elementos não-harmoniosos que possam afetar a estabilidade”. Dessa maneira, o esquema tentaria “evoluir de uma atitude passiva, isto é, punitiva após o delito ser realizado, para uma atitude ativa resolvendo o caso antes de acontecer”.

Guarda de trânsito em Pequim
Na prática, equivale a prender qualquer um de quem o sistema socialista não goste acusando-o de poder vir a fazer algo “ruim”. As ambigüidades da definição do eventual “criminoso” se prestam para todos os abusos.

Liu reconheceu que populares queriam apresentar queixa às autoridades superiores, mas foram “dissuadidos” de fazê-lo.
De fato, oficialmente o cidadão pode apresentar queixas, porém a polícia reduz as denúncias valendo-se de ameaças ou prisão.

Nicholas Bequelin, pesquisador de Human Rights Watch, disse que a polícia socialista facilmente incita os cidadãos a delações, ameaçando seu emprego.

Joshua Rosenzweig, do grupo Dui Hua, que procura tratamento melhor para os presos na China, confirmou que a polícia socialista vem aumentando as redes de espionagem social desde os anos 90.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

quarta-feira, 17 de março de 2010

Jovens sacerdotes e universitários enfrentam com ufania a perseguição socialista

Provincia de Fujian
O Padre Giovanni Battista Luo, 39, foi preso pela policia chinesa na diocese de Mindong (Fujian), informou AsiaNews. Ele foi arrestado junto com mais seis sacerdotes pelo “crime” de organizar um acampamento para 300 estudantes universitários.

Eles pertencem à Igreja Católica, dita “clandestina” porque não obedece à cismática “Igreja Patriótica” ficção burocrática criada pelo Partido Comunista.

A polícia invadiu o acampamento e ordenou fechá-lo, mas os sacerdotes recusaram-se a obedecer.

Os religiosos explicaram a situação aos estudantes e deram liberdade aos que quisessem para voltar a casa. Só 20 foram embora.

A polícia ficou impressionada e se afastou, mas convocou os padres para um longo interrogatório sem ousar prender nenhum.

Por fim, em março a polícia prendeu o Pe Luo num “hotel” (prisão dissimulada) de Fuan.

Santuário ameaçado de destruição na China
O Pe Luo havia declarado estar “pronto para ir ao cárcere”, que não tinha “nada a temer” e que estava “orgulhoso de ser um sacerdote católico, desejoso de professar a Fe até com os atos”.

Ele acrescentou: “serei feliz se puder servir de testemunha de Cristo e imitar o exemplo de tantos santos mártires”.

Por sua vez, os padres Guo Xijin, Miu Yong e Liu Maochun também receberam mandato de prisão, mas até agora não foi efetivado.

Mais três padres foram multados, porém preferem ir no cárcere a pagar essas imposições iníquas.

A diocese de Mindong está quase totalmente constituída por fiéis à Santa Sé ‒ “subterrâneos” ou “clandestinos”‒ perseguidos pelo socialismo. Dos 80 mil católicos, mais de 70 mil são “clandestinos”, muito organizados e ativos, contando com mais de 50 sacerdotes, 96 freiras e 400 leigos catequistas. O bispo é Mons. Vincenzo Huang Shoucheng, 86.

Existe um “bispo patriótico” dependente do governo e vagamente comparável aos bispos da Teologia da Libertação no Brasil, Mons. Zhan Silu, que é acompanhado por poucos e desanimados seguidores.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Heróica resistência dos católicos na China

Em mais um ato público de fé e resistência ao regime comunista, 5.000 católicos chineses desafiaram a neve, o intenso frio (30ºC abaixo de zero) e a polícia, para dar digna sepultura a Mons. Leo Yao Liang, bispo coadjutor de Xiwanzi.

O bispo anti-comunista passou 30 anos na prisão, por recusar a Associação Patriótica (igreja cismática submissa ao regime marxista).

Desde 2006 a polícia manteve-o seqüestrado por causa do mesmo “crime”.

As autoridades comunistas proibiram que ele fosse tratado como bispo, mas no momento da sepultura os fiéis inseriram clandestinamente as insígnias episcopais no caixão.

A agência AsiaNews, uma das raras fontes que conseguiu furar o bloqueio das informações feito pela ditadura socialista, lamentou que os fiéis não recebessem nenhuma mensagem de condolências do Vaticano, e que o jornal vaticano “L’Osservatore Romano” não publicasse em tempo uma necrologia do heróico mártir.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Economia chinesa está distorcida e pode explodir como bolha

De acordo com fontes diversas, a economia chinesa pode entrar em colapso.

James S. Chanos que construiu uma das maiores fortunas em Wall Street prevendo o colapso de outras empresas excessivamente valorizadas, julga que a saga da economia chinesa é boa demais para ser verdade, noticiou “The New York Times”.

Chanos anuncia que a China vai para um crash, pois está cometendo todos os erros que puseram em crise as finanças ocidentais.

Ele suspeita que Pequim falsificou os números de sua economia.

Chanos não está só: “ocorrerá um colapso”, disse Gordon G. Chang, autor do livro, “The Coming Collapse of China”.

Por sua parte, o dissidente chinês Wei Jingsheng acena com análogo desabamento em virtude do desrespeito socialista por direitos fundamentais da ordem natural, como a livre iniciativa, informou AsiaNews.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Coreia do Norte é o pior perseguidor dos cristãos com o amparo de Pequim

Guardas vigiam a fronteira e abatem quem tenta fugir
Guardas vigiam a fronteira e abatem quem tenta fugir
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na comunista Coreia do Norte as execuções de cristãos estão aumentando, noticiou a agência Zenit. Alguns dos martírios foram praticados de público, mas a diplomacia ocidental finge não perceber.

A BBC informou que Ri Hyon-ok, 33, mãe de três filhos, foi enviada com marido e filhos a um campo de concentração pelo “crime” de distribuir bíblias. Por fim foi supliciada na cidade de Ryongchon.

A Coreia do Norte é o pior perseguidor dos cristãos avaliou a organização Open Doors Watch. É um inglório título muito difícil de conseguir postas as violências anticristãs nos países islâmicos e socialistas.

Acredita-se que nos campos de concentração norte-coreanos haja dezenas de milhares de cristãos, diz Open Doors. Há igrejas abertas na capital Pyongyang “para inglês ver”. A pesar da perseguição, por volta de trinta mil norte-coreanos praticam o cristianismo no segredo dos seus lares.

A ditadura da Coreia do Norte nem é capaz de alimentar a população. Mas ela se mantém com o apoio sorrateiro e continuado de Pequim.


terça-feira, 19 de janeiro de 2010

China armazena mísseis para um conflito atômico universal decisivo


Desde 1995 Pequim está construindo uma “grande muralha subterrânea” de 5.000 kms para proteger seu arsenal [foto], informou o diário “Le Figaro” de Paris.

A imprensa oficial confirmou a incrível notícia. Segundo o “Diário de Defesa Nacional” chinês o Exército vermelho visa resguardar seus mísseis nucleares nesses túneis escavados em zonas montanhosas e que podem atingir 1.000 metros de profundidade.

Dezenas de milhares de soldados foram empregados na obra. O regime explicou querer conservar uma reserva decisiva que decida um conflito geral atômico.

Em Hong Kong, órgãos de imprensa ainda livres viram no fato mais um sinal do plano comunista pequinês de tentar se impor como a maior potência da Terra num eventual conflito futuro.

A Grande Muralha feita contra as invasões mongóis tem 6.700 kms (ou 8.800 segundo outros) e não adiantou de muito. Porém, revelando a existência desta rede, Pequim confessa quais são suas intenções para com o resto do mundo.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Democracia em Hong Kong está cada vez mais longe


Milhares de cidadãos de Hong Kong saíram às ruas, por ocasião do Ano Novo, para pedir a democracia que Pequim prometeu, mas não está concedendo, noticiou o “Washington Times”.

O povo cantava “um voto para cada homem escolher nosso chefe” e “democracia já”. Precisamente tudo o que o regime socialista detesta.

Uma fileira de policiais bloqueou a marcha no centro financeiro da cidade. A polícia falou em 9.000 manifestantes. O número é significativo do afogamento paulatino e ardiloso das liberdades.

Atos análogos há poucos anos reuniram centenas de milhares de pessoas. Em julho de 2003 chegaram a ser meio milhão.

Em virtude da Constituição, a cidade deveria eleger democraticamente as autoridades. Porém, o sistema socialista decidiu em 2007 que Hong Kong só escolheria seu Executivo em 2017 e seus legisladores em 2020.

A população teme que a protelação seja mais um ardil do regime para ir empurrando as eleições até uma data que nunca chegará.

Atualmente Hong Kong é governada por um comitê escolhido e teleguiado por Pequim e aliados locais. Só a metade dos legisladores pode ser escolhida por via eleitoral.

Sei que o blog 'Pesadelo chinês' é reprimido na China, mas desejaria receber atualizações gratuitas, sem compromisso, no meu Email