O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 28 de junho de 2011

Ditadura maoísta requinta métodos repressivos velhos e novos

Repressão em Cantão


Os comitês dos bairros chineses - algo parecidos com as comunidades de bairro apregoadas pela Teologia da Libertação - estão cada vez mais ativos. O regime marxista mandou reforçar o sistema de espionagem e denúncia mútua dos cidadãos organizado por Mao Tsé Tung, escreveu o diário inglês “Financial Times”.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Onda de revoltas populares: 130 mil em 2010

A ditadura chinesa passou dificuldades para recuperar o controle das ruas de Guangzhou, centro industrial do sudeste, após um fim de semana de protestos populares, informou o “Los Angeles Times”.

Na sexta-feira, 10 de junho, a polícia espancou uma moça grávida que vendia produtos diante de um supermercado de Zengcheng, na periferia de Guangzhou.

O episódio foi a gota que fez transbordar o copo. Nos dias seguintes, a cólera popular virou carros de policia, quebrou vitrines, incendiou e até colocou explosivos em escritórios do governo.

terça-feira, 14 de junho de 2011

“Óleo de esgoto, “leite de couro”, “arroz cádmio”, “carne de Avatar”: iguarias socialistas

Intoxicação de crianças causou pânico
Peter Foster, correspondente em Pequim do diário “The Telegraph” fez um resumo dos dez maiores escândalos recentes de adulteração de alimentos na China.

A lista era até necessária de tal maneira essas fraudes estão cada vez mais freqüentes, perigosas e podem nos atingir no dia-a-dia em simples produtos de baixo preço que substituem produtos fabricados no Brasil.

Veja:

terça-feira, 7 de junho de 2011

Brics: um bloco sino-dependente?

China no centro.
Foto: Roberto Stuckert Filho-PR
Pequim visa cumprir a velha meta fixada por Mão Tsé Tung: transformar a China marxista em potência hegemônica do mundo.

Porém, a via escolhida não é a esperada por politólogos pouco flexíveis do Ocidente. Em vez de tanques e terroristas, a China usa como instrumentos de dominação o comércio e manobras financeiras.

Pequim fez do grupo Brics ‒ de grandes economias emergentes: Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul ‒ um fórum dominado por ela, visando marginalizar a predominância atual dos EUA.