O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Prisão iniqua do bispo auxiliar de Shangai afervora católicos no mundo

Mons. Daqin "desaparecido" pela polícia socialista
Mons. Daqin "desaparecido" pela polícia socialista

Continuam na Ásia e no mundo as iniciativas para obter a libertação de Mons. Taddeo Ma Daqin, bispo auxiliar de Xangai, que no dia de sua sagração teve a coragem de romper com a Associação Patriótica, órgão da repressão socialista.

O bispo foi imediatamente preso pela policia e está “desaparecido”.

A agência AsiaNews informou que o Cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong-Kong, presidiu na igreja de Santa Margarida desta cidade, a uma celebração nas intenções do bispo sequestrado, com a presença de mais de 800 católicos.

O Cardeal acusou os representantes do governo comunista de interferência na vida da Igreja. De fato, a prepotência e a violência têm sido a única atitude estável do regime face aos católicos fieis à Roma e que recusam pactos com o socialismo.

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Campos de tortura e castigos geraram atletas vencedores na Olimpíada


Na última Olimpíada os atletas chineses ganharam um número anormal de medalhas, porém a um custo sinistro, segundo matéria publicada por “O Globo”.

Em 1992, a China conquistou em Barcelona apenas 16.

Em 2008 pulou para 51. E em 2012 ficou atrás dos EUA por muito pouco.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Navios de guerra chineses ingressam no Mediterrâneo e no Mar Negro

Fragata chinesa 'Yantai' no porto de Varna, Bulgária.
Fragata chinesa 'Yantai' no porto de Varna, Bulgária.

Duas flotilhas de guerra chinesas ingressaram no Mediterrâneo no mês de agosto, via Canal de Suez, manifestando intenções amistosas, noticiou o jornal indiano “Indian Punchline”.

Trata-se de um fato sem precedentes e um sinal do expansionismo bélico chinês. Dois navios de guerra, entre os quais um destruidor com mísseis teleguiados, ancoraram em Istambul, numa visita de quatro dias.

A segunda flotilha penetrou o Mar Negro e ancorou no porto búlgaro de Varna, numa “visita de boa vontade”, algo nunca acontecido antes.

A mídia israelense especula que a entrada naval militar chinesa em águas tão distantes de suas bases tinha como objeto dar um apoio ao governo da Síria, que vem sendo sustentado diplomaticamente por Pequim nos foros internacionais decisivos.