O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Comércio de órgãos humanos se apoia em execuções capitais na China

Condenados a morte são fonte involuntária de órgãos

A Sra. Zhang pagou quase 75.000 euros (R$ 225.000 aprox.) a fim de obter em Xangai um fígado para seu marido alcoólatra.

Ela não ignora que esse órgão foi tirado de um condenado à morte: “A maioria dos órgãos provém de criminosos e nós o obtivemos por decisão de um tribunal de Justiça”, explicou ela, segundo notícia do jornal “Le Monde”.

A esposa de um outro paciente do hospital Ruijin acabava de pagar por volta de 36.000 euros por um fígado e também respondeu: “O doutor disse que o órgão era de um prisioneiro”.

Todo ano há oficialmente na China 10.000 transplantes de órgãos, 65% dos quais, em 2009, provinham de condenados a morte. Um chefe de serviço de um grande hospital de Xangai contou sob anonimato que a proporção atingia 80%.

O regime procura abafar as críticas com anúncios “humanitários” do gênero de classificação eletrônica dos doentes para evitar favoritismos, etc.


terça-feira, 20 de agosto de 2013

Católicos “clandestinos” desafiam prisão e emocionam-se vendo o catolicismo no Brasil

Pároco da igreja São Francisco Xavier, Tijuca,
Pe. José Li Guozhong assistiu peregrinos 'clandestinos'
Durante a Jornada Mundial da Juventude – JMJ, realizada no Rio de Janeiro, o grupinho de jovens do país mais populoso da Terra não foi convidado para nenhuma posição de destaque.

Alguns deles vivem proibidos de ver até uma simples foto do Papa. Eles foram recebidos, segundo o organograma, na Paróquia Divino Espírito Santo, no Maracanã, noticiou “O Globo”.

Eles vieram misturados com católicos de Hong Kong, Taiwan e Macau, onde o catolicismo é tolerado. Eram peregrinos “clandestinos” vindos da China continental, desafiando a repressão e a punição do Partido Comunista.

O socialismo é de tal maneira asfixiante e implacável que esses heroicos fiéis ficaram acostumados a desconfiar de tudo e de todos: não diziam seus nomes e não permitiam a divulgação de fotos.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

Reforma Agrária e pé-de galinha zumbi na China

Consta que a polícia chinesa tenha desmantelado uma rede que vendia pedaços de galinha – principalmente os pés, muito apreciados no país como aperitivo – velhos de 50 anos, noticiou o jornal “ABC” de Madri.

A descoberta aconteceu na cidade de Nanning, no sul da China.

Teriam sido apreendidas 20 toneladas de pés-de-galinha congelados de modo precário e vencidos havia 46 anos nos casos mais extremos – portanto, desde os anos 60 do século XX.

O “achado arqueológico” foi objeto de muitas ironias nas redes sociais chinesas, já acostumadas com notícias de alimentos estragados de toda espécie distribuídos pelo governo ou com sua cumplicidade.

A ironia é o recurso que resta aos infelizes chineses, condenados pelo regime a beber e comer produtos suspeitos.

Os internautas cunharam o termo “unha de galinha zumbi” para essa proeza da alimentação socialista.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

China perde o controle da sua economia Frankenstein

O mundo aceitou cada vez mais a ideia de que os líderes chineses são administradores hábeis da colossal economia do país.

E parece ter-se enganado, escreveu William Pesek, correspondente em Tóquio do Bloomberg News.

Sucessivas medidas do presidente do Banco da China, Zhou Xiaochuan, de início foram aclamadas como golpes de batuta de um mestre. Mas, quando elas viraram uma espiral de marchas à ré e de mudanças de rumo, semearam mal-estar e sugeriram que as finanças do gigante comunista podem ser comparadas a um Frankestein saído do controle do Dr. Jekyll

Imensas cidades fantasmas novas, rodovias, aeroportos e hidrelétricas inflaram o PIB chinês, obnubilando os investidores estrangeiros otimistas e gerando vertiginosos movimentos bancários.

O perigo, segundo Pesek, é que ninguém realmente sabe como está a saúde dos bancos estatais chineses, ou qual é o tamanho do enorme sistema de financiamento paralelo. Para Stephen Green, da Standard Charteres em Hong Kong, o sistema de crédito da China é uma “enorme e assustadora caixa preta”.
Pesek pergunta: “Como alguém pode acreditar que a China vem crescendo a uma taxa de 7,7%, como afirma o governo, quando variáveis cruciais na sua tabela de dados são um mistério? O economista Lu Ting, do Bank of America em Hong Kong, expôs-se à ira da China ao afirmar que o superávit comercial do país era um décimo dos US$ 61 bilhões informados a partir de meados de maio. Esse caráter “ninguém sabe” do sistema de crédito da China – quantidade, qualidade, ou excessos – é ainda mais preocupante”.