O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 18 de março de 2014

Apesar de morrer meio milhão de chineses cada ano pela poluição, isso não é tragédia ambiental!

Mulher tenta se proteger em Pequim
Mulher tenta se proteger em Pequim
A poluição na China como que é crônica pelo desmedido desejo de hegemonia industrial e econômica do regime socialista. As notícias a respeito parecem repetitivas se não fossem tão trágicas.

A última onda de poluição que se abateu sobre o norte do país “era tão densa que eu não conseguia sequer perceber o imóvel que estava diante de mim. Eu não ouso sequer assomar meu nariz fora de casa porque fico doente”, explicava Gao, jornalista aposentada que vive na periferia de Pequim, ao quotidiano francês “Libération”.

O “Libération” é insuspeito: ele “morre de amores” pela revolução chinesa e pela ecologia!!!

A concentração de micropartículas no ar da capital chinesa atingiu durante uma semana por volta de 400 a 500 microgramas por metro cúbico. Isto é 16 a 20 vezes o máximo definido pela Organização mundial da Saúde — (OMS).

Em Shijiazhuang, cidade industrial próxima de Pequim onde essa concentração supera até 900 microgramas (36 vezes o máximo fixado pela OMS), um habitante ousou se queixar na prefeitura.




Li Guixin acusou as autoridades por não fazerem nada para “controlar a poluição” e “descumprir seu dever”.

Pediu até a devolução do dinheiro que ele gastou comprando máscaras médicas, um purificador do ar e um equipamento para fazer exercícios no interior de sua casa.

Ele corre graves riscos agora: o tribunal não vai aceitar sua queixa porque denuncia as autoridades e pode receber punições extralegais.
O regime "não sabe" ou "tudo até está melhor".  Os cidadãos tratados como escravos sofrem as consequências.  Cena em Pequim.
O regime "não sabe" ou "tudo até está melhor".
Os cidadãos tratados como escravos sofrem as consequências.
Cena em Pequim.

O norte da China está se afogando, mas a imprensa oficial minimiza os danos dos vapores tóxicos que envenenam a saúde dos populares.

O jornal Huanqiu garante que “a causa da poluição é desconhecida” e que “não há explicação científica confiável sobre este problema do ar”.

Um general do exército declarou em transmissão nacional de TV que a “bruma” trazia “certas vantagens” como dissimular os alvos dos mísseis americanos em caso de ataque americano.

A polícia da Internet se encarrega de censurar as reações exasperadas dos chineses com o ar irrespirável.

Um estudo científico que concluiu que Pequim já “não era mais apta a receber vida humana” despareceu da Internet logo depois de publicado.

Idêntica é a sorte dos tweets que criticam a prefeitura de Pequim pela sua passividade.

Pequim recomenda fechar certas fábricas, reduzir o número de carros em ruas e estradas e desencoraja exercícios ao ar livre: todo mundo trancado em casa. Porém que ninguém ouse verificar se a norma é aplicada.

Faltam máscaras respiratórias, filtros de ar e outros instrumentos, porque as fábricas não conseguem produzir e as importadoras não conseguem trazer o fabuloso número requerido pelos chineses, acrescentou “Libération”

Até em Singapura, os estoques estão esgotados pela demanda chinesa.

O "grande irmão" Mao Tsé Tung paira sobre dezenas de milhões de intoxicados chineses. O meio-ambiente? Ora o meio-ambiente!
O "grande irmão" Mao Tsé Tung paira sobre dezenas de milhões de intoxicados.
O meio-ambiente? Ora o meio-ambiente!
O representante da OMS em Pequim, Bernhard Schwartlander alertou que “os altos níveis de poluição podem provocar câncer no pulmão”.

Mas, foi a toa: a mídia oficial fingiu ignorar a grave advertência.

Bai Chunxue, especialista de Shangai em doenças respiratórias, prevê “a multiplicação das doenças respiratórias, do câncer no pulmão, da asma, da pneumonia e doenças cardíacas”.

E o ex-ministro da Saúde, Chen Zhu, confidenciou ao jornal de medicina britânico “The Lancet” que a poluição na China está provocando todo ano entre 300.000 e 500.000 mortes prematuras.

Porém, cinicamente, a vida dos cidadãos-escravos não tem importância.

Nem para os vermelhos de lá, nem para os “verdes” de cá.


2 comentários: