O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 4 de novembro de 2014

Destruição de igrejas: medo oficial da ira popular

Governo socialista ordenou limpar de cruzeiros o 'horizonte visual'
Governo socialista ordenou
'limpar' de cruzeiros o 'horizonte visual'
Luis Dufaur


No dia 15 de setembro, simultaneamente em três províncias chinesas distintas, duas igrejas católicas foram demolidas e uma terceira teve a cruz arrancada de sua torre. O pretexto foi um plano de desenvolvimento comercial, segundo esclareceu a agência “AsiaNews”.

Em Jinxi, província de Hunan, o pároco tentou impedir o crime sacrílego, mas foi amarrado e levado preso. Por sua vez, na igreja de Nossa Senhora de Jindezhen, na província de Jiangxi, o pároco foi ludibriado e o guarda noturno raptado, só sendo liberado quando a igreja estava demolida.

Com efeito, agentes de Assuntos Religiosos do governo comunista convocaram o Pe. Dong Guohua, pároco de Jindezhen, para uma ceia onde seria discutida a reestruturação da paróquia de Nossa Senhora.

Como o local do encontro ficava muito longe, após longas conversações os agentes ofereceram ao pároco um quarto para dormir. Qual não foi a sua surpresa quando, acordado à meia-noite por uma chamada telefônica, foi informado de que a igreja não mais existia!

Em relato divulgado pela Internet, o guardião da igreja contou que, enquanto vigiava a entrada da mesma, foi sequestrado por desconhecidos. Após ameaçá-lo, eles o prenderam num carro e o abandonaram na madrugada do dia seguinte longe da igreja.


Quando ele voltou, o prédio sagrado estava em ruínas, os objetos religiosos haviam desaparecido, e o tabernáculo fora sepultado sob o entulho, sendo danificado pelos tratores.

A destruição da igreja de Jinxi foi confirmada pela bem-informada agência UCAN. E também pelo bispo de Changsha, D. Metodio Qu Ailin, que acrescentou novos pormenores ao relato das trapaças do governo comunista.

O pároco preso “foi liberado e os policiais pediram desculpas”. Mas a igreja está no chão e o sacerdote mora numa pensão.

Igreja católica demolida em Wenzhou, província de Zhejiang.
Igreja católica demolida em Wenzhou, província de Zhejiang.
A campanha de demolição das igrejas tem como epicentro a província de Zhejiang, onde quase uma centena delas foi arruinada ou perdeu as cruzes externas.

A campanha anticristã começou após Xia Baolong, secretário do Partido Comunista de Zhejiang, avistar uma igreja em Baiquan, a qual, segundo ele, exibia uma Cruz de um modo “demasiado evidente” e ofensivo à vista. À vista dos socialistas, evidentemente, além da do diabo.

Mas ele caiu de costas quando viu, nas cidades da região, “uma selva de cruzes no horizonte visual”. Então mandou “retificar” essa visão.

A partir daquele momento, esmigalhar cruzes, destruir estátuas e demolir igrejas virou a tarefa mais absorvente do Partido Comunista.

Até o bispo “oficial” Vincenzo Zhu Weifang – nomeado pelo comunismo em violação aos direitos da Igreja –, que se apossou da diocese de Wenzhou (Zhejiang), e seus sacerdotes, também canonicamente ilegais, ficaram tomados de medo pela reação popular.

Por isso estão denunciando o próprio patrão – o governo local – devido a essa campanha de demolições. O prelado ilícito escreveu uma carta pastoral advertindo o governo dos perigos de “aumentar a instabilidade”, refletindo assim o temor de todos eles juntos virem a experimentar a ira do povo indignado.


Nenhum comentário:

Postar um comentário