O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 28 de outubro de 2014

China exporta cada vez mais instrumentos de tortura

Algemas para os pés com pesos fabricadas na China em 2009
Algemas para os pés com pesos fabricadas na China em 2009
Luis Dufaur

A China fabrica e exporta cada vez mais equipamentos para tortura, utilizáveis por esquadrões especiais de polícia, incluindo material concebido para a repressão de populares e a violação de direitos humanos, noticiou o jornal “El País”, de Madri.

Segundo a organização não governamental Anistia Internacional e a Fundação Ômega, da Espanha, há hoje mais do que nunca, empresas chinesas fabricando esses instrumentos de terror e de dor.

Muitas dessas empresas são de propriedade estatal e oferecem “ferramentas de tortura”, como cassetetes com pregos ou algemas com pesos.

A China não tem, e pelo jeito não quer ter, controles que regulem ou supervisem o uso e a exportação desse material perverso.

O relatório de ditas instituições – O comércio chinês de instrumentos de tortura e repressão – identificou 134 empresas produtoras (48 delas também são exportadoras), enquanto uma década atrás só existiam 28.

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Chineses renunciam cada vez mais ao Partido Comunista

A charge tenta apresentar a felicidade dos chineses
que renunciam ao Partido Comunista Chinês
em contraste com o edifício decrépito e em ruínas do regime
Luis Dufaur

Um número cada vez maior de chineses está fazendo questão de publicar sua renúncia ao Partido Comunista Chinês (PCC) e a suas organizações afiliadas, noticiou o jornal online Epoch Times.

Está em curso uma campanha de renúncia ao Partido que levou mais de 176 milhões de chineses a abandonarem o comunismo desde 2004. Até certo tempo atrás, muitos cidadãos usavam pseudônimos na hora de renunciar, temendo compreensíveis retaliações do Partido Comunista. Porém, esse medo está se evaporando.

Voluntários do ‘Centro Global de Serviços de Renúncia ao Partido’ receberam muitas ligações de ex-membros do PC pedindo que fosse anunciada publicamente sua renúncia e usando nessa ocasião seus nomes verdadeiros.
“Este é um sinal de coragem do povo chinês”, disse um voluntário do centro. “De fato, fazê-lo requer uma tremenda coragem, especialmente para aqueles que vivem na China.”

terça-feira, 14 de outubro de 2014

Abutres e abutres: o chinês sai ganhando com a simpatia do argentino

E se o abutre estiver onde diz não estar?
Por vezes, o esquerdismo demagógico parece esquecer o raciocínio e cai em flagrantes ridículos.

É o caso, por exemplo, do slogan “Pátria ou abutres”, que o governo populista argentino mandou seus seguidores cantarem.

Num comício encomendado pelo governo de Cristina Kirchner e definido como “antioligárquico e anti-imperialista”, os diaristas do partido cantaram contra os “fundos abutres”.

Esta é a forma deselegante com que o governo argentino se refere aos fundos de investimentos que não aceitaram as reestruturações leoninas dos títulos da dívida pública.

Esses fundos obtiveram de tribunais internacionais o pagamento de seus títulos no valor integral de 2001, quando a Argentina deu o calote. O julgamento da Justiça desatou a cólera dos dirigentes socialo-populistas.

Os organizadores do comício contra os “abutres” também leram mensagem em que Lula declara “solidariedade” a seus amigos no conflito com os fundos, noticiou o “O Estado de S. Paulo” em 13-8-2014.

Babéis vazias na China

Kangbashi: não e filme fiction mas é mais uma cidade fantasma da China
Kangbashi: não e filme fiction mas é mais uma cidade fantasma da China

É uma cidade fantasma, mas não é um cenário de novela. Está despovoada, mas não é uma cidade como as da Antiguidade.

Kangbashi, na Mongólia Interior, norte da China, pode dar moradia a um milhão de habitantes, más nela só há 50.000 pessoas, noticiou “La Nación” de Buenos Aires.

É um cidade brilhante pela sua modernidade. Milagre da planificação socialista, ela possui largas avenidas, enormes prédios, parques impecáveis e gigantescos shoppings, além de um museu e uma pista de corrida de carros ‘novinha em folha’.

Só que não tem gente.

Kangbashi está no meio das estepes da Mongólia, a 23 km de Dongsheng, capital de Ordos, uma das 12 zonas da região.

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Pequim quer uma “teologia da libertação”
para desviar o cristianismo na China

Violências anti-religiosas não tiram a fé. Na China reforçam a resistência.
Violências anti-religiosas não tiram a fé.
Na China reforçam a resistência e multiplicam o número de fiéis.
A China quer elaborar uma “teologia cristã” compatível com a cultura chinesa e o socialismo, segundo informou ao jornal parisiense “Le Figaro” o dirigente da Administração do Estado para os Assuntos Religiosos, Wang Zuo'an.

Wang Zuo'an declarou ao jornal oficial China Daily que será construída uma “teologia cristã chinesa […] adaptada às condições nacionais”, a qual “integrará a cultura chinesa” e será “compatível com o caminho do socialismo” definido pelo Partido Comunista.

Em certo sentido, a proposta faz rir. Pois os ideólogos comunistas não precisam apertar o cérebro para excogitar esse engenho anticristão.

Ele já existe, em várias versões, e foi elaborado por teólogos, bispos e sacerdotes, vários deles hoje bem instalados em Roma. É a Teologia da Libertação.

Ela preenche ao pé da letra as condições exigidas por Wang Zuo'an e o PC chinês. Inclusive oferece um cardápio de correntes internas com diversos matizes para enganar os fiéis.