O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Socialismo proibiu o Natal tentando bloquear assim
as conversões de jovens ao cristianismo

Diversamente do Ocidente, na China o Natal é ocasião de entrada do catolicismo na juventude.
Diversamente do Ocidente, na China o Natal
é ocasião de entrada do catolicismo na juventude.


Wenzhou, importante cidade da província de Zhejiang, no leste da China, proibiu por decreto qualquer comemoração natalina em escolas e creches, segundo a agência oficial “Xinhua” citada por Notícias UOL.

A prefeitura ordenou que “nenhuma escola de ensino médio, fundamental ou creche pode celebrar atividades ou comemorações relacionadas com o Natal”, e ameaçou com inspeções para surpreender os desobedientes.

O pretexto aduzido foi que as celebrações do Natal são “poluição espiritual ocidental”, informou Zero Hedge.

O fato de fundo é que a província de Zhejiang abriga uma das maiores comunidades de cristãos da China.

O governo está demolindo igrejas e cruzes, e os enfrentamentos entre policiais e fiéis são cada vez mais abundantes e violentos.

O responsável pela educação de Wenzhou, Zheng Shangzhong, disse que essa interdição do Natal visa “reduzir a obsessão das escolas com as festas ocidentais, em detrimento das chinesas”.

Embora Zheng seja comunista, ateu e maoísta, recomendou festas pagãs, como o Festival da Lanterna, o Festival do Barco Dragão e o Ano Novo Lunar.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

China desafia vizinhos e constrói base
em ilha semi-artificial em área conflitiva

Andamento da ilha artificial, futura base do Exército do Povo
Andamento da ilha artificial, futura base do Exército do Povo
Flagrantes capturados por satélite mostram como a China está construindo uma ilha artificial sobre recifes no disputado arquipélago Spratly.

A ilha visa receber aviões que voam no conflitivo setor sul do Mar da China, denunciou a ‘IHS Jane’s’, uma das mais acatadas revistas de defesa do mundo, citada por “The Telegraph”.

Rico em minérios, o arquipélago é reclamado por Taiwan, Malásia, Filipinas, Vietnã e Brunei.

As fotos publicadas por ‘IHS Jane’s’ mostram uma ilha artificial de 3,13 km de extensão por uma largura que oscila entre 2 e 3 km.

Os recifes do local – conhecido como Fiery Cross Reef em inglês – estavam sob a água, mas a marinha de guerra chinesa está construindo uma plataforma de concreto. A base parece destinada a albergar uma guarnição chinesa, armamento antiaéreo, defesas especiais e equipamentos de comunicação.