O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 27 de setembro de 2016

No centro da China:
ou vai à igreja protestante do Estado ou à prisão!

Protestantes em templo 'patriótico'. A opção é o cárcere!
Protestantes em templo 'patriótico'. A opção é o cárcere!
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na província central de Guizhou, as autoridades comunistas desencadearam um operativo visando obter a adesão dos cristãos à Three Self-Church, uma igreja protestante do Estado reconhecida por Pequim. As cerimônias nos outros templos foram interditadas.

Quem levar seu filho a outra igreja é denunciado e perseguido em nome da lei, informou a agencia AsiaNews.

A denuncia foi feita pelos ativistas de ChinaAid, uma ONG com base no Texas, EUA, que luta pelos direitos humanos e pela liberdade religiosa no país do dragão, como também é conhecida a China.

Segundo o grupo, na província central de Guizhou os pais foram intimados a não levarem mais seus filhos à igreja, sob pena de os mesmos serem excluídos dos institutos educativos superiores ou da academia militar. Quem levar o filho à igreja será denunciado e perseguido judicialmente.



Há tempo que as autoridades comunistas da região aplicam mão dura contra as religiões, com sanha especial contras as cristãs, que estão registrando um crescimento exponencial no país.

Nos últimos três anos, os adeptos do socialismo estatal demoliram e abateram as cruzes de mais de 1.500 igrejas na província de Zhejiang, como vimos informando em nosso blog.

Os líderes religiosos e os advogados que se opuseram à campanha acabaram na prisão, indiciados com acusações falsas e pretextos, segundo os procedimentos habituais do regime.


Nenhum comentário:

Postar um comentário