O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

segunda-feira, 31 de outubro de 2016

No Tibete invadido: recuperadas Bíblias católicas em tibetano

Igreja católica no Tibete
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na Paróquia de Mang Kang, única do Tibete, foram encontrados, em perfeito estado, 45 volumes das Sagradas Escrituras e 489 fascículos sobre Nossa Senhora em tibetano, informou a agência vaticana Fides.

Sobre a o Himalaia, a maior cadeia montanhosa do mundo, o Tibete hoje está invadido e tiranizado pela China, e é um dos países de mais difícil acesso.

O primeiro padre católico a chegar nesse território, em plena Idade Média, foi o Beato Pe. Odorico Mattiuzzi de Pordenone (1265-1331), grande colaborador do Beato Giovanni da Montecorvino, Arcebispo de Pequim.

No século XVII chegaram os padres jesuítas, muitos dos quais sofreram o martírio.

terça-feira, 25 de outubro de 2016

Sem família e sem propriedade: drama do desespero socialista

Desesperada na miséria e sem a consolação do catolicismo, Yang Gailan matou filhos, com idades entre 3 e 6 anos
Desesperada na miséria e sem a consolação do catolicismo,
Yang Gailan matou filhos, com idades entre 3 e 6 anos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A chinesa Yang Gailan, de 28 anos, matou seus quatro filhos e depois se suicidou. Os jornais alegam que o fato dela ter cometido tal crueldade é por ter vivido na mais completa miséria [BBC].

A desesperada mãe matou os filhos com golpes de facão e, em seguida, ingeriu pesticida, segundo a BBC. Alguns dias depois, quando o pai chegou e soube da tragédia, também tirou a própria vida.

A camponesa morava na aldeia rural de Agu Sha, e o seu marido teria ido para a cidade em busca de algum trabalho e assim poder ajudar a família que estava vivendo na miséria. Ele mandava parte do pouco dinheiro que conseguia.

A crueldade cometida abriu um debate nas redes sociais a respeito da miséria na China comunista. Nesse país cerca de 80 milhões de seres humanos padecem a mais absoluta pobreza.

A maioria dessas pessoas vivem na área rural e a planificação agrária estatista lhes rende pouco dinheiro. Então, muitos dos jovens e adultos têm que migrar para as áreas urbanas em busca de trabalho e uma condição melhor de vida.

A China, que se orgulha de ser a segunda maior economia do mundo, tem mais de 15% da sua população na extrema pobreza [G1].

terça-feira, 18 de outubro de 2016

Proibido até rezar nos hospitais chineses

Sacerdote católico 'clandestino' atende um doente.
Sacerdote católico 'clandestino' atende um doente.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na província oriental de Zhejiang não arreda o furor do comunismo contra a Cruz. Após iniciar a ofensiva contra as cruzes no topo dos templos religiosos, as autoridades comunistas dessa província oriental se assanharam contra a consolação religiosa dos doentes, informou “AsiaNews”.

Uma circular persecutória estabeleceu que “fica proibida todo tipo de atividade religiosa” nos hospitais públicos. Na prática, esses constituem a totalidade das instituições de saúde no país onde tudo esta estatizado.

O hospital de Wenzhou – cidade conhecida como a “Jerusalém da China”, pela enorme concentração de cristãos – afixou a circular em seu ingresso.

Enfermeiros e adeptos do partido ficaram encarregados de explicar as novas normas ateias aos doentes e aos visitantes.

Um funcionário treinado explicou à Radio Free Asia: “jamais foram favorecidas as atividades religiosas no hospital. As pessoas rezavam sem fazer ruído, como é compreensível. Mas alguns fizeram ruído lendo em alta voz a Bíblia ou recitando orações. E isso não está bem”.

As novas ordens “dispõem esclarecer imediatamente aos pacientes que rezar não está permitido no hospital. Se não respeitam a regra, serão contatados pelos médicos e pelas enfermeiras”.

Além de rezar de um modo mais ou menos perceptível, “está proibido receber a ministros de culto ou pastores”.

Zhejiang está no fulcro da repressão religiosa. A campanha contra as cruzes e prédios cristãos começou em 2014, quando Xia Baolong (secretário do Partido Comunista local) achou que se viam “cruzes de mais” no horizonte de Wenzhou, uma das metrópoles da província.

Para os fiéis o verdadeiro motivo é a tentativa de reduzir a influência das comunidades cristãs, oficiais e “subterrâneas” na sociedade chinesa que estão num crescimento vertiginoso pelas conversões.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Ostpolitik vaticana não olha para perseguição dos sacerdotes fiéis

Bispos húngaros assinam Constituição comunista em 1969. É esse o futuro dos bispos da China preparado pela Ospotlitik vaticana?
Bispos húngaros assinam Constituição comunista em 1969.
É esse o futuro dos bispos da China preparado pela Ospotlitik vaticana?
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em 2016 se multiplicaram os angustiados apelos de sacerdotes da Igreja Católica apelidados de “subterrâneos” ou “clandestinos” porque não se dobraram ante o ídolo do socialismo e não têm nenhum reconhecimento oficial.

Eles foram postos diante de um dilema muito difícil e grave segundo a agência AsiaNews.

Eles foram obrigados a se registrar até o fim do ano nas dependências do governo. O registro envolve uma arapuca: para ser aceito, os sacerdotes devem aderir à Associação Patriótica, e essa exige à aceitação do socialismo-comunismo e a independência de qualquer autoridade exterior, leia-se o Papa e a Santa Sé.

terça-feira, 4 de outubro de 2016

Ofensas protocolares aos EUA
na previsão de um futuro presidente mole

Hangzhou virou cidade fantasma durante a reunião do G20
Hangzhou virou cidade fantasma durante a reunião do G20
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Recebendo os líderes do Grupo dos 20, ou G20, chefes de Estado e governo das 20 maiores economias do mundo, a China deu um show de ditadura em Hangzhou, segundo descreveu o jornal espanhol “El Mundo”.

Ruas vazias, prédios sem luz, lojas fechadas. Em Hangzhou, uma das mais florescentes e populosas cidades da China oriental, o regime quis evitar o menor risco de incidência de protestos populares que pudessem ser vistos pelos visitantes do G-20.

Os moradores foram “convidados” a abandonar a cidade, saindo de férias durante a 11ª Cúpula do grupo dos 20. O governo chegou a oferecer subvenções para isso.

Segundo o jornal oficial “China Daily”, a prefeitura ordenou que os “funcionários que não fossem essenciais para a preparação da Cúpula” e “os empregados das empresas estatais nos nove principais distritos da cidade” teriam uma semana de férias entre 1 e 7 de setembro, quando transcorria a reunião.