O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 27 de outubro de 2015

Pequim “apura” explosões de Tianjin prendendo 15 mil descontentes

Até hoje o local está contaminado e inacessível aos antigos moradores.
Até hoje o local está contaminado e inacessível aos antigos moradores.



Pequim ainda investiga as colossais explosões de Tianjin. O inquérito caminha para o abafamento das causas e sua conexão com a corrupção no esquema partidário comunista.

Porém, o processo está servindo de pretexto para apertar a censura da Internet. O Ministério de Segurança Pública procedeu a prender 15.000 internautas acusados de delitos que “puseram em perigo a segurança cibernética”, informou o quotidiano de Madri “El País”.

A legislação prevê condenações de três anos de cárcere para quem difundir “rumores” pelas redes sociais ou blogs, crime atribuído aos internautas que divulgaram informações relativas à explosão suspeita.

O Ministério – um dos mais poderosos da repressão interna – disse ter investigado 7.400 casos desse suposto delito, sem especificar o prazo em que fez as pesquisas, segundo a agência Reuters.

E no mês de agosto desencadeou a operação “Limpando a Internet”, que durante seis meses intensificará a espionagem no ciberespaço à procura de páginas com “informação ilegal e danosa” ou promovendo coisas tão diversas como a pornografia, o uso de explosivos, de armas de fogo e apostas ilegais.



A embaralhada definição do conjunto de “crimes” serve à maravilha ao objetivo do  Ministério: reprimir quem não pensa como o governo.

A Administração do Ciberespaço disse ter bloqueado pelo menos 360 contas em redes sociais e 50 páginas web que espalhavam “pânico” sobre a catástrofe de Tianjin que matou pelo menos 114 pessoas e feriu mais de 700. Cerca de 50 outras pessoas, incluídos bombeiros, continuam desaparecidas.

Desde que, após fortes lutas intestinas, Xi Jinping se apossou da presidência do aparelho comunista, a censura da internet e das redes sociais tornou-se uma das grandes prioridades, além da repressão religiosa e do doutrinamento marxista.

Proeminentes blogueiros críticos do regime foram presos e obrigados a confessar publicamente suas “faltas”, segundo um procedimento herdado da Campanha Antidireitista e da Revolução Cultural de Mao Tsé Tung.

Entre as ruínas do 'Paraíso' prometido pelo governo poderiam estar os restos de 50 desaparecidos.
Entre as ruínas do 'Paraíso' prometido pelo governo
poderiam estar os restos de 50 desaparecidos.
O sino-americano Charles Xue, por exemplo, foi acusado de manter relações com prostitutas, uma prática herdada de Mao Tsé Tung e largamente generalizada no Partido Comunista. Mas quando se trata de silenciar um dissidente, qualquer pretexto vale.

Desde 1º de março, segundo havia anunciado a Administração do Ciberespaço, estavam proibidas as contas em redes sociais ou blogs que usem identidades de pessoas ou organizações. O plano visa recolher uma ficha mais completa dos usuários.

Em 1º de julho, a Assembleia Nacional Popular – o Legislativo chinês – concedeu mais poderes aos órgãos do Estado para tomar “todas as medidas necessárias” para proteger a soberania do ciberespaço nacional.

As larguíssimas atribuições da máquina de policiamento dos cidadãos foram intensamente criticadas pelas organizações interessadas pelos direitos humanos, mas deixou impávidas as instâncias judiciárias do Estado.

A China é o país com maior número de internautas do mundo: 688 milhões de usuários. Todos eles são agora vigiados por um governo socialista que quer impedir que essa multidão dissemine “informação ilegal ou prejudicial”.

Por aí pode se entrever o tamanho colossal da máquina de espionagem cibernética. Monstro repressivo que não causa impressão àqueles que no Ocidente ficam fazendo escândalo por arbitrariedades imensamente menores cometidas nos países livres.


Nenhum comentário:

Postar um comentário