Pesadelo chinês

O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

quarta-feira, 22 de junho de 2022

Em Taiwan pode ser destruída a rede digital global

Xi Jingping quer conquistar Taiwan ainda que vire terra calcinada
Xi Jingping quer conquistar Taiwan ainda que vire terra calcinada
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A ilha de Taiwan é um enclave vital para o mundo também pelo fato de ser de longe a líder mundial na fabricação de semicondutores pelos quais a indústria mundial está clamando.

E o ditador Xi Jinping está disposto a invadi-la ainda tendo que transformá-la numa placa radioativa inabitável por mil anos, escreveu Gordon G. Chang, escritor e membro do Conselho Consultivo do Gatestone Institute.

No caso de uma invasão geral comunista os EUA, segundo muitos, poderia ter que destruir a infraestrutura produtora de chips para não cair nas mãos de Pequim, ou até “traçar uma estratégia da terra arrasada que tornaria Taiwan desinteressante” para o invasor pequinês.

Segundo artigo do US Army War College esta opção pediria “destruir as instalações da Taiwan Semiconductor Manufacturing Company, a mais importante fabricante de chips do mundo e a mais importante fornecedora da China”.

A TSMC fabrica mais da metade dos chips do planeta e cerca de 90% dos processadores avançados mais avançados do mundo.

“Se a China controlar os fabricantes de chips de Taiwan, controlará o mundo”, escreveu Bob Anderson no site Federalist.

Taiwan acredita que sua indústria de semicondutores lhe confere um “escudo de silicone” contra uma invasão chinesa.

Mas, o argumento do escudo, escreve Chang, é uma ilusão. Pequim não conseguiu desenvolver sua própria indústria de semicondutores e depende expressivamente de Taiwan.

E o governante marxista Xi Jinping não terá escrúpulos em invadir a ilha mesmo que tenha que arrasá-la.

Em 2013 Xi anunciou que mais cedo ou mais tarde se “deverá chegar a uma resolução final” com relação à ilha independente.

“A China queria Taiwan muito antes de produzir chips e iria querê-la mesmo que jamais os tivesse produzido”, escreveu Michael Turton, colunista do Taipei Times.

O domínio da indústria dos chips é questão vital
O domínio da indústria dos chips é questão vital
O estado de espírito de Xi, acrescentou, é comparável ao “da Alemanha nazista: um poder expansionista impulsionado por ideologias histórico racistas”.


Xi não vai ser detido com estratégias convencionais de dissuasão.

O regime da China não se importa com as baixas, apenas que ele não quer saber de nada que possa levar o fim do regime do Partido Comunista.

Os militares chineses estão em uma corrida armamentista não só com os EUA, mas com grande parte da região, especialmente Japão e Austrália.

E uma resposta à uma invasão pequinesa produzirá custos e riscos tremendos para a população de Taiwan e de modo inescapável.

Taiwan e os americanos devem começar a pensar no impensável, conclui Chang. Mas o que seria impensável para os americanos?

O impensável seria Taiwan cair nas mãos de Pequim porque a ilha é o escudo protetor da “pedra angular” da defesa dos EUA Unidos no leste da Ásia: o Japão.

Da última vez Taiwan saiu a interceptar 29 jatos chineses
Da última vez Taiwan saiu a interceptar 29 jatos chineses
Se o Partido Comunista da China ataca as democracias, Washington não pode permitir que Pequim absorva nenhuma delas, independente dos principais fabricantes de chips do planeta.


“Destruir a democracia de Taiwan é essencial para dar ao Partido Comunista da China licença para destruir todas as outras democracias”, apontou Fisher.

“Matar Taiwan é o primeiro, porém o mais imprescindível passo para conquistar a hegemonia” planetária como sonhou delirantemente Mao Tse tung.

Portanto, se os EUA tiverem que ir em socorro de Taiwan, eles terão que raciocinar que não estariam defendendo apenas uma ilha, mas estariam se defendendo a si próprios.


quarta-feira, 18 de maio de 2022

China faz 80% dos produtos falsos

Produto de luxo fake interceptado por alfândega americana
Produto de luxo fake interceptado por alfândega americana
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






WhatsApp Facebook Twitter Skype Pinterest


Quase 80% das apreensões de produtos falsificados confirmam que a China monopoliza esse mercado ilegal. Muito atrás estão Hong Kong, com 5,7%, Turquia, com 5,6%, e Cingapura, com 3,3%, noticiou 20minutos.es.

É o que registra o novo estudo anual do Gabinete da Propriedade Intelectual da União Europeia (EUIPO) e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) enviado ao presidente americano.

O título é “Uso impróprio do comércio eletrônico para o comércio de produtos contrafeitos”.

Além disso, o relatório revela que o comércio online “está a tornar-se o principal facilitador da distribuição”, desses produtos fraudulentos segundo o EUIPO.

O comércio eletrônico explodiu na pandemia fato que acelerou a introdução de produtos falsificados em toda a Europa.

O valor dos produtos falsificados vendidos online é muito inferior aos são enviados em contêineres em modais rodoviário, ferroviário, aéreo e marítimo.

Relógios e joias são os mais falsificados
Relógios e joias são os mais falsificados
“Alguns desses produtos em contêineres são destinados a centros de distribuição na UE, de onde são enviados para os consumidores que os compraram on-line, o que indicaria que o papel real no comércio de falsificações é consideravelmente mais importante", sublinha o EUIPO.

Os produtos falsificados exibem maioritariamente grifes de luxo como artigos de perfumaria e cosméticos (75,3%), farmacêuticos (71,9%) e óculos de sol (71,3%) os mais procurados online.

Em 2020, as falsificações destinadas à Europa atingiram o valor de 121 bilhões de euros.

Além disso, os produtos falsos estão “mais perigosos do que nunca” porque “grupos piratas” sem escrúpulos introduzem “todo tipo de medicamentos falsificados, como antibióticos e analgésicos” e “equipamentos de proteção individual”.

Isto foi denunciado por Julio Laporta, diretor de Comunicação da União Europeia para a Propriedade Intelectual (EUIPO).

Aumentam as fraudes eletrônicas: você paga mas não recebe nada

Substâncias danosas identificadas em produtos de beleza falsos
Substâncias danosas identificadas em produtos de beleza falsos
As policias alfandegárias europeias notaram grande mudança no crime cibernético, com criminosos se aproveitando de pessoas que trabalham em casa e com infraestrutura menos segura para cometer vários tipos de fraude eletrônica.

A fraude inclui golpes diretos em que o consumidor paga por um produto, mas nunca recebe nada, tentativa de roubo de identidade, roubo de identidade ou fraude de investimento em criptomoeda, entre outros.

Pequenas embalagens atrativas para o comércio ilícito


Cresceu mais de 70% o comércio de pequenas embalagens para entregas diretas aos consumidores atingindo 21 milhões de itens em todo o mundo em 2019.

Peças de carro de luxo também
Peças de carro de luxo também
Essas pequenas encomendas por correio “também são um canal de distribuição atraente para redes de comércio ilícito e reduzem as perdas potenciais de apreensões”, relata o EUIPO.

No entanto, o tráfego de contrafação por navios porta-contêineres domina claramente em termos de valor.

Os falsificadores visam cada vez mais os consumidores online, se observarmos as apreensões alfandegárias relacionadas ao comércio eletrônico, mais de 90% delas são enviadas para a UE em pequenas embalagens.


quarta-feira, 11 de maio de 2022

Acordo Pequim-Vaticano acoberta perseguição religiosa

No Henan, Mons. Zhang Weizhu está preso ilegalmente pelo menos há um ano em local ignoto
No Henan, Mons. Zhang Weizhu está preso ilegalmente
pelo menos há um ano em local ignoto
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






WhatsApp Facebook Twitter Skype Pinterest


No congresso sobre ‘Cristãos perseguidos no mundo,’ coordenado pela Ordem dos Trinitários em abril de 2022, o correspondente do jornal “ABC” de Madri Pablo M. Díez, deitou luz sobre a situação dos cristãos na China.

O jornalista descreveu a repressão da religião na China com formas “sutis e escancaradas”, e pôs em dúvida que o acordo entre Pequim e o Vaticano tenha melhorado a situação dos 29 milhões de cristãos que ainda sofrem “um controle implacável, embora silencioso”.

“Na China, o Estado controla tudo o que pode afetar o poder absoluto do Partido Comunista. A chave é o desejo do regime de controlar tudo”, explicou o correspondente.

O acordo “provisório” da Santa Sé com a ditadura anticristã visa acordar a nomeação de novos bispos, e expira em outubro 2022.

Sob o acordo foram nomeados “apenas 6 das mais de 30 dioceses vagas na China” e “ainda há perseguição religiosa neste país”, disse.

Desde outubro de 1997 está desaparecido Mons. Jaime Su Zhi-min, e desde 2003 o bispo Jaime Sul; há pelo menos dois bispos em prisão domiciliar; e outros são obrigados a frequentar aulas de doutrinação política, ou têm sua eletricidade, água e gás cortados para que não possam pregar em suas igrejas.

quarta-feira, 4 de maio de 2022

Estrangeiros fogem de Xangai e Pequim pode ficar engessada

Prateleiras vazias e fábricas paradas economia cotiaidna da China
Estrangeiros migram, prateleiras vazias e fábricas paradas:
economia cotidiana na China
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Por volta da metade dos estrangeiros que moram em Xangai se sentem expulsos pelas ditatoriais normas socialistas contra o Covid-19 e pensam abandonar a cidade, revelou reportagem de “China in focus”.

Veja: Fábricas param e dezenas de milhões ficam confinados


Em abril uma enquete encomendada pelo Hong-Kong Focus entrevistou 950 estrangeiros que vivem na cidade e calculou que 48% deles abandonarão a cidade em um ano e 37% pensa nessa opção.

Em Xangai vivem 215.000 estrangeiros 55% dos quais têm algum tipo de Master constituindo parte vital da cúpula diretiva das empresas radicadas na metrópole.

O governo socialista flexibilizou as restrições pela pandemia para as empresas estrangeiras. Mas essas dizem que encontram muita dificuldade para conseguir novos funcionários por causa das ordens de confinamento na cidade.

Segundo o Instituto de Finanças Internacionais os inversores estrangeiros estão retirando seus capitais da China num ritmo sem precedentes. Não houve retiradas comparáveis em outros mercados prejudicados pela pandemia.

A gravidade desta fuga provém do fato que Xangai é o centro financeiro da China.

quarta-feira, 27 de abril de 2022

Fábricas param
e dezenas de milhões ficam confinados

Policia força família a praticar quarentena
Policia força família a praticar quarentena
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








A incógnita, a fome, a paralisia econômica e os distúrbios populares se misturam em doses caóticas e inexplicadas na China.

No início da pandemia nesse país, os anúncios oficiais falaram de um número de vítimas em extremo reduzido. Algo estranho no país que foi o grande foco virótico para a Terra toda.

Porém, nas últimas semanas, enquanto no mundo a pandemia está sendo reduzida à mínima expansão, ela explode na China, notadamente em Xangai, a área urbana mais densa do país e a cidade mais populosa do mundo, com uma estimativa de mais de 26 milhões de habitantes.

As medidas de confinamento contra a doença estão sendo tão drásticas que paralisaram a economia da cidade mais rica do país-continente.

Na área industrial a crise atingiu a corrente de peças para carros e produtos eletrônicos no mundo, e provocou retardamentos nos portos, fechamentos de fábricas e atrasos no transporte marítimo.

quarta-feira, 20 de abril de 2022

China também se prepara para atacar os EUA

'Portaviões americano' artificial para treinar a pontaria
'Portaviões americano' artificial para treinar a pontaria
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Imagens de satélite indicam que a China construiu maquetes de um porta-aviões e um contratorpedeiro da Marinha dos Estados Unidos, no noroeste do país, noticiou o Jornal de Notícias.

A China acelerou, nos últimos anos, a modernização das suas forças armadas, ao mesmo tempo que aumentou a assertividade das suas reivindicações territoriais.

As imagens capturadas pela Maxar Technologies, com sede no Estado norte-americano de Colorado, mostram os contornos de um porta-aviões dos EUA e de pelo menos um contratorpedeiro, surgindo numa altura em que as tensões têm vindo a aumentar entre os dois países.

A Maxar identificou a localização como Ruoqiang, no deserto de Taklamakan, na região noroeste de Xinjiang.

quarta-feira, 6 de abril de 2022

China avança militarmente à sombra da guerra na Ucrânia

Patrulha indiana prevenida contra incursão chinesa
Patrulha indiana prevenida contra incursão chinesa
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A China está aproveitando que a invasão russa da Ucrânia atrai as atenções para lançar uma “ofensiva” militar na área oceânica Indo-Pacífica e em áreas disputadas do Himalaia.

Astuciosamente finge distanciamento da guerra na Europa Central, e se expande como potência colonizadora no Oriente.

Mais recentemente assinou um memorando de entendimento com as autoridades militares cambojanas para fortalecer sua posição no Sudeste Asiático em crescente competição geopolítica com os EUA, informou a agência AsiaNews.

O acordo foi assinado pelo general Liu Zhenli, comandante das forças terrestres do Exército Popular de Libertação (PLA), e Hun Manet, vice-chefe do exército cambojano, filho e provável sucessor do primeiro-ministro Hun Sen.

Os dois países fazem parte da mesma área ideológica socialista oriental onde a China é o gigante dominador. O Camboja usa uma monarquia como camuflagem de seu comunismo e é satélite econômico da China.

quarta-feira, 30 de março de 2022

Delírio comunista contra os pardais matou milhões de chineses pela fome e devastou a ecologia

O combate às 'quatro pestes' ficou como ato hilariante e totalitário que contribuiu à morte de fome de milhões de chineses
O combate às 'quatro pestes' ficou como ato hilariante e totalitário
que contribuiu à morte de fome de milhões de chineses
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Na China, crescem as polémicas sobre as políticas do fundador do comunismo fundado por Mao Tsé tung. A mais absurda é em torno da “guerra contra os pardais” entre 1958 e 1960).

Nessa “guerra”, Mao mandou as crianças matar os pardais porque, dizia, comiam as sementes e impediam a reforma agrária atingir suas irreais metas.

E foi só um capítulo da “campanha contra as quatro pragas”: pardais, moscas, mosquitos e camundongos.

Mao convocou os 600 milhões de chineses da época de todas as idades e exaltou as “virtudes revolucionárias” das crianças que deviam levar à escola “rabos de rato”, segundo testemunhas.

O Comitê Central presidido por Mao elaborou o documento “Decisão de continuar a campanha de combate às quatro pragas” em 29 de agosto de 1958.

quarta-feira, 23 de março de 2022

China mascara passado de crimes

A pior matança coletiva da história foi silenciada
A pior matança coletiva da história foi silenciada
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








À décadas causou espanto o livro oficial sobre a “História do Partido Comunista Chinês, 1949-1978”, publicado por ocasião dos 90 anos do partido. Entretanto as cifras monstruosas dos extermínios de massa haveriam de se revelar deformadas para abaixo.

Naquela época, a causa do estarrecimento foi o silêncio deliberado sobre as dezenas de milhões de pessoas mortas para a implantação da utopia socialista.

“Não menos do que 60 milhões”, disse Frank Dikötter, historiador da Universidade de Hong Kong que está escrevendo um livro sobre os primeiros anos da República do Povo. Hoje se calcula, por baixo, em cem milhões de vidas cortadas pelo fanatismo igualitário comunista.

A contestada história oficial de 1978 formava um volume de 1.074 páginas que visava ludibriar os 82 milhões de membros do partido e os ingênuos ou amigos do Ocidente.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

Pesca pirata chinesa devasta os oceanos

Frota pesqueira de alto mar sai de Taizhou, para um ano de pesca em águas remotas
Frota pesqueira de alto mar sai de Taizhou, para um ano de pesca em águas remotas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Ficou no imaginário público o perfil do pirata perna-de pau com um periquito no ombro e um parche no olho, assaltando galeões no Caribe como nos filmes ou contos para crianças.

Acha-se que foram personagens do passado ou da literatura.

Os séculos passaram, tudo mudou e, pasmem, a pirataria ficou mais ativa e tecnificada do que nunca.

Hoje, no III milênio a pirataria é o pior flagelo de todas as atividades humanas que ocorrem no oceano.

A mais devastadora versão é a pesca ilegal não declarada e não regulamentada (IUU na abreviatura em inglês) que representa entre 20 e 50% da captura global mundial de peixes, escreveu “La Nación”.

Os novos piratas não têm “patente de corso”, salvo a de Pequim, e vão à procura de espécies protegidas, ou utilizam redes proibidas, provocando a queda vertical dos estoques marítimos pesqueiros.

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2022

Taiwan: “roleta-russa” pode dar na III Guerra Mundial em 2022

Taiwan roleta-russa pode dar na III Guerra Mundial
Taiwan roleta-russa pode dar na III Guerra Mundial
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Taiwan se confirmou na passagem do ano como uma das regiões onde o mundo pode se precipitar numa III Guerra Mundial.

A onda de incursões de aviões de guerra chineses somou 159 provocações contra a zona de defesa aérea de Taiwan no mês de novembro 2021, segundo estatísticas aprimoradas da Agence France-Presse, escreveu “Le Point”. A France-Presse criou um banco de dados com detalhes desses voos pelo tamanho e frequência.

Foi o terceiro mês consecutivo em que mais de 100 aviões de guerra incursionaram nesse espaço sensível, com 100 caças e 9 bombardeiros com capacidade nuclear.

Em 14 meses, Pequim concentrou um número crescente de jatos militares orientados para a Zona de Identificação de Defesa Aérea (Adiz) de Taiwan.

Os aliados ocidentais como EUA e Japão temem a invasão do marxismo pequinês que considera Taiwan como uma de suas províncias.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2022

COP26 e Olimpíada: pequineses afogam na poluição sob ditadura ‘médica’ policialesca

Poluição atingiu altíssimos patamares na China enquanto ONU saudava Pequim como líder para 'salvar o clima'
Poluição atingiu altíssimos patamares na China
enquanto a ONU saudava Pequim como líder para 'salvar o clima'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A cidade de Pequim fechou seus playgrounds devido à poluição do ar, mas a China aumentou sua produção e consumo de carvão enquanto a assembleia da ONU COP26 sobre mudanças climáticas tripudiava contra os países capitalistas poluidores, descreveu o canal francês 20minutes.

A China, o maior poluidor do mundo, foi criticada na conferência internacional realizada em Glasgow pela ausência do presidente Xi Jinping.

Mas não pelo pavoroso envenenamento da atmosfera planetária que o regime socialista chinês pratica visando se promover ao patamar de máxima economia planetária a qualquer custo.

Conduta análoga foi assumida por Pequim durante os Jogos Olímpicos de Inverno, em fevereiro 2022.

quarta-feira, 2 de fevereiro de 2022

A perseguição dos cristãos na Coreia do Norte

Representação com vítimas dos métodos de tortura na Coreia do Norte
Representação com vítimas dos métodos de tortura na Coreia do Norte
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O relatório “Futuro da Coreia” recolheu testemunhos de procedimentos violentos da ditadura comunista norte-coreana, como espancamentos de prisioneiros por orar e prisões e tortura de pessoas por possuírem uma Bíblia, de 2019 a agosto de 2021, segundo a agência InfoCatólica.

Um prisioneiro viu que companheiros de prisão rezavam num canto da cela fora da captura da câmera de televisão.

“Em uma ocasião, quando foram pegos orando, foram espancados todas as manhãs durante 20 dias consecutivos”, disse a testemunha.

Em vários casos uma pessoa foi presa por possuir uma Bíblia. Uma jovem detida por ter uma Bíblia foi “espancada com uma vara de madeira até que um superior interveio após ouvir os gritos da vítima” enquanto estava sob custódia do Comando Central do Ministério de Segurança do Estado coreano.

Outra mulher na casa dos 50 anos que frequentava uma igreja clandestina, foi espancada até morrer.

A Coreia do Norte com 24 milhões de habitantes é o pior país do mundo em termos de perseguição aos cristãos, e o fechamento do país dificulta obter dados concretos sobre as práticas cristãs clandestinas.

O relatório “Futuro da Coreia” e o banco de dados que o acompanha documentam 167 violações graves dos direitos humanos perpetradas contra 91 cristãos entre 1997 e 2019.

Ele detalha 34 pessoas presas na Coreia do Norte por possuir artigos religiosos, 23 por práticas religiosas na China e 21 pessoas por prática religiosa na própria Coreia do Norte.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2022

David lituano enfrenta Golias chinês

Na inauguração do escritório diplomático deTaiwan na capital lituana
Na inauguração do escritório diplomático de Taiwan na capital lituana
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









Um pequeno país de 2,8 milhões de habitantes está desafiando a poderosa China. É a Lituânia que intensificou seu relacionamento com a ilha de Taiwan, incomodando os ditadores de Pequim. Esses querem engolir a ilha como fizeram com Hong Kong, alegando que é parte de seu território.

Não é a primeira vez que o heroico David báltico enfrenta um Golias da iniquidade. Foi o que fez desafiando a ditadura invasora e esmagadora da União Soviética, sendo o estopim de uma corrente de efeitos análogos que acabaram com a dissolução da URSS, segundo reportagem de “La Nación”.

A Lituânia aprovou a abertura de um Escritório de Representação de Taiwan, que é uma embaixada de fato. A resposta da China socialista foi rebaixar suas relações diplomáticas com o pequeno país báltico e retirar seu embaixador.

quarta-feira, 19 de janeiro de 2022

Xi Jinping manda o “retorno ao comunismo originário”

Xi pune a acumulação de capitais e quer voltar ao comunismo de Mao
Xi pune a acumulação de capitais e quer voltar ao comunismo de Mao
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






continuação do post anterior: Xi Jinping decreta fim do “capitalismo” chinês



Até que Xi Jinping assumiu a chefia do socialismo chinês e decretou que a época do “capitalismo” acabou. A China, segundo ele, está grande o suficiente para acabar com EUA e voltar ao “socialismo original”.

Então viu-se que o vermelho de Evergrande superava os 3oo bilhões de dólares e só dispunha de 15 bilhões no caixa.

Compõem esse imenso buraco 150 bilhões que deve pagar a curto prazo e, obviamente, não consegue. Por isso vem incumprindo sistematicamente todos os recentes prazos. E mais recentemente deixou de cotar na Bolsa.

Inversores populares chineses rodearam as sedes de Evergrande pedindo a devolução do dinheiro ou o pagamento com apartamentos ou propriedades.

O endividamento de Evergrande (306 bilhões) equivale a todo o PIB da Africa do Sul (302 bilhões), e supera a dívida total da Rússia (257 bilhões).

quarta-feira, 12 de janeiro de 2022

Xi Jinping decreta fim do “capitalismo” chinês

Mao Tsé Tung quis fazer da China a maior potência mundial, mas fracassou. Precisou apelar aos EUA e às grandes economias mundiais.
Mao Tsé Tung quis fazer da China a maior potência mundial, mas fracassou.
Precisou apelar aos EUA e às grandes economias mundiais.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O “milagre económico da China” está sendo revelado em sua artificialidade pela crise da gigantesca empresa Evergrande e outras construtoras que cessaram os pagamentos.

O mais preocupante do caso de Evergrande é que é apenas a ponta de um iceberg de dimensões assustadoras: a própria coluna da economia chinesa está abalada com graves perigos de replicas mundiais.

O progresso da economia foi uma alavanca da ditadura do Partido Comunista chinês (PCCh) para manter satisfeito o povo. A Evergrande é a segunda maior construtora, e uma dos maiores instrumentos do crescimento econômico chinês dos últimos anos.

Mas, agora, todo o dinheiro investido ao longo de décadas com esse fim parece ter desaparecido e a cólera popular pode ser incontrolável.

Um revelador informe especial divulgado em Ocidente pelo jornal “The Epoch Times” desvendou um panorama que a mídia ocidental não acompanha.

domingo, 5 de dezembro de 2021

O sacrifício de São Francisco Xavier pela conversão da China

f:\Graficos\000Graficos\Blogs\As Cruzadas\São Francisco Xavier, igreja do Gesù, Roma.
São Francisco Xavier, igreja do Gesù, Roma.







São Francisco Xavier S.J., padroeiro universal das missões (festa 3 de dezembro), foi para a Índia e o Japão com o intuito chegar na China. Foram tempos em que era mais perigoso do que hoje ir para a lua.

Ele correu esse risco com um objetivo que não era dos comerciantes mais audaciosos. Ele foi à busca de almas para Nosso Senhor Jesus Cristo!

Ele partiu com o coração estraçalhado de dor diante das devastações que o protestantismo fazia na Europa.

Estraçalhado de dor seu coração dizia:

“Ah, vós estais roubando a meu Deus o território que lhe pertence na Europa.

“Eu vou para a Índia, para o Japão e para a China, como os meus irmãos jesuítas vão para todas as Américas... e as outras ordens religiosas todas, para pedir a povos não evangelizados a correspondência à graça, para consolar a Deus pelo que vós, povos heréticos estais roubando!”

Isso se chama o ideal! Quer dizer, a mais alta das finalidades: salvar almas para a glória de Deus e de Nossa Senhora.

E entregar a vida, passar pelos maiores riscos, dissabores e perigos, contanto que o ideal seja obtido!

Quem trabalha nesta direção não tem nenhuma vantagem pessoal. Ele pensa apenas na glória de Deus e de Nossa Senhora!

Mas, a glória de São Francisco Xavier parece-nos, até certo ponto, frustrada.

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

Conclave secreto do PCCh reescreveu a História para voltar ao comunismo radical

Xi Jinping proclama retorno ao 'comunismo raiz' de Mao. Fonte Xinhua
Xi Jinping proclama retorno ao 'comunismo raiz' de Mao. Fonte: Xinhua
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Em novembro, a reunião anual secreta da mais alta cúpula do Partido Comunista Chinês (PCCh) redefiniu a História de acordo com as interpretações do ditador Xi Jinping, informou Yahoo! Actualités.

Ele está no poder onipotente há nove anos e aspira a se reeleger indefinidamente, como já o fez seu comparsa Vladimir Putin na Rússia.

Porém, agindo assim poderia ultrapassar os anos de governo do fundador do regime comunista, o como que divinizado Mao Tsé-Tung, no poder de 1949 a 1976.

A opção então foi reescrever a História dos cem anos do PCCh, em favor de Xi.

O Comitê Central do PCCh, de costume, ocorre a portas fechadas, longe da mídia estrangeira, e aprovou uma resolução sobre a história do Partido, mudando-a para satisfazer o ditador.

Xi Jinping “explicou” que visa “prolongar a sua presença à frente do partido”, segundo interpretou a chinesice divulgada pela agência oficial Nova China Alice Ekman, analista responsável pela Ásia do Instituto de Estudos para a Segurança da União Europeia (EUISS).