Pesadelo chinês

O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

quarta-feira, 27 de maio de 2020

Mentiras comunistas espalharam a epidemia

A virologista Shi Zhengli libera morcego de caverna após lhe tirar o sangue. Foto: Instituto de Virología de Wuhan. Shi Zhengli presidia o laboratório quando tudo começou
A virologista Shi Zhengli libera morcego de caverna após lhe tirar o sangue.
Foto: Instituto de Virología de Wuhan.
Shi Zhengli presidia o laboratório quando tudo começou
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






continuação do post anterior: O comunismo é o pior vírus da pandemia



A cidade de Wuhan é um símbolo.

Nela se iniciou a revolução que derrubou o império chinês, e ateou o caos que desfechou na ditadura comunista.

Não espanta que Pequim a escolhesse para sediar o laboratório (suspeito em relação ao atual surto) pensando na revolução mundial que podia causar.

Relatório secreto do Centro Nacional de Inteligência Médica dos EUA, revelado pela NBC News, descreveu em novembro de 2019 o estado assustador da estrutura sanitária de Wuhan.

O governo marxista de Xi informou à Organização Mundial da Saúde, como prescrevem os acordos internacionais, mas só o fez no dia 31 de dezembro...

Agiu tardiamente, dizendo que tudo estava sob controle e não havia risco de expansão epidêmica para outros países.

O mundo só foi (des)informado quando o sistema de saúde e a ordem econômica entravam em colapso, e a epidemia ia ficando incontrolável.

Fontes extraoficiais julgam falso o número oficial de 83 mil contagiados e 3.300 mortos.

Tais fontes estimam em mais de 40 mil os óbitos na China.

Até a grande imprensa começou a suspeitar jogo duplo chinês
Até a grande imprensa começou a suspeitar jogo duplo chinês
O jornal chinês The Epoch Times, editado em Nova Iorque em 21 línguas, informou que “milhares de urnas de cinzas foram entregues em sete funerárias oficiais de Wuhan, onde parentes começaram a recolher os restos de entes queridos, questionando ainda mais a verdadeira escala do surto na China”.

No mundo, as mortes superariam 300.000.

Mas, diante desse espetáculo macabro, Xi Jinping podia se regozijar, parafraseando o “ensinamento poético” de seu mestre Mao: “Bomba atômica explode quando lhe é dito para explodir.

“Ah, que alegria inefável!” (op. cit., p. 526).

Sobre a repressão implacável aos médicos e cidadãos que alertaram para a galopante epidemia em Wuhan, recomendamos ao leitor o artigo “Negócios da China camuflados em plano comunista”, de Nelson Fragelli (vide Catolicismo, abril/2020).

Indicamos também, para uma vasta informação, o oportuno documento do Instituto Plinio Corrêa de Oliveira: “Aproveitando o pânico da população e o apoio espiritual do Vaticano. A maior operação de engenharia social e de baldeação ideológica da História” (vide Catolicismo, maio/2020).

China exporta material imprestável e infectado


O comunismo de Mao Tsé-Tung se caracteriza pelo seu veio nacionalista e as marcas de um feroz despotismo pagão.

Ele previa que a China, aproveitando-se de suas dimensões materiais, imporia a hegemonia comunista universal.

A Rússia facilitou sua ascensão e o tinha em conta de auxiliar precioso, como Xi tem em Putin seu melhor cooperador.

O mundo ocidental, capitalista e ex-cristão, é o alvo a ser desconjuntado, empobrecido e submetido à tirania.

A História não mais giraria em torno desse mundo, mas do marxismo amarelo.

Para Chang e Halliday, a ambição suprema de Mao era dominar a Terra.

Em novembro de 1968, ele confidenciava a Edward Hill, chefe do partido maoísta australiano: “No meu ponto de vista, seria preciso unificar o mundo” (op. cit., p. 609-610).
Milhões de máscaras e 150 toneladas de materiais sanitários chegam a Paris. O material chinês foi denunciado como imprestável e infectado de Covid-19
Milhões de máscaras e 150 toneladas de materiais sanitários chegam a Paris.
O material chinês foi denunciado como imprestável e infectado de Covid-19

Essa unificação planetária, cujo modelo no momento era a União Soviética, continuou sendo a meta de Xi Jinping, na sua fidelidade ao marxismo do mestre.

Nessa perspectiva, o mundo capitalista privado e globalizado deve ser espezinhado, desagregado, custe o que custar.

Mao estava pronto para que houvesse hecatombes, e fez entender aos dirigentes que eles não deveriam se mostrar chocados se acontecessem”, escrevem os autores citados.

Hoje, Xi Jinping, com sua fisionomia de bonequinho, aplica a recomendação dada por Mao em 1958, a qual ensejou a partida do “Grande Salto”:

“Se pessoas morriam em consequência da política do Partido, não seria preciso assustar, mas regozijar. [...]

‘A morte é verdadeiramente uma causa de regozijo, disse [...] não podemos não ver nela senão um benefício’” (op. cit., p. 478-479).

Com essa visão de fundo, a China se autoproclamou modelo na luta contra o coronavírus que ela mesma teria criado, e passou a enviar volumes colossais de recursos médicos a países em cujo mais recôndito interior se encontram, segundo os cálculos maquiavélicos dela, seus futuros escravos.

Muitos desses recursos estavam estragados e prejudicaram a contenção da doença!

O Ministério da Saúde do governo comuno-socialista espanhol comprou, de dois fornecedores chineses, 1,64 milhão de testes de coronavírus defeituosos. Menos de 30% deles foram aprovados, embora a Espanha tenha desembolsado US$470 milhões adiantados, e a compra sido louvada pela imprensa local.

A República Checa pagou US$2,1 milhões por 300 mil kits de testes de coronavírus que exibiram um índice de erro de 80%.

A Holanda fez o recall de 1,3 milhão de máscaras chinesas, por não atenderem aos requisitos mínimos do pessoal médico. Um porta-voz de um hospital de Eindhoven qualificou as máscaras de “monte de lixo”.

A China enganou o mundo enviando material sanitário imprestável. Captura de tela.
Na Eslováquia, o primeiro-ministro assinalou que mais de um milhão de testes de coronavírus pagos à China, à vista, no valor de US$16 milhões, não tinham condições de detectar a Covid-19.

O Ministério da Saúde da Malásia recebeu kits doados pela China, mas com defeito.

A Turquia realçou que “os kits de testes tinham uma precisão de apenas 30% a 35%. Nós os aferimos. Eles não funcionam” — disse um porta-voz turco.

Na Argentina, o Ministério de Ciência proibiu lote inicial de 170.000 testes rápidos chineses, pois se mostraram ineficazes.

No Brasil, a Justiça do Pará bloqueou 152 ventiladores pulmonares inadequados, que chegaram da China ao custo de mais de 50 milhões.

Esses são apenas alguns exemplos...


continua no próximo post:


quarta-feira, 20 de maio de 2020

O comunismo é o pior vírus da pandemia

Binômio 'medo-simpatia' o maior ditador da Terra é apresentado como o 'homem de grande sabedoria'.
Binômio 'medo-simpatia' o maior ditador da Terra
é apresentado como o 'homem de grande sabedoria'.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O regime comunista chinês criou uma estratégia aparelhada para usar armas bacteriológicas, a fim de estabelecer sua hegemonia no mundo

A pandemia do Covid-19 abriu os olhos de muitos para a realidade da China comunista.

Sabia-se, por meio de publicações católicas e/ou anticomunistas, que uma seita ideológica aplicava o regime mais inumano e antirreligioso sobre o milenar “Império do Meio”, hoje República Popular da China marxista.

Veja por exemplo nossas páginas sobre a perseguição religiosa na China:

A perseguição religiosa na China – primeira parte

A perseguição religiosa na China – segunda parte

Mas a grande mídia ocidental apresentava o país como sendo a maior economia mundial, que nos enchia com mercadorias baratas, consumia astronomicamente matérias-primas e beneficiava países produtores como o Brasil.

As perseguições religiosas estarrecem, sobretudo quando praticadas depois do acordo da China com o Vaticano.

Mas Pequim é mestre na utilização do binômio “medo-simpatia”.

Em qualquer loja são encontrados produtos chineses variados, de borracha ou pelúcia, fofinhos e baratinhos.

Não duram muito, mas comprar outro também não custa muito.


O rosto do ditador Xi Jinping rivaliza com o de um boneco desses: carnudo, mole, sorriso enigmático e ar do mais pacífico dos homens, embora alguns jornais o apontem como um dos mais cruéis ditadores da Terra.

Ao Brasil ele fez promessas incríveis. Em uma viagem, chegou a anunciar 50 bilhões de dólares de investimentos no País.

A China invadiu com produtos baratos destruindo as indústrias dos demais países
A China invadiu com produtos baratos destruindo as indústrias dos demais países
Depois não cumpriu quase nada, mas atraiu aqueles que correm atrás do dinheiro como o urso atrás do mel.

Enquanto isso, os jornais econômicos continuam noticiando compras faraônicas de empresas estratégicas brasileiras por grupos chineses ignotos, que são tentáculos do Partido Comunista Chinês; ou ainda do Exército Revolucionário do Povo, com a foice e martelo na bandeira.

Os celulares e equipamentos de Internet, quase sem exceção, vêm de lá, apesar de muitos dizerem que estão grampeados e transmitem à espionagem chinesa informações e conversas dos usuários.

A polêmica em torno da companhia Huawei é característica.

Essas impressões contraditórias se dissolvem numa paz que se diria “boa”, se não fosse uma imensa mentira.

Essa “boa paz” resulta do binômio “medo-simpatia”.

O primeiro elemento do binômio, o “medo”, instila a imagem da China como um país distante e enigmático dirigido por um Partido Comunista totalitário.

O segundo elemento — a simpatia — procura apresentá-la como um país que fabrica produtos baratos, coloridos, engraçadinhos, sugerindo a ideia de que seus fabricantes não podem ser tão maus assim.

O `Grande Salto Adiante' visou industrializar a qualquer custo e deu na 'Grande Fome'
O `Grande Salto Adiante' visou industrializar a qualquer custo e deu na 'Grande Fome'
e matou por volta de 38 milhões de chineses

Surge o plano comunista oculto


Até que um dia o coronavírus começou a matar.

A História já registrou muitas epidemias com características análogas, mas esta foi diferente.

Caminhemos passo a passo para entender bem a questão.

O comunismo instalou-se na China em 1º de outubro de 1949, através de Mao Tsé-Tung, escolhido pessoalmente por Josef Stalin, o sanguinário ditador da Rússia.

É devido a um plano comunista que produtos made in China, baratinhos e ordinários, abundam em lojas ocidentais, prejudicando enormemente a produção nacional.

O assassinato dos dissidentes virou ato de fidelidade ao ditador
O assassinato dos dissidentes virou ato de fidelidade ao ditador
O que muitos não sabem é que os produtos chineses enchem nossas lojas devido a um plano oculto descrito por Jung Chang e Jon Halliday, peritos em comunismo chinês, no livro “Mao” (Gallimard, Paris, 2005, 843 pp.).

Mao “cuidava bem de não esclarecer a natureza essencialmente militar desse plano, que ainda é muito pouco conhecido na China de hoje”.

Lançou gigantesco plano de industrialização conhecido como “Grande Salto para frente”, em que “perto de 38 milhões de pessoas morreram de fome ou de exaustão em quatro anos [...]. Foi a pior fome do século XX ‒ e até de toda a História” (op. cit., p. 414).

Mao declarou em Moscou em 1957:

“Nós estamos dispostos a sacrificar 300 milhões de chineses pela vitória da revolução mundial”, ou seja, a metade da população de então.

E reafirmou, no Congresso do Partido de 17 de maio de 1958:

Xi Jinping continua o maquiavélico plano de Mao Tsé Tung
“Não façam, pois, tantas histórias a propósito de uma guerra mundial. Na pior das hipóteses, ela causará mortes [...]. A melhor das hipóteses é que metade da população fique com vida, se não, pelo menos um terço” (op. cit., p. 500-501).

Os dirigentes de base como Xi foram formados nessa maquiavélica tática.

E hoje a estão aplicando como veremos nos posts seguintes.


continua no próximo post: Mentiras comunistas espalharam a epidemia


quarta-feira, 6 de maio de 2020

Mundo padece “neo-maoização” do presidente Xi Jinping

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Um dos primeiros mais impressionantes do então novo presidente chinês Xi Jinping consistiu em peregrinar até a luxuosa casa de campo de Mao Tsé Tung, às margens de um lago.

Nela, o fundador do comunismo chinês passava suas férias nos anos 1950 enquanto ordenava exterminar classes sociais inteiras.

Para Xi, o sítio de lazeres do cruel líder comunista deveria ser declarado centro de educação da juventude no espírito da revolução.

Com efeito, Xi  tomou a decisão de reforçar a retórica “mística” maoísta desde os primeiros meses de seu governo, como registrou naquela época reportagem do “The Wall Street Journal”.

Ele se valeu do “livro vermelho” de Mao para expurgar o Partido Comunista Chinês dos que não são inteiramennte fiéis a seus ensinamentos.

Também montou um cerco à discussão de ideias como democracia, Estado de direito e aplicação da Constituição.

Visando reforçar o espírito igualitário intrínseco ao comunismo, o presidente ordenou que os generais e os membros mais antigos do governo trabalhem como domésticos pelo período mínimo de 5 dias a fim de aprenderem a se reconectar com as “massas”.

quarta-feira, 29 de abril de 2020

Natal foi proibido: seria «infiltração de forças ocidentais»

Maestros devem ensinar a proibição das festas católicas porque 'estrangeiras' (fotos de rede social chinesa).
Maestros devem ensinar a proibição das festas católicas porque 'estrangeiras'
(fotos de rede social chinesa).
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em Liaozhong, província de Liaoning, as bênçãos e doçuras no Natal de 2019 foram banidas por funcionários do governo comunista chinês, noticiou Bitter Winter.

Em ato público, um clérigo da igreja estatal apostrofou um ator que interpretava o Papai Noel no palco. “O cristianismo embarcou no caminho da ‘sinização’, temos nossos pastores e seminários e o Partido Comunista e o governo nos guiam.

“Doravante não precisaremos mais de missionários ocidentais nem contaremos com forças antichinesas.

“Não seremos surpreendidos pelos Estados Unidos da América nem por outros países ocidentais. Peço formalmente, aqui e agora, para deixar a cena do nosso país!”

Pediu depois ao Papai Noel que “levasse o espírito do 19º Congresso Nacional do Partido Comunista e os discursos de Xi Jinping para o Ocidente, especialmente para o presidente Trump nos EUA, a fim de estudá-los”.

Em lugar do Natal, o regime incita as pessoas a celebrar o aniversário de Mao Tsé-Tung, nascido em 26 de dezembro. Ele foi o fundador do comunismo chinês e responsável por milhões de assassinatos.

Um bolo com as palavras “feliz aniversário Mao Zedong” foi colocado em frente de uma estátua de mármore branco desse criminoso de massa no templo Wangzishan em Linyi, uma cidade do condado de Pingyi, na província oriental de Shandong.

As escolas de todo o país doutrinam as crianças a odiar qualquer elemento “ocidental”, incluindo valores democráticos e religião. Isso oficialmente é “patriotismo”.

E o Natal é apontado como uma das “coisas más” a serem odiadas.

quarta-feira, 22 de abril de 2020

Retomada da produção na China entre lamaçais de corrupção

Ninguém vai no restaurante mas o dono Dai Jianglai recebe subsídios fingindo que funciona
Ninguém vai no restaurante mas o dono Dai Jianglai recebe subsídios fingindo que funciona
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Enquanto o epicentro da histeria midiática face ao coronavírus é transferido para o Ocidente, a China comemora ter superado o auge da epidemia e anuncia que está voltando a trabalhar.

Após semanas de paralisação, os líderes marxistas estão mandando todo mundo voltar a seus postos, escreveu o “The New York Times”.

Muitos empregados, contudo, como os de Zhang Xu, em Xangai, ainda não retornaram de suas remotas cidades do interior onde se haviam refugiado. Mas isso não importa tanto porque não há clientes.

Parar a imensa máquina industrial chinesa foi danoso para a China e de modo especial para o mundo, que dependia dela, sobretudo quanto aos produtos mais básicos.

Para as fábricas não é fácil voltar a trabalhar com capacidade plena. Isso leva tempo, mas elas estão recomeçando pelo mais importante. Dezenas de milhões de trabalhadores devem ainda reocupar suas vagas.

Mais de 50 milhões de trabalhadores migrantes ainda não retornaram aos seus empregos, segundo dados oficiais. Alguns permanecem em quarentena.

A corrupção, endêmica na China, já retomou a fraude de massa. Muitos pedem subsídios que não precisam e enchem o bolso.

quarta-feira, 15 de abril de 2020

Infecundidade encolhe economia chinesa

A macabra cena de bebes abandonados na rua  foi produto típico "made in China".  Hoje o país paga sinistras consequências.
A macabra cena de bebes abandonados na rua
foi produto típico "made in China".
Hoje o país paga sinistras consequências.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O método de ocultamento da verdade é uma segunda natureza do sistema socialista, especialmente na economia.

Há anos estamos comentando neste blog denúncias de autoridades econômicas ocidentais dos buracos negros que proliferam nas contas públicas chinesas.

Quando o patrão de um negócio, loja ou indústria fala que vai muito bem, pode ser que esteja indo bem. Mas quando fala que vai mal é porque está indo muito mal.

Já antes da crise do coronavírus, Pequim reconheceu que sua taxa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) caiu para o mais baixo nível em 29 anos.

A culpa foi inicialmente posta nos EUA e na disputa comercial dos últimos anos. O coronavírus chegou como uma mão na roda para “justificar” as quedas em todos os rubros.

O Escritório Nacional de Estatísticas da China calculou uma expansão de 6,1% em 2019, o mais baixo nível índice 1990, divulgou o jornal chinês “The Epoch Times”.

O índice seria comemorado por qualquer país, mas feitos os descontos impostos pelo método chinês de mentir, a essência da mensagem é que Pequim diz que sua economia anda mal ou muito mal.

quarta-feira, 8 de abril de 2020

Suicida confiança ocidental nos remédios chineses

Médicos exumam restos de panamenhos intoxicados com remédios chineses. Fonte New York Times
Médicos exumam restos de panamenhos intoxicados com remédios chineses.
Fonte New York Times
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A pandemia do novo coronavírus foi reveladora de perigosos desenvolvimentos na organização do trabalho e da economia mundiais.

Um deles – e não dos menores – foi o patenteamento da dependência ocidental de remédios de uso continuado e indispensáveis a muitos doentes, cuja produção foi transferida para a China com vistas à obtenção de melhores preços.

Nos países europeus multiplicaram-se os clamores pela escassez de ingredientes farmacêuticos indispensáveis e pela necessidade de repatriar sua produção aos respectivos países.

Reconstruir a capacidade de produzi-los requererá alguns anos, se for possível, observou o jornalista Vincent Lorin, do site VoxEurop.

Mais uma razão para se começar logo a repatriação.

Bastou uma nova mutação do velho coronavírus – causa de resfriados, mais graves em sua nova versão Covid-19 – para que milhões de europeus ficassem potencialmente privados de smartphones, malas, smokings, sapatos e roupas, brinquedos de pelúcia, presentinhos fabricados na China...

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Destruições impiedosas

O crucificado removido da igreja de  Xiahuang  (imagem fornecida por um informador interno)
O crucificado removido da igreja de  Xiahuang
(imagem fornecida por um informador interno)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Enquanto afundava a “diocese modelo” do Acordo de capitulação vaticana em favor do marxismo pequinês, o famoso santuário de Nossa Senhora das Sete Dores em Dongergou, perto de Taiyuan (Shanxi) era destruído impiedosamente.

Ele foi substituído por um prédio “achinesado” que lhe tira toda expressão católica, noticiou a agência AsiaNews.

O santuário tem uma porta solene, chamada de “Porta do Paraíso”, no alto de uma grande escadaria, a qual os fiéis sobem de joelhos.

O governo simplesmente alegou que precisava fazer uma autoestrada que passasse por ali...

As numerosas imagens católicas, cruzes e sinos foram removidos.

O santuário de Guizhou também corre risco de destruição, e o termo mais apropriado para o que está sendo feito é o olhar indolente e risonho do Papa Francisco.

Na última romaria, a polícia fez exibição desproporcionada e desnecessária de força. Só os sacerdotes locais de Taiyuan puderam celebrar.

quarta-feira, 25 de março de 2020

Igreja é vilipendiada na China, Francisco sorri...

Igreja de  Xiahuang esvaziada
Igreja de  Xiahuang esvaziada
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Vincenzo Guo Xijin, bispo despojado de sua diocese de Mindong (Fujian) em consequência do Acordo entre o Vaticano e o PC chinês foi enxotado de sua residência, tendo de dormir como um ‘sem teto’ na porta daquela que foi a sua Cúria e Casa do Clero em Luojiang, noticiou entristecida a agência AsiaNews.

As autoridades comunistas lhe entregaram a ordem de despejo, extensiva aos sacerdotes que trabalham com ele.

E para apressar a saída deles lhes foram cortadas a eletricidade e a água.

O cínico pretexto utilizado foi o de segurança... Um cartaz afixado diante da Cúria ‘informa’ que o prédio construído há 10 anos não respeita as regras contra incêndio!

Na verdade, não passou de mera hostilização, pois o bispo e os sacerdotes se recusam a aderir à “Igreja independente”.

Mons. Guo Xijin – escreve o especialista Pe. Bernardo Cervellera – é uma das “vítimas” do acordo sino-vaticano, que se utiliza da diocese de Mindong para um “projeto piloto” de sua aplicação.

Pelo acordo, o Papa Francisco levantou a excomunhão do “bispo patriótico” Vincenzo Zhan Silu, e ordenou que o bispo titular fiel a Roma Mons. Guo ficasse como auxiliar.

quarta-feira, 18 de março de 2020

Inteligência artificial: fingir até conseguir

O objetivo da IA da China está a serviço do Exército do Povo
O objetivo da IA da China está a serviço do Exército do Povo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







continuação do post anterior: A guerra da inteligência artificial “baseada no engano” (Sun Tzu)



A estratégia chinesa se resume na frase “fingir até conseguir”, escreveu o jornalista Vincent Lorin, especializado em tecnologia e comércio, no artigo “A inteligência artificial chinesa chega à Europa blefando?”, reproduzido por VoxEurop.

E multiplica os exemplos como o de uma antiga empresa de comércio de leite em pó de Xangai que se tornou por arte de magia em “especialista em IA”.

Depois de mudar o seu nome para DeepBlue, nome que evoca um mítico computador da velha IBM, vendeu robôs de limpeza para aeroportos, estações ferroviárias e hospitais chineses.

Recebeu em dois anos centenas de milhões de dólares de uma nuvem de bancos e empresas, biombo do governo marxista, e se apresenta em seu site como “World Class AI maker”.

Tal empresa lançou-se à conquista do Sudeste Asiático por meio da Tailândia, e prometeu à Europa o “ônibus inteligente Panda”.

quarta-feira, 11 de março de 2020

Manipulação socialista do coronavírus

Surto de coronavírus é pretexto para reforçar a ditadura policialesca
Surto de coronavírus é pretexto para reforçar a ditadura policialesca,
onde o vírus circula e onde ... não circula
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Na crise do coronavírus, agora denominado Covid-19, a ditatorial máquina de controle socialista da população não parou de funcionar. Pelo contrário, a epidemia lhe serviu de pretexto para ficar mais rija.

O jornal argentino “La Nación” cita o caso de um homem de Hangzhou que ao voltar para casa foi abordado pela polícia.

Seu carro fora identificado perto de Wenzhou, onde havia um pequeno surto de coronavírus, mas muito longe do epicentro da epidemia.

A polícia lhe ordenou ficar recluso em casa por duas semanas. Aconteceu de ele ter saído dois dias antes do previsto, e acabou sendo identificado por uma câmara de reconhecimento facial nas cercanias da cidade.

Desse jeito, o coronavírus acabou por dar uma “justificação” ao regime para intensificar os métodos de controle social.

Se um infectado com coronavírus pega um trem, o sistema de identificação facial pode fornecer a lista das pessoas que sentaram perto dele.

quarta-feira, 4 de março de 2020

A guerra da inteligência artificial
“baseada no engano” (Sun Tzu)

A China precisa blefar para construir seu mundo de escravos
A China precisa blefar para construir seu mundo de escravos
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









“Conto da carochinha” em espanhol se traduz por “cuento chino”, literalmente “conto chinês”.

A expressão define bem a imagem da China em matéria de inteligência artificial – a IA –, segundo o jornalista Vincent Lorin, especializado em tecnologia e comércio, no artigo “A inteligência artificial chinesa chega à Europa blefando?”, reproduzido por VoxEurop.

Em minuciosa reportagem, Lorin tratou dos projetos chineses de investimento em inteligência artificial oferecidos a empresas europeias, tendo ficado atônito com o seu lado suspeito.

O jornalista destaca a importância estratégica desse setor, no qual a China é muito ativa, ao instalar sistemas de policiamento e vigilância dos cidadãos na Malásia, no Paquistão, no Japão, na Coreia do Sul, na África.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2020

Taiwan repudia China e adverte o Papa

Tsai Ing-wen foi reeleita massivamente em 2020 pela sua oposição ao comunismo
Tsai Ing-wen foi reeleita massivamente em 2020 pela sua oposição ao comunismo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Na República da China ou Taiwan, conhecida também por velhas denominações como Formosa ou China nacionalista, a presidente Tsai Ing-wen renovou o seu mandato com uma vitória comparada a um terremoto pelos comentaristas, noticiou o jornal chinês “The Epoch Times”, publicado em Nova York em 21 idiomas.

Ela derrotou Han Kuo-yu do partido Kuomingtang (KMT) que postulava relações mais amistosas com Pequim.

O veredito das urnas foi uma clara mensagem à ditadura marxista de Pequim, que não poupou esforços para intimidar o eleitorado taiwanês a fim de fazê-lo votar em sentido contrário, disseram especialistas.

Não restaram dúvidas de que o resultado democrático implicou “repúdio à China comunista”, e das tentativas de reunificação a ela, comentou June Teufel Dreyer, professor de ciências políticas da Universidade de Miami e membro do Foreign Policy Research Institute.

Tsai recebeu o recorde de 8,17 milhões de votos, equivalente a 57% do eleitorado.

Seu partido, o Democrata Progressista (DPP) ganhou 61 das 113 cadeiras no Legislativo.

Ela apoia o movimento pela democracia em Hong Kong, e foi muito contraditada pela diplomacia e pela guerra psicológica de Pequim.

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Coronavírus e despotismo do regime chinês

Surto foi abafado policialescamente para não desagradar ao ditador marxista
Surto foi abafado policialescamente
para não desagradar ao ditador marxista
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A recente epidemia de coronavírus originada na China patenteou os perigos que o socialismo chinês conduzido por Xi Jinping vem trazendo para os sofridos chineses e para o mundo.

Se a epidemia trouxe por acaso alguma vantagem foi a de abrir os olhos de muita mídia macrocapitalista que há décadas enfia a cabeça na areia para as aberrações do regime ditatorial comunista chinês.

Foi o caso entre outros, de Nicholas Kristof, jornalista destacado do “The New York Times” jornal cheio de cumplicidades com o sistema pequinês.

Kristof escreveu “O coronavírus se propaga e o mundo paga pela ditadura da China” e embora não concordemos com seu esquerdismo não podemos não reconhecer que essa constatação mostra inteligência e perspicácia.

Kristof destaca que até o presidente Donald Trump colocado nas antípodas tratou o presidente chinês Xi Jinping de “líder brilhante”. Nisso fez coro com o magnata da imprensa e três vezes prefeito de Nova York Michael Bloomberg que diz que Xi “não é um ditador” e com alguns mandatários latino-americanos.

Mas, o fato é que o planeta inteiro está sofrendo pelas arbitrariedades e imprudências do regime socialista que comanda esse deveras ditador.

A primeira manifestação da epidemia do coronavírus em Wuhan foi em 1º de dezembro (2019) dando tempo aos responsáveis para debelá-la com os recursos comuns da medicina.

Mas esses servis funcionários reagiram não contra o vírus, mas contra aqueles que denunciavam a ameaça à saúde pública.

Um médico que falou do vírus pela Internet foi "disciplinado" pelo Partido Comunista. A polícia forneceu “educação” e “críticas” a oito médicos de primeira linha por espalhar “rumores” sobre a epidemia (coitados!).

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Epidemia desenvolvida na sujeira socialista
mostra pés de barro da China

Socialismo e paganismo  conviviam na sujeira onde se gestou a epidemia. Na foto ratos (muito procurados), caldo de morcego e aspecto do mercado de Wuhan
Socialismo e paganismo  conviviam na sujeira onde se gestou a epidemia.
Na foto ratos (muito procurados), caldo de morcego e aspecto do mercado de Wuhan
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O país que a grande imprensa apresenta como a primeira potência mundial num futuro próximo, senão já no presente, deixa transparecer por vezes sua calamitosa desordem interna.

Aparece então a China real e não o “tigre de papel” que espalha o macrocapitalismo publicitário.

Após uma epidemia que ceifou mais de um terço de seu rebanho suíno – o mais importante do país – e desequilibrou o mercado da carne mundial, a China aparece devastada por um vírus que não controla, que nem conhece direito e que ameaça massivamente sua população.

Ameaçaria à própria humanidade, se dermos crédito ao noticiário não raramente viciado pelo alarmismo e a organismos internacionais como a Organização Mundial da Saúde – OMS.

A China comunista se mostra então como o que é: um gigante com os pés de barro. Mas um gigante oriental com mil pés todos canhestros e corroídos por gangrenas diversas.

Falamos da eclosão da epidemia de coronavírus aparecida no infecto e nauseabundo mercado central de Wuhan, concentração populacional de 11 milhões de almas, cinco dos quais já teriam fugido perseguidos pelo pavor da ameaça. As fotos mostram uma cidade grande, moderna e deserta.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2020

Da Grande Muralha de pedra
à “Grande Muralha da Censura”

A censura e a espionagem da Internet dividem o mundo chinês em dois
A censura e a espionagem da Internet dividem o mundo chinês em dois
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








O escritor Murong Xuecun, que morou em Lhasa, capital do Tibete, estava conversando com um amigo chinês, que lhe perguntou: “Você sabia que os tibetanos estão ateando fogo em si mesmos?”

E contou-lhe então detalhes horríveis – o escritor nunca ouvira falar de atos de auto-imolação –, acrescentando:

“Todo mundo para lá da muralha sabe disso. Um escritor que se preocupa com a China, mas que não passa por cima da muralha, sofre de deficiência moral. Você não deveria deixar uma muralha decidir o que você sabe.”

O escritor entendeu. “Para lá da muralha” significava a tristemente famosa Grande Muralha Digital da China, um esquema montado pela ditadura por volta de 1998 para rastrear e bloquear conteúdos da internet.

Passados 17 anos, esse firewall ideológico divide em dois o mundo chinês.

quarta-feira, 15 de janeiro de 2020

Tiram Nossa Senhora e põem fotos de comunistas nas igrejas

Retrato de Xi Jinping no centro da igreja entre slogans de propaganda
Retrato de Xi Jinping no centro da igreja entre slogans de propaganda.
Foto de Bitter Winter proveniente da clandestinidade.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









A igreja católica da cidade de Ji'na que tem status de província, era tida como “A fonte verdadeira e original do Universo”, evocando o nome que o imperador Kangxi (1654-1722) mandou inscrever numa placa em igreja católica em Pequim em 1711, noticiou Bitter Winter.

Porém, no final de setembro, as autoridades marxistas ordenaram cobrir a placa com o nome da igreja pondo as palavras “Siga o Partido, obedeça ao Partido e seja grato ao Partido” e levantar a bandeira comunista na entrada.

O quadro da Virgem Maria com o Menino Jesus na nave central foi relegado a um canto escuro da igreja e substituído por um retrato do presidente Xi Jinping, cercado de slogans de propaganda.

Alguns dias depois, os policiais sequestraram as chaves da igreja e trancaram portas e janelas perdendo os católicos o templo para rezar.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

Hong Kong não teve paz
nem para comemorar o novo ano

Liberdade para Hong Kong: os outrora ricos fogos de fim de ano foram toldados por um patético clamor pelo fim da ameaça comunista
Liberdade para Hong Kong: os outrora ricos fogos de fim de ano foram toldados
por um patético clamor pelo fim da ameaça comunista
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Consulado Geral da Espanha em Hong Kong alertou os estudantes no território para a possibilidade “de adiantar o retorno” ao país, informou o quotidiano de Madri “El Mundo”.

Segundo o jornal, Hong Kong arde com a repressão antidemocrática teleguiada desde Pequim, estando ao “borde do colapso total”. O clima de tensão marcou a passagem do ano.

A ditadura marxista continental acharia que a ocasião é ideal para intervir com mão forte e já teria enviado tropas para isso.

As manifestações acirraram quando um policial matou um jovem com um tiro no abdômen, outro agente atropelou vários estudantes e um cidadão queimou após ser pulverizado com um líquido inflamável e incendiado.

No campus da Universidade Politécnica houve barricadas, coquetéis molotovs, gás lacrimogêneo, tanques de água.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2019

Comovedora fidelidade a Cristo enquanto o Vaticano adora ídolos

A polícia fechou a igreja, mas os fiéis rezam do lado de fora
A polícia fechou a igreja, mas os fiéis rezam do lado de fora
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







É de verter lágrimas de dor e admiração ver o que estão fazendo os católicos sob a perseguição comunista na China.

Porque eles não entregam os pontos e recorrem a toda espécie de artifícios para burlar a perseguição com risco até de vida por fidelidade a Jesus Cristo, a Nossa Senhora e à Santa Igreja Católica.

O Partido Comunista Chinês reforçou as despóticas leis socialistas e ateias e vem demolindo, ocupando e profanando as igrejas, sem fazer distinção como viemos comentando.

Os fiéis estão ficando sem ter onde ir para rezar, receber os sacramentos e ouvir o Evangelho. A polícia está espionando com muita tecnologia e sanha anticristã.

O site Bitter Winter forneceu um apanhado dos engenhosos e heroicos recursos excogitados pelos cristãos para perseverar com os atos de culto a Deus e aos santos.

Em agosto de 2018 foi fechada a igreja católica de Changchun, província de Jilin, mas os paroquianos continuam a assistir missa. Onde? Num cemitério!

segunda-feira, 25 de novembro de 2019

Ouvirá o Papa Francisco o clamor de seus filhos católicos de Hong Kong?

Voando ao Japão o Papa Francisco enviou saudações ao ditador comunista de Pequim e à governadora filo-comunista de Hong Kong Carrie Lam. Ignorou o sofrimento do povo dessa cidade. O povo que logo depois recusou a marcha anti-democrática em eleições com dimensões de referendo. Cfr: South China Morning Post
Voando ao Japão o Papa Francisco enviou saudações ao ditador comunista de Pequim
e à governadora filo-comunista de Hong Kong Carrie Lam.
Ignorou o sofrimento do povo dessa cidade. O povo que logo depois recusou
a marcha anti-democrática de Carrie Lam em eleições com dimensões de referendo.
Cfr: South China Morning Post
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs













Um abaixo-assinado foi reunido pelos sofridos universitários católicos de Hong Kong, informou a conceituada agência católica oriental UCA News.

Ele implora ao Papa Francisco sua intercessão para impor a paz sobre a violência desencadeada pela polícia e forças militares da cidade e do governo marxista de Pequim contra os jovens das universidades que pedem democracia.

A folha com o abaixo-assinado passava de mão em mão enquanto voavam as balas de borracha que tiraram os olhos de muitos jovens e muitos signatários choravam sob efeito das granadas de gás lacrimogênio.

quarta-feira, 20 de novembro de 2019

Pequim agarrota católicos
para que não imitem protestos de Hong Kong

Policial dispara a queima-roupa contra estudante desarmado
Policial dispara a queima-roupa contra estudante desarmado em Hong Kong
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Muitos cristãos saíram às ruas em Hong Kong para apoiar o movimento democrático.

Então, o Partido Comunista Chinês (PCCh) passou a controlar de perto as visitas de e para essa cidade, informou “Bitter Winter”.

Em 11 de agosto, cerca de 30 funcionários do Escritório de Assuntos Étnicos e Religiosos oficiais do governo invadiram uma igreja na prefeitura de Dali, na província de Yunnan, regida por missionários de Hong Kong.

Todos os presentes foram todos identificados e seus números de celular anotados. Todas as cópias da Bíblia e hinários foram confiscados.

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

China contrafaciona primeiro avião comercial médio

Para compensar o atraso do Comac C919 o Ministério de Segurança da China roubou tecnologia e subornou funcionários ocidentais informou CrowdStrike, empresa de cibersegurança.
Para compensar o atraso do Comac C919 o Ministério de Segurança da China
roubou tecnologia e subornou funcionários ocidentais

informou CrowdStrike, empresa de cibersegurança.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A China voltou a apresentar sua primeira aeronave comercial de passageiros de médio alcance (voos regionais), noticiou “Clarín”.

Pequim diz ser a primeira projetada e fabricada inteiramente no país, embora as informações deixem transparecer outras realidades.

Trata-se do Comac C919, que passará por uma nova e intensa fase de voos de teste antes de sua certificação oficial para sair e disputar o mercado com o Boeing 737 e o Airbus A320 nas suas várias versões.

A Commercial Aircraft Corporation da China (COMAC) executará os testes de seis protótipos do veículo bimotor no restante de 2019, conforme informa o Asia Times.

O C919 foi apresentado num hangar em 2015, e o primer voo sem incidentes foi comemorado euforicamente em 2017. O locutor Yang Chengxi perdeu a voz berrando emocionado: “Hoje é o dia! Fomos testemunha de uma decolagem bem-sucedida!”.

quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Marketing do Partido Comunista irrita o povo

Na entrada de um bairro residencial um cartaz diz:
«Segue sempre o Partido». Foto Bitter Winter.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em todas as ruas das cidades e aldeias da China foram afixados faixas e pôsteres de todos os tamanhos e formas que glorificam o Partido Comunista. A principal mensagem é “ame o Partido, siga o Partido”.

Desde o início do ano (2019), várias administrações municipais na província de Henan, ordenam que empresas, áreas residenciais, escolas, postos de gasolina, templos e outros locais públicos exibam sinais com o slogan “Obedeça ao partido, siga o partido”.

Essa política não pode ser questionada e quem desobedece é punido.

Porém, a demonstração obrigatória de amor ao regime e a rápida multiplicação desses cartéis causaram grande ressentimento entre o povo, descreveu Bitter Winter.

Um morador de Huiguo, condado de Gongyi, inventou uma música que zomba do sistema totalitário do Partido Comunista.

quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Denunciar parentes ou amigos com fé para não ser punido

A bandeira comunista deve ondear diante da igreja de Huangtugang, Hebei, que ainda resiste como 'subterrânea'
A bandeira comunista deve ondear diante da igreja de Huangtugang, Hebei,
que ainda resiste como 'subterrânea'

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O Departamento de Segurança Pública de Henan criou em 2019 um diretório para incentivar os agentes policiais a prender os crentes.

É intitulado “Sistemas de prêmios e punições por trabalhos importantes na luta contra o xie jiao (‘seita maligna’)”.

Os membros dos grupos qualificados xie jiao (‘seita maligna’) podem ir à prisão pelo o artigo 300 do Código Penal Chinês, informou “Bitter Winter”.

Por cada um que prendam, os agentes receberão um bônus proporcionado ao crime que possam imputar ao crente: 5 mil renminbi (cerca de 730 dólares) por um crime comum; 3 mil renminbi (cerca de 430 dólares) para crimes administrativos; 2 mil renminbi (cerca de US $ 290) por cada 10 mil renminbi (cerca de US $ 1.460) confiscados a uma igreja. [O renminbi é o nome oficial da moeda chinesa, chamada de ‘yuan’ no mercado financeiro]