Pesadelo chinês

O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

quarta-feira, 13 de novembro de 2019

China contrafaciona primeiro avião comercial médio

Para compensar o atraso do Comac C919 o Ministério de Segurança da China roubou tecnologia e subornou funcionários ocidentais informou CrowdStrike, empresa de cibersegurança.
Para compensar o atraso do Comac C919 o Ministério de Segurança da China
roubou tecnologia e subornou funcionários ocidentais

informou CrowdStrike, empresa de cibersegurança.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





A China voltou a apresentar sua primeira aeronave comercial de passageiros de médio alcance (voos regionais), noticiou “Clarín”.

Pequim diz ser a primeira projetada e fabricada inteiramente no país, embora as informações deixem transparecer outras realidades.

Trata-se do Comac C919, que passará por uma nova e intensa fase de voos de teste antes de sua certificação oficial para sair e disputar o mercado com o Boeing 737 e o Airbus A320 nas suas várias versões.

A Commercial Aircraft Corporation da China (COMAC) executará os testes de seis protótipos do veículo bimotor no restante de 2019, conforme informa o Asia Times.

O C919 foi apresentado num hangar em 2015, e o primer voo sem incidentes foi comemorado euforicamente em 2017. O locutor Yang Chengxi perdeu a voz berrando emocionado: “Hoje é o dia! Fomos testemunha de uma decolagem bem-sucedida!”.

Os principais componentes do C919 não são chineses, como enfatiza a propaganda, mas importados. O trem de aterrissagem é alemão, os motores são franco-estadunidenses, e o interior é austríaco.

Um cambalacho de peças com pouco de integralmente chinês, cujos encaixes inspiram prudência, senão temores.

A planificação da contrafação começou há uma década. Foram anos de problemas lidando com algo que os engenheiros chineses não conheciam bem.

A contrafação permitiu que a edição russa da revista “Popular Mechanics” saudasse que em apenas 10 anos a Comac “seguiu um caminho para o qual muitas empresas precisariam de décadas”.

A revista chamou o novo modelo de “matador” iminente de seus principais concorrentes, Boeing e Airbus.

O motor  CJ1000A apresentado tem semelhanças suspeitas com os equivalentes ocidentais.
O motor  CJ1000A apresentado tem semelhanças suspeitas com os equivalentes ocidentais.
A aeronave visa atender às conveniências das aéreas de baixo custo como a britânica RyanAir, que seria um dos maiores compradores.

O avião tem uma fuselagem mais estreita e pode comprimir entre 158 e 174 passageiros.

Sem ter lançado a produção em série, a aeronave acumula mais de 800 pedidos de 27 companhias aéreas pelo fato de o governo chinês ser seu principal impulsionador.

A capacidade de produção foi estabelecida pelo governo em 150 unidades por ano e 2.000 no total nos próximos 20 anos. O número não atinge a taxa de produção do Boeing-737, mas o Comac poderá substituí-lo pelo menos no mercado chinês.

O fator decisivo para seu sucesso futuro é o preço de catálogo, que mal excede 60 milhões de dólares, muito menor do que o de seus concorrentes.

A China também procura estabilizar a produção de aviões comerciais de médio porte, como o Xiangfeng, i. é, Vôo da Fênix, cujo nome técnico é ARJ21-700.

Essa fênix da contrafação visava abalar a liderança da brasileira Embraer e da Bombardier.

A China já fabricou o Shanghai Y-10, contrafação do Boeing 707, e tentou lançar um clone do MD-80 que não saiu da maquete.

Por sua vez, a Embraer tentou se instalar na cidade de Harbin em parceria com subsidiárias do grupo chinês Avic para produzir o jato comercial ERJ-145 e o Legacy 650 baseado no anterior.

Chegou a ter uma unidade industrial, a Harbin Embraer Aircraft Industry (Heai), mas desistiu da joint-venture após 13 anos, noticiou o site Airway.

A ansiedade para conseguir a hegemonia mundial leva a China a procurar resultados rápidos a qualquer custo.

Chineses comemoram teste de bomba nuclear, sem ter ideia das consequências que vão sofrer
Chineses comemoram teste de bomba nuclear,
sem ter ideia das consequências que vão sofrer
Jung Chang e Jon Halliday, que escreveram o grande livro de referência “Mao”, contam o “episódio mais assombroso” desta fome ideológica mas irracional de poder.

Aconteceu o dia 27 de outubro de 1966, quando Mao mandou disparar um míssil balístico com ogiva nuclear no noroeste da China, o qual sobrevoou cidades bastante importantes ao longo de oito centos quilômetros.

Mas era a primeira vez que o país ousava a experiência, feita com um foguete carente de fiabilidade, pondo em perigo de morte as populações sob a sua trajetória.

Três dias antes, Mao assumiu a responsabilidade.

“Quase todas as pessoas engajadas no projeto esperavam uma catástrofe, e o pessoal da sala de controle achou que tinha chegado sua última hora. (...) foi um puro golpe de sorte.

“Todos os ensaios posteriores fracassaram, pois o míssil se pôs a girar furiosamente sobre si mesmo logo após ter decolado” (Jung Chang e Jon Halliday, “Mao”, Gallimard, Paris, 2005, 843 págs., pp. 609-610).


quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Marketing do Partido Comunista irrita o povo

Na entrada de um bairro residencial um cartaz diz:
«Segue sempre o Partido». Foto Bitter Winter.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em todas as ruas das cidades e aldeias da China foram afixados faixas e pôsteres de todos os tamanhos e formas que glorificam o Partido Comunista. A principal mensagem é “ame o Partido, siga o Partido”.

Desde o início do ano (2019), várias administrações municipais na província de Henan, ordenam que empresas, áreas residenciais, escolas, postos de gasolina, templos e outros locais públicos exibam sinais com o slogan “Obedeça ao partido, siga o partido”.

Essa política não pode ser questionada e quem desobedece é punido.

Porém, a demonstração obrigatória de amor ao regime e a rápida multiplicação desses cartéis causaram grande ressentimento entre o povo, descreveu Bitter Winter.

Um morador de Huiguo, condado de Gongyi, inventou uma música que zomba do sistema totalitário do Partido Comunista.

Em maio, funcionários de comitê de bairro foram controlar que cada loja exibisse a bandeira nacional, executando a instrução “criar una cidade mais civilizada é, pôr o Partido Comunista no primeiro lugar e reforçar o patriotismo”.

O diretor do comitê do bairro ameaçou um proprietário: “se ele não exibir a bandeira, sua loja será fechada”.

Os trabalhadores a levantaram e o proprietário comentou ironicamente: “exibir a bandeira realmente tornará a cidade mais civilizada?”

Cartazes dizem 'Obedece ao Partido, vai atrás do Partido`' na entrada de todas as empresas em todo o país. Foto Bitter Winter
Cartazes dizem 'Obedece ao Partido, vai atrás do Partido`'
na entrada de todas as empresas em todo o país. Foto Bitter Winter
A campanha pela “cidade civilizada” inclui a repressão da religião por grupos especiais montados em cada comitê de bairro.

No final de maio, 16 municípios do condado de Anle, na província de Jiangxi, realizaram um evento para proibir a religião em escolas e lares.

As crianças da escola primária tinham que memorizar e recitar um juramento de “profundo amor ao Partido Comunista Chinês”.

Também foram ensinadas a “estarem prontas para contribuir para a causa do comunismo”.

Os estudantes que não conseguiam aprender o juramento de cor, em punição, foram forçados a copiá-lo dez vezes à mão.

Um pai de um aluno da primeira série disse que seu filho pequeno não podia memorizar o juramento porque estava cheio de caracteres que ainda não conhecia.

Alguns jardins de infância e escolas primárias do condado organizaram um Festival das Crianças em que os alunos foram forçados a assinar uma faixa antirreligiosa com as palavras “Respeite a ciência e se oponha a xie jiao (‘seita maligna’)”.



Crianças de jardim de infância juram lealdade ao Partido Comunista





quarta-feira, 30 de outubro de 2019

Denunciar parentes ou amigos com fé para não ser punido

A bandeira comunista deve ondear diante da igreja de Huangtugang, Hebei, que ainda resiste como 'subterrânea'
A bandeira comunista deve ondear diante da igreja de Huangtugang, Hebei,
que ainda resiste como 'subterrânea'

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O Departamento de Segurança Pública de Henan criou em 2019 um diretório para incentivar os agentes policiais a prender os crentes.

É intitulado “Sistemas de prêmios e punições por trabalhos importantes na luta contra o xie jiao (‘seita maligna’)”.

Os membros dos grupos qualificados xie jiao (‘seita maligna’) podem ir à prisão pelo o artigo 300 do Código Penal Chinês, informou “Bitter Winter”.

Por cada um que prendam, os agentes receberão um bônus proporcionado ao crime que possam imputar ao crente: 5 mil renminbi (cerca de 730 dólares) por um crime comum; 3 mil renminbi (cerca de 430 dólares) para crimes administrativos; 2 mil renminbi (cerca de US $ 290) por cada 10 mil renminbi (cerca de US $ 1.460) confiscados a uma igreja. [O renminbi é o nome oficial da moeda chinesa, chamada de ‘yuan’ no mercado financeiro]

As duas unidades policiais que prendam menos crentes serão repreendidas. Serão punidos os delegados que durante quatro meses consecutivos fiquem nos últimos lugares na sinistra tarefa.

As crianças devem assinar compromissos contra a religião
As crianças devem assinar compromissos contra a religião
Cada delegacia ganhará pontos por cada crente preso, ou por cada informante ganho, doações confiscadas e dados das igrejas no exterior.

Recompensas econômicas são prometidas aos cidadãos comuns que denunciem parentes e vizinhos. Para isso foram abertas linhas telefônicas, sites e caixas de mensagens especiais.

Uma delegacia de Hunan ordenou que todos os agentes comuniquem os nomes de dois crentes todos os meses. Aqueles que não o fizerem também são punidos, confidenciou um policial sob anonimato.

A campanha contra o crime organizado chamada "limpeza de quadrilhas criminosas e eliminação do mal" também é pretexto para reprimir os fiéis.

A campanha oficial ensina que denunciar os fiéis é um instrumento para “destruir o guarda-chuva protetor [das trevas e das forças do mal] e romper suas conexões”.

Até os funcionários menos relevantes da burocracia civil devem denunciar cotas de crentes para melhorar sua imagem, como se se tratasse de caçada de animais.

Por exemplo, para “limpar gangues criminosas e eliminar o mal”, a administração da província central de Anhui ordenou que as aldeias de sua alçada informem sobre pelo menos um crente diariamente.

Crianças na escola entoam louvores ao comunismo
Crianças na escola entoam louvores ao comunismo
Se os funcionários da aldeia não investigam ou denunciam fiéis serão acusados de proteger as “forças das trevas e do mal”.

Teme-se que os chefes locais responsáveis pela repressão já tenham confeccionado listas preliminares de crentes e pretendem expulsar do Partido Comunista os funcionários que não os denunciem.

O expulso do Partido perderá a aposentadoria e ficará sujeito a uma multa que varia de 15 mil a 60 mil renminbi (entre US $ 2.200 e 8.700) e seus filhos também sofrerão sequelas.

Um funcionário de aldeia confidenciou a Bitter Winter que ele teme as consequências se sua esposa estiver na lista e ele não a denunciar.

O homem pressionou sua esposa a renunciar a sua fé e desertar as reuniões religiosas.


quarta-feira, 23 de outubro de 2019

Citações comunistas de Xi Jinping
em lugar dos Dez Mandamentos

Quadros com o Decálogo substituídos com frases do déspota socialista Xi Jinping
Quadros com o Decálogo substituídos com frases do déspota socialista Xi Jinping.
Foto:Bitter Winter .
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Os Dez Mandamentos que são a base da moralidade cristã e constituem a referência essencial dos crentes em todo o mundo, como observou Bitter Winter, na China marxista, estão sendo eliminados dos locais de culto porque representam uma desgraça aos olhos do déspota do país.

Nem mesmo as “igrejas” que se deixaram controlar pelo governo na província central de Henan, escaparam à imposição tirânica de substituir os Dez Mandamentos por citações do presidente Xi Jinping.

Na metade de 2019, o Departamento do Trabalho da Frente Unida ordenou: “O Partido deve ser obedecido em todas as áreas. Vocês devem fazer tudo o que o Partido lhe disser e, se vocês o contradizerem, vossa igreja será imediatamente fechada”.

Em concreto, segundo um fiel que pediu para permanecer anônimo, o Decálogo foi removido de quase todos os locais de reunião que se haviam aviltado para não serem perseguidos e foram substituídos por frases do déspota Xi .

A campanha foi definida no Departamento de Trabalho da Frente Unida Central nos termos seguintes:

Cartaz com os Dez Mandamentos arrancado de uma igreja
Cartaz com os Dez Mandamentos arrancado de uma igreja. Foto:Bitter Winter .
“Os valores centrais do socialismo e da cultura chinesa ajudarão a envolver as várias religiões. É necessário apoiar a comunidade religiosa na interpretação do pensamento, doutrinas e ensinamentos religiosos de maneira consistente com as necessidades do progresso dos tempos.

“Você está resolutamente alerta contra a infiltração ideológica ocidental e conscientemente resiste à influência do pensamento extremista”.

As comunidades que não se abaixarem diante da ameaça serão incluídas na lista negra e os fiéis sofrerão limitações na hora de viajar e seus filhos terão limitações na escola e no trabalho.

O primeiro passo consistiu em proibir os símbolos religiosos, especialmente as cruzes instalando símbolos comunistas nas igrejas.

Depois, câmeras de vigilância passaram a monitorar os fiéis e suas atividades nos recintos religiosos.

Finalmente, a substituição dos cartazes com os Dez Mandamentos pelos discursos de Xi Jinping visa que o Partido Comunista se “torne Deus”.

“É isso que o diabo sempre fez”, comentou um cristão.

Livros 'vermelhos' para os fiéis lerem em biblioteca de 'igreja' protestante em Zhengzhou
Livros 'vermelhos' para os fiéis lerem em biblioteca de 'igreja' protestante
em Zhengzhou. Foto: Bitter Winter.
No condado de Luoning, em Henan, as autoridades ordenaram remover o primeiro dos dez mandamentos “Amar a Deus sobre todas as coisas” alegando que “Xi Jinping se opõe a essa afirmação”.

Em outras localidades do vasto país, os cartazes com o Decálogo foram substituídos por retratos de Mao Tsé Tung e de Xi Jinping ou vulgar propaganda comunista.

Temendo que isso fosse insuficiente, o Partido Comunista está impondo aos grupos religiosos, como tarefa política obrigatória, estudar o “pensamento do presidente Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas”, informou ainda “Bitter Winter”.

O pensamento de XI está baseado no ateísmo e é incompatível com qualquer religião. Mas Xi imita Mao Tsé Tung se autopromocionando a um “altar divino” de sua própria confecção para ser reverenciado pelas massas.

Os discursos de Xi são projetados numa tela grande montada em templo budista em Qinhuangdao, província de Hebei, no norte, às custas dos pagãos.

As autoridades fazem inspeções frequentes e avisam os monges que estarão em apuros se desobedecem.

Livros sobre Xi Jinping numa 'igreja' protestante de Zhengzhou
Livros sobre Xi Jinping numa 'igreja' protestante de Zhengzhou. Foto: Bitter Winter.
Na mesma região, o Escritório de Assuntos Religiosos constrangeu os crentes a escrever um ensaio de pelo menos 2 mil caracteres sobre o que aprendem ouvindo os discursos comunistas a respeito da Constituição chinesa e das políticas religiosas oficiais. Só os aprovados podem permanecer no templo.

Em bibliotecas religiosas da cidade de Zhengzhou, em Henan, não se encontra nem a Bíblia porque nos lugares mais visíveis ficam expostos livros sobre Xi Jinping.

Passou a ser obrigatória a instalação de uma sala de leitura com discursos e livros do líder socialista, leis e regulamentos estaduais.

460 pregadores protestantes foram convocados para estudar “O pensamento de Xi” e os princípios centrais do socialismo, sendo gravadas as sessões de treinamento.

Por fim, todos os participantes tiveram que escrever um ensaio mostrando o “progresso na compreensão” feito. As represálias estavam no ar para quem não se mostrar fiel assimilador do ateísmo do Partidão.


quarta-feira, 16 de outubro de 2019

Os heróis católicos silenciados da Coreia do Norte

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Em parte alguma do mundo os católicos sofrem uma perseguição tão inclemente como na Coreia do Norte.

Oficialmente eles não existem e deveriam ter sido todos suprimidos. Mas perseveram nas catacumbas.

Eles são perseguidos pelas autoridades marxistas desde o fim da II Guerra Mundial, mas sua Fé sobrevive com o auxílio sobrenatural.

Marta Petrosillo, da organização “Ajuda à Igreja que Sofre”, contou a “Rome Reports” que “em 1945, no início da divisão das duas Coreias, a cidade de Pyongyang era conhecida como a Jerusalém do Extremo Oriente. Nela viviam por volta de 50.000 católicos”.

Com o socialismo, a situação mudou drasticamente. Além do culto aos ditadores marxistas “qualquer outra religião está proibida.

Acredita-se que há 10.000 católicos na Coreia do Norte, mas a maioria é idosa”, disse Marta.

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

Canibalismo na China hoje, "liturgia amazônica" amanhã?

As cápsulas pegas pela polícia da Coréia do Sul em 2012
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






A China deu a partida a uma série de notícias sobre repugnantes fatos de canibalismo, não apenas entre pagãos incultos, mas entre ocidentais ex-cristãos que se vem prolongando a través dos anos, como fatos ou às vezes boatos não desprovidos de fundamento.

De início, em 2012, a polícia da Coreia do Sul interceptou carregamentos de cápsulas com aparência de medicamentos, contendo carne humana seca.

Verossimilmente foi tirada de fetos no regime anti-vida do gigante socialista. Seu destino alegado era alimentar o mercado de afrodisíacos...

A China negou a denúncia, mas logo depois a polícia deteve Zhang Yongming, 56, na província de Yunnan, suspeito de ter assassinado e decepado 20 jovens.

Ele vendia depois os horrendos “cortes” como “carne de avestruz”, entregando os restos aos cachorros. As macabras revelações vieram à luz na imprensa de Hong-Kong.

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

Expansionismo militar com palavras enganadoras

Exercícios militares conjuntos com a Rússia. A China incrementou muito sua despesa  militar na última década
Exercícios militares conjuntos com a Rússia.
A China incrementou muito sua despesa  militar nas últimas décadas
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Nos últimos 20 anos, a China intensificou de modo sem precedentes o desenvolvimento de seu poderio militar, escreveu “Clarín”.

Disparou as despesas militares importando equipamentos e aumentando a indústria de armamentos de alta tecnologia ainda quando os resultados por vezes apresentem carências risíveis.

Mas também modernizou suas doutrinas militares. Ficou longe da “grande guerra do povo” empregada por Mao Tsé Tung engajando milionários efetivos terrestres e monstruosas perdas humanas.

A guerra informatizada e da informação, das comunicações, sistemas de mando e controle eletrônicos lhe ficaram acessíveis por meio das fábricas de alta tecnologia que os ocidentais montaram em seu território.

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

Odiar a religião: ensino básico nas escolinhas chinesas

Faixas incitam a acabar com as 'gangues criminosas', leia-se os grupos religiosos e 'eliminar o mal'.
Faixas incitam a acabar com as 'gangues criminosas',
leia-se os grupos religiosos e 'eliminar o mal'.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Os jardins de infância e escolas primárias chinesas receberam uma instrução brutal: devem educar as crianças no ateísmo desde que possam compreende-lo.

Além do mais as crianças devem ser ensinadas a se oporem a seus pais quando esses acreditem em qualquer religião.

Muitos pais denunciam o estresse psicológico no lar por medo de serem denunciados pelos próprios filhos, ou que alguém da família seja encarcerado porque frequenta uma igreja.

Bitter Winter colheu o testemunho de algumas dessas famílias.

Uma criança achou em casa um santinho e acorreu à mãe dizendo: “meu maestro diz que o cristianismo é xie jiao”.

Xie jiao” é um termo impreciso introduzido no artigo 300 do Código Penal em 1999. Literalmente significa “seita” ou “seita maligna”.

Em séculos passados foi aplicado aos grupos religiosos “que não agradavam ao governo”. O cristianismo ora incorreu nessa classificação, ora foi exonerado, dependendo do capricho do governante pagão.

Em 2017, o Supremo Tribunal, equivalente ao nosso STF, emitiu uma interpretação oficial.

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

Meta comunista: desunir a Igreja Católica para destruí-la

As violências comunistas contra os católicos foram contraproducentes. O número dos fiéis católicos não parou de aumentar.
As violências comunistas contra os católicos foram contraproducentes.
O número dos fiéis católicos não parou de aumentar.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Um sacerdote católico da província chinesa de Jiangxi, interrogado pela imprensa ocidental descreveu a nova estratégia comunista para destruir a Igreja. Ele foi reproduzido pelo site Bitter Winter.

O padre explicou que “nos primeiros anos de ditadura, o comunismo se engajou no confisco das propriedades da Igreja e numa violenta repressão do catolicismo ‘subterrâneo’ [porque se refugiou em ‘catacumbas’].

“Ele prendia os sacerdotes e religiosos chineses e expulsava pela força os missionários estrangeiros, inclusive os lazaristas que eram muito populares.

“Porém, as prisões e violências não serviram para destruir a Igreja. Pelo contrário, a perseguição impulsionou um número crescente de pessoas a acreditar em Deus”.

terça-feira, 20 de agosto de 2019

Temor de mais um 'massacre da Praça da Paz Celestial' em Hong Kong estarrece o mundo

Hong Kong geme sob as pauladas da polícia anti-distúrbios
Hong Kong geme sob as pauladas da polícia anti-distúrbios
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Desde o 9 de junho os cidadãos realizaram passeatas gigantescas pedindo o fim de um projeto que permitiria à polícia e ao exército de Pequim sequestrar qualquer dissidente em território de Hong Kong para leva-lo ao continente comunista, escreveu “Clarín”.

No fim de semana de 17 e 18 de agosto 2019, desafiando as ameaças militares de Pequim por volta de 1,7millhão de hongcongueses – segundo os organizadores – saíram às ruas para patentear seu imenso mal-estar pelo perigo que paira sobre seu território

Os hongcongueses estão certos de que as promessas da chefe do executivo da cidade Carrie Lam são insinceras.

Ela tinha usado fórmulas escorregadias para dizer que o projeto não estava sendo mais discutido.

A imensa maioria dos habitantes do território não é católica, mas esses têm a merecida reputação de serem melhor preparados nas escolas da Igreja.

Acresce que o catolicismo autêntico teve e está tendo uma atitude heroica diante da perseguição marxista. Inúmeros mártires dão testemunho disso e da incompatibilidade entre Cristo e Mao.

terça-feira, 13 de agosto de 2019

Santuários bloqueados, igrejas fechadas, imagens profanadas

A procissão do Mês de Maria não pode ser realizada em Shantou, província de Guangdong (ex-Cantão)
A procissão do Mês de Maria não pode ser realizada em Shantou,
província de Guangdong (ex-Cantão)
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Acordo entre a Santa Sé e o regime comunista chinês parece cada vez mais um pretexto para perseguir os católicos, voltou a sublinhar Bitter Winter.

No santuário de Ludezhuang na diocese de Cangzhu, província de Hebei, onde peregrinam dezenas de milhares de fiéis de todo o país no segundo domingo de maio: Na data, mais de 300 policiais armados e homens de tropas especiais levantaram barreiras de ferro nas estradas que levam ao local sagrado.

A polícia instalou instrumentos que medem o número dos fiéis e que quando atingem 10 mil, bloqueiam novos ingressos. Nos momentos mais importantes, milhares de fiéis ficaram de fora, mas ajoelharam e ficaram rezando.

Para evitar que as crianças participassem o governo ordenou que as escolas da região fossem obrigatórias nos dias da romaria.

Muitos pais de família que devem pegar os filhos nas escolas ficaram impedidos de ir à peregrinação.

Outra grande meta de romarias é o Monte Mozi, na Mongólia Interior.

terça-feira, 6 de agosto de 2019

Huawei passa suas conversas à espionagem chinesa

Relatório do Dr Christopher Balding revelou a espionagem comunista chinesa via Huawei.
Relatório do Dr Christopher Balding revelou a espionagem comunista chinesa via Huawei.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Dr. Christopher Balding conduziu uma pesquisa sobre Huawei Technologies Inc., a gigante das telecomunicações criada pelo ex-militar Ren Zhengfei.

As conclusões foram alarmantes, segundo Marco Respinti, escritor e professor no Russell Kirk Center for Cultural Renewal, de Michigan, EUA, citado por Bitter Winter.

A conclusão do trabalho do Dr. Balding é clara e direta:

“Depois de examinar um conjunto exclusivo de dados sobre a atividade da Huawei, fica claro que há uma relação inegável entre a empresa e os serviços governativos, militares e de espionagem da China.” (...)

“há evidência direta significativa de que o pessoal da Huawei age sob a orientação da espionagem chinesa com múltiplas conexões que percorrem o estado chinês.

“Isso deve preocupar governos que querem se prevenir contra a coleta de dados feita pela espionagem chinesa”.

O inquérito descobriu que os funcionários da Huawei previamente devem exercer funções militares de coleta de informações.

terça-feira, 30 de julho de 2019

O longo e glorioso martírio de católicos na China – III

Mons. Giulio Jia Zhiguo, bispo de Wuqiu, preso pela policia
Mons. Giulio Jia Zhiguo, bispo de Wuqiu, preso pela policia
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação do post anterior: O longo e glorioso martírio de católicos na China – II



Espírito sobrenatural dos católicos perseguidos

Convém ressaltar aqui o elevado espírito sobrenatural com que os biografados enfrentavam o cárcere e o possível martírio.

Citemos o testemunho do Pe. Tan Tiande sobre a sua prisão pela polícia, à porta da catedral de Cantão:

“Eu não tinha medo absolutamente.

“Pelo contrário, sentia-me honrado.

“Quando recebi o Sacramento da Confirmação, prometi que seria um bravo soldado de Cristo [...].

“Quando me tornei sacerdote, prometi outra vez oferecer minha vida por Nosso Senhor [...].

“Hoje eu recebi a graça especial do Senhor de dar testemunho do Evangelho.

“Era assim um acontecimento alegre”.

E acrescenta: “A aceitação ‘voluntária’ de minha sentença não tinha nada que ver com a questão de minha inocência.

“Eu queria unicamente imitar Jesus para preencher o que estava faltando nos sofrimentos da Igreja”. (p. 60)

terça-feira, 23 de julho de 2019

O longo e glorioso martírio de católicos na China – II

Reforma agrária foi um instrumento de luta de classes contra os patrões
Reforma agrária foi um instrumento de luta de classes contra os patrões
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Continuação do post anterior: O longo e glorioso martírio de católicos na China – I



A malfadada e radical Reforma Agrária

Como os comunistas são ateus e igualitários, procuraram subverter toda a ordem social então vigente, a fim de adaptá-la à sua ideologia.

Iniciaram então uma Reforma Agrária radical, pois para eles — como para os petistas e o MST hoje no Brasil — os proprietários rurais não passam de sanguessugas e inimigos do povo, “a escória da sociedade antiga”.

O regime instigava por todos os meios, principalmente pela luta de classes, a eliminação dessa categoria “perniciosa”.

terça-feira, 16 de julho de 2019

O longo e glorioso martírio de católicos na China – I

Funeral de Mons. Xue-Yan Fan, antigo bispo de Baoding. Seu corpo com muitos ossos quebrados, foi despejado, envolto em plástico
Funeral de Mons. Xue-Yan Fan, antigo bispo de Baoding.
Seu corpo com muitos ossos quebrados,
foi despejado, envolto em plástico
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






Em pleno século XXI, continua a cruel perseguição religiosa na China comunista de que estamos transmitindo informações que chegam no Ocidente.

Inúmeros católicos, religiosos e leigos, estão testemunho da Fé, padecendo por isso sofrimentos indizíveis, às vezes a própria morte.

Essa perseguição é o desdobramento daquela iniciada durante a “Revolução Cultural” de Mao Tsé-Tung, e hoje é continuada pelo regime de Xi Jinping com conivências inimagináveis da diplomacia vaticana.

Que os corajosos exemplos desses novos mártires fortaleçam a nossa Fé. E nos estimulem a serem como eles, resistindo e progredindo contra todas as forças do mal, humanas e infernais, postas em ação.

Hoje em dia muito se fala (e de boca cheia) a respeito da China.

Louva-se o seu formidável desenvolvimento econômico e técnico (ao menos aparente), bem como sua expansão pelo Ocidente.

terça-feira, 9 de julho de 2019

A China made in USA

Xi Jinping diz a Mourão que China e Brasil devem se ver como oportunidade (Veja, 24.5.19)
Xi Jinping diz a Mourão que China e Brasil devem se ver como oportunidade (Veja, 24.5.19).
Enquanto isso, a China estende a 'rota da Seda' para dominar até o Brasil



A recente viagem do general Hamilton Mourão à China foi precedida pela ampla divulgação do conceito — à maneira de um slogan talismânico — de que “a China é o nosso maior parceiro comercial”.

Vão na mesma linha as declarações do presidente chinês Xi Jinping:

“Os dois lados devem continuar discutindo com firmeza as oportunidades e os parceiros um do outro para o seu próprio desenvolvimento, respeitando-se, confiando um no outro, apoiando-se mutuamente e construindo as relações China-Brasil como modelo de solidariedade e cooperação entre os países em desenvolvimento”, escreveu “Veja”.

Tais afirmações dão ensejo a que se esclareça um aspecto do problema, sobre o qual as novas gerações geralmente não estão informadas.

A mídia gosta de apresentar a China como segunda potência mundial, dando a entender que sua industrialização e seu crescimento têm como causa, propulsão e continuidade a aplicação dos princípios comunistas.

Nada mais falso e contrário à realidade histórica, pois os verdadeiros motores da industrialização chinesa foram o capitalismo ocidental e a aproximação com o Japão (em 1972).

terça-feira, 2 de julho de 2019

“Rota da Seda” e nova ordem global
sob chefia chinesa

Agência putinista Sputnik anunciou com agrado a inclusão do Peru
Agência putinista Sputnik anunciou com agrado a inclusão do Peru
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Pode uma via poética mas riquíssima do passado se transformar numa espécie de superautoestrada para consolidar a hegemonia totalitária de Pequim?

Na aparência são coisas incompatíveis. Entretendo, a cúpula marxista chinesa pensa diferente.

O plano tem um nome antigo e poético, mas pode enfiar sua faca até a costa atlântica brasileira.

O belo nome antigo é “Rota da Seda” constituiu durante milênios uma série de percursos interligados através da Ásia. Por ela circulava o comércio da seda e outras preciosidades entre o Oriente e a Europa.

Caravanas de toda espécie e tamanho ou até embarcações oceânicas, quando navegavam pelo Pacífico e pelo Índico, ligavam comercialmente o Extremo Oriente e a Europa.

terça-feira, 25 de junho de 2019

Comunismo reforma a Bíblia
que fica parecendo Teologia da Libertação

Igreja católica 'clandestina' antes de ser fechada pelo comunismo em Shijijiayuan
Igreja católica 'clandestina' antes de ser fechada pelo comunismo em Shijijiayuan
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Partido Comunista Chinês – PCC prossegue a toque de caixa a campanha para erradicar qualquer religião e, mais especialmente, a católica.

Uma das suas últimas medidas para matar o catolicismo, paradoxalmente, trouxe uma lição para nós.

Em 21 de maio 2019, dois concílios convocados pelo governo na província oriental de Shandong ordenaram ao clero cristão incluir a ideologia socialista nos sermões, noticiou “Infocatólica” com matéria de “Bitter Winter”.

Trata-se de um Plano de Implementação que exige quatro requisitos religiosos a serem obedecidos em toda parte.

Pelo primeiro deles, o clero é forçado a reforçar nos crentes a convicção ideológica socialista nas atividades religiosas comunitárias e na vida diária para que a ideologia acabe entrando nas mentes das pessoas.

terça-feira, 18 de junho de 2019

Dois milhões em Hong Kong contra sequestro “legal” de opositores

Angústia em Hong Kong o sistema ditatorial comunista parece próximo
Angústia em Hong Kong o sistema ditatorial comunista parece próximo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Por volta de dois milhões de cidadãos de Hong Kong saíram às ruas vestidos de preto no domingo 16 contra o projeto de lei que autoriza extradições para a China continental, segundo noticiou a “Folha de S.Paulo” e a imprensa nacional e internacional.

A populosa e rica cidade de Hong Kong vive um lento, mas incoercível processo de transição político-econômica. Todos os poderes que outrora estavam nas mãos do Reino Unido estão sendo transferidos a Pequim.

Um acordo de 1984 transferiu a soberania a Pequim em 1º de julho de 1997, mas com a condição que a cidade seria uma Região Administrativa Especial com a fórmula “um país, dois sistemas” com liberdade de imprensa.

Sob o amparo dessa fórmula ambígua, o regime comunista ousa cada vez mais violando as liberdades que ficam na cidade. Entre múltiplos delitos internacionais praticou o sequestro de oposicionistas que foram recluídos em cárceres marxistas no continente.

No momento atual, Carrie Lam, governadora de Hong Kong, promove um projeto que autoriza extradições para a China continental.

terça-feira, 11 de junho de 2019

Comunismo chinês teme
até os mártires enterrados

Policiais uniformizados bloqueiam quem entra na aldeia para venerar o túmulo do bispo mártir
Uniformizados bloqueiam quem entra na aldeia para venerar o túmulo do bispo mártir
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs









Quando no último dia 13 de abril (2019) os fiéis foram visitar o túmulo de Mons. Pedro José Fan Xueyan (1907-1992), ex-cardeal da diocese de Baoding, província de Hebei, se depararam com um obstáculo que para nós é inacreditável.

Mas não assim para eles. É policialesco e agressivo, mas é frequente no socialismo.

Este ano, duas viaturas de polícia com telecâmeras de vigilância e espionagem instaladas no teto, bloqueavam a estrada, informou Bitter Winter.

Os policiais interrogavam os transeuntes que iam para a cidade: “se vais procurar vossos parentes podeis passar. Mas se vais a visitar o túmulo, então não podeis”.

Segundo um dos fieis do local, também havia agentes do governo uniformizados fazendo guarda em volta da pobre sepultura do bispo.

Mais um posto de controle e bloqueio foi montado na entrada da aldeia de Xiaowangting onde morou o falecido sucessor dos Apóstolos.

Por volta de 20 policiais com uniformes camuflados garantiam a vigilância em postos de controle ostensivo, analisando cada pedestre que passava.

Um fiel contou que muitos não ousam se aproximar da sepultura de medo das represálias dos agentes do Partido Comunista. Nesse caso, lembram a memória de Mons. Fan com cerimônias no interior de suas casas.

terça-feira, 4 de junho de 2019

Arrancam estátuas de mártires para que chineses não imitem seu exemplo

Estátuas dos santos mártires Wu, removidas por injunção marxista. Foto Bitter Winter.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







As imagens e monumentos erigidos para comemorar os 120 Mártires chineses são objetivo da sanha marxista na província de Hebei, China, escreveu “Infocatólica”. 

Segundo as denúncias provenientes do continente e veiculadas pelo site Bitter Winter, o regime comunista está demolindo e retirando sistematicamente as estátuas desses mártires modelos de fidelidade a Cristo numa era de perseguição.

Tudo começou em Dongxihetou, diocese de Hengshui, em outubro de 2018. Os fiéis que contribuíram para elaborar as estátuas foram intimidados com o espectro dos cárceres socialistas.

As estátuas comemoravam a São Paulo Wu Anju (1838-1900), São João Baptista Wu Mantang (1883-1900) e São Paulo Wu Wanshu (1884-1900).

O Papa Pio XII proclamou mártires aos três em 17 de abril de 1955 que, aliás eram da mesma família. Por fim, foram canonizados no dia 1° de outubro de 2000.

A violência faz parte de uma generalizada campanha de demolições de símbolos religiosos. Essa visa não somente os católicos ditos clandestinos fiéis a Roma, mas até as imagens da Associação Patriótica Católica (órgão governamental para controlar a Igreja).

O inimigo único são Nosso Senhor, Nossa Senhora, os Santos e todo bem feito pela Igreja Católica.

terça-feira, 21 de maio de 2019

No Calvário carcerário
porque acreditam em Jesus Cristo

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








“É o inferno na terra!” assim um cristão descreveu o tempo de “reeducação pelo trabalho” passado num campo de concentração, parte da galáxia carcerária, ou “laogai”, criada pelo socialismo chinês em 1957.

Nesses campos, o regime reclui dissidentes, fiéis de religiões proibidas como o catolicismo fiel a Roma e os “contrarrevolucionários”, reais ou imaginários.

Oficialmente foram abolidos em 2013 para ocidental ver. Mas, na prática estão sendo multiplicados do atual ditador Xi Jinping, em parte para se beneficiar com o produto da “mão de obra escrava” assim recrutada.

Produto que depois é vendido no mundo com preços abaixo de qualquer concorrência.

Bitter Winter entrevistou a alguns ex-presos que relataram a dolorosa experiência do atual sistema.

A situação dos religiosos é pior que a dos demais presos. Para o Partido Comunista Chinês – PCC, o “crime” de acreditar em Cristo é mais grave que roubar, assaltar, incendiar ou assassinar.

As quotas de trabalho diário são enormes, como produzir 3.000 acendedores de cigarros, 1.000 peças de roupa interior, ou 4.000 caixas de fósforos.

Os gerentes de produção aumentam a carga de trabalho segundo os interesses do momento por vezes até os prisioneiros perderem a pele dos dedos, e independentemente da idade ou forças físicas.

terça-feira, 14 de maio de 2019

Mais relatos emocionantes dos católicos perseguidos sob o acordo Pequim-Vaticano

O povo fiel está vendo a onda de destruição anticristã e os policiais alegando que é em acordo com o Papa
O povo fiel está vendo a onda de destruição anticristã
e os policiais alegando que é em acordo com o Papa
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Transcorridos apenas quatro meses do acordo provisório assinado pelo Vaticano para supostamente suavizar as tensões, o Partido Comunista Chinês – PCC está multiplicando as supressões de igrejas católicas e a perseguição aos fiéis ditos “clandestinos” porque não são obedientes ao comunismo, escreveu o bem informado site Bitter Winter.

O ministro das Relações Exteriores anuncia que Xi Jinping e o Papa Francisco avançam no processo de melhoramento das relações recíprocas. Mas, no interior da China, o PCC está fazendo exatamente o oposto.

Em dezembro (2018), policiais de Taining, na província de Fujian, devassaram uma igreja e prenderam o sacerdote e as religiosas.

A polícia entrou ilegalmente no prédio intimidando as freiras caso não encontrassem o sacerdote. Os fiéis foram humilhados.

Em outubro (2016) a igreja católica de Gucheng, na província de Hebei, foi fechada acusada de ser um “local de encontro sem licença”.