Pesadelo chinês

O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

quarta-feira, 1 de dezembro de 2021

Conclave secreto do PCCh reescreveu a História para voltar ao comunismo radical

Xi Jinping proclama retorno ao 'comunismo raiz' de Mao. Fonte Xinhua
Xi Jinping proclama retorno ao 'comunismo raiz' de Mao. Fonte: Xinhua
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Em novembro, a reunião anual secreta da mais alta cúpula do Partido Comunista Chinês (PCCh) redefiniu a História de acordo com as interpretações do ditador Xi Jinping, informou Yahoo! Actualités.

Ele está no poder onipotente há nove anos e aspira a se reeleger indefinidamente, como já o fez seu comparsa Vladimir Putin na Rússia.

Porém, agindo assim poderia ultrapassar os anos de governo do fundador do regime comunista, o como que divinizado Mao Tsé-Tung, no poder de 1949 a 1976.

A opção então foi reescrever a História dos cem anos do PCCh, em favor de Xi.

O Comitê Central do PCCh, de costume, ocorre a portas fechadas, longe da mídia estrangeira, e aprovou uma resolução sobre a história do Partido, mudando-a para satisfazer o ditador.

Xi Jinping “explicou” que visa “prolongar a sua presença à frente do partido”, segundo interpretou a chinesice divulgada pela agência oficial Nova China Alice Ekman, analista responsável pela Ásia do Instituto de Estudos para a Segurança da União Europeia (EUISS).

Xi Jinping decidiu “limpar os momentos da história de que não gosta” e alegou a premente necessidade de evitar uma queda como a do regime comunista na extinta União Soviética.

Esse perigo proviria dos “excessos das reformas econômicas lançadas no final da década de 1970”.

Ou seja as concessões feitas ao capitalismo e à propriedade privada após os acordos do “deus” do comunismo Mao Tsé-tung com o presidente americano Richard Nixon.

Assim interpretou a chinesice, o sinologista Chris Johnson, do Center for Strategic International Studies, um think tank de Washington.

Em 1981, o PCCh adotou decisão extraordinária análoga para que Deng Xiaoping pudesse lançar as reformas de conteúdo capitalista, que fizeram da China a segunda maior potência econômica do mundo, marginando a ortodoxia marxista furiosa imperante.

Deng virou a página – aliás, parcialmente – dos excessos monstruosos da industrialização forçada do “Grande Salto para a Frente” e do caos social da “Revolução Cultural”.

Comite Central do PCCh eleva Xi Jinping ao nível de Mao Tsé Tung
Comitê Central do PCCh eleva Xi Jinping ao nível de Mao Tsé Tung
Agora Xi Jinping inverteu o movimento e como apontou o especialista Chris Johnson “fez com Deng o que Deng fez com Mao”, em outras palavras, suprimiu a franja de liberdade econômica para retornar ao “comunismo raiz” de Mao.

Para uma mudança tão grande, Xi Jinping fez elevar seu pensamento ao do “divino” Mao Tsé Tung e mandou inclui-lo na Constituição.

A decisão se encaixa na derrubada do setor privado posta em marcha nos últimos meses, e dos quais a queda da incorporadora Evergrande é só um fato premonitório do retorno à miséria igualitária maoísta.

“O processo de liberalização iniciado pelos líderes anteriores é fundamentalmente questionado”, observou Alice Ekman, autora de “Bright Red, the Communist Ideal Chinese”.

A mídia chinesa, que só ecoa o que o PCCh manda, vive elogiando a política de “zero Covid” ordenada pelas autoridades.

Essa desencadeou uma campanha de furor policial implacável contra os proprietários, vedando as portas dos apartamentos ou ruas inteiras com grandes prédios de moradia.

Vídeos divulgados pelas redes sociais chinesas que chegaram a Ocidente registram o apavorador espetáculo dos moradores gritando de janelas e sacadas que estão morrendo de fome porque a polícia impede ir aos mercados para comprar o básico.

“O tempo mostrou que essa abordagem rígida é a única opção viável”, tentou justificar a agência oficial de notícias Xinhua.

Para a propaganda oficial, Xi é “um homem de pensamento e sentimentos profundos, que herdou uma história e tem uma visão para o futuro pela qual está determinado a trabalhar incansavelmente”.

Leia-se acabar com todas as desigualdades sociais tidas como fruto execrável do período agora encerrado de concessões à ocidentalização.

E o retorno ao comunismo implacável de Mao Tsé-tung.


quarta-feira, 24 de novembro de 2021

Mons. Estevão Yang morre fiel aos 99 anos

Mons Yang Xiangtai.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O bispo emérito de Handan Mons. Estevão Yang Xiangtai, faleceu com 99 anos, informou a agência “AsiaNews”.

Mons. Estevão nasceu em 3 de janeiro de 1923 na cidade de Gaocun, em uma família católica que o batizou imediatamente após seu nascimento. 
 
Ele foi ordenado sacerdote pelo arcebispo local, Dom Gaetano Pollio, missionário do Pontifício Instituto para as Missões Estrangeiras (PIME).

Foi preso sucessivamente pelos revolucionários comunistas, até que em julho de 1966, durante a Revolução Cultural, não foi mais liberado e só foi julgado em outubro de 1970.

Acabou condenado a 15 anos de “reeducação” em campos de trabalho forçado prolongando numa fábrica de tijolos e, finalmente, numa fábrica de sal.

Honras fúnebres a Mons Yang Xiangtai
Honras fúnebres a Mons Yang Xiangtai
Em 15 de março de 1980 foi absolvido de todas as acusações e em 30 de novembro de 1996, foi sagrado bispo.

Em 2011, sagrou em segredo o bispo Joseph Sun Jigen para evitar que a cerimônia fosse presidida por um bispo ilegítimo.

Dom Yang nunca se submeteu ao cismático “patriotismo” das autoridades religiosas ligadas ao Partido Comunista Chinês.

Em 2015 ele apoiou os corajosos protestos do clero de Wenzhou contra a demolição de cruzes na província de Zhejiang. Cfr.: Coragem do clero de Wenzhou empolga católicos e não-católicos


Funeral de Mons. Estevão Yang Xiangtai







terça-feira, 16 de novembro de 2021

Fábricas paradas, racionamento alimentar, blackouts: crise económica planetária vem da China

Onda de blecautes paraliza pequena indústria chinesa
Onda de blecautes paralisa pequena indústria chinesa
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Pequenas empresas chinesas estão recorrendo a geradores de energia a diesel e temem que a insuficiência de carvão interrompa a geração de energia no inverno que se aproxima no hemisfério norte.

Pequim corre para disponibilizar mais carvão a três províncias: Liaoning, Heilongjiang e Jilin, que abrigam mais de 110 milhões de habitantes num clima muito oscilante com duros invernos.

Gao Lai, que administra uma lavanderia industrial em Shenyang, capital de Liaoning, ligou um gerador que consome diesel, mas diz: “Só podemos pagar por quatro dias, mas está informado que durará mais tempo, os custos são excessivos, não podemos sobreviver”, divulgou Reuters.

A escassez de carvão destinado às termoelétricas que produzem cerca de dois terços da energia na China fez que as cotações na Bolsa de Commodities de Zhengzhou atinjam altas históricas e os dados oficiais apontam uma contração da atividade industrial.

Numa semana só mais de 100 empresas, desde fabricantes de componentes eletrônicos a garimpeiros notificaram a suspensão da produção por períodos. 1.400 empresas estrangeiras estariam planejando sua emigração.

Governo raciona energia e China estertora
Governo raciona energia e China estertora
A Associação Chinesa do Setor Carvoeiro avisou que “não é otimista” e pediu às empresas concentrarem os fornecimentos nos pequenos consumidores de alta energia, mais sensíveis à falência.

Também os acidentes nas minas, aliás frequentes no país, prejudicam o cálculo real da produção do carvão.

Esse arrocho energético não só está desacelerando a economia chinesa, mas afeta as cadeias de abastecimento globais.

Ele já interrompeu a produção em várias fabricas de grande porte, incluindo fornecedoras da Tesla e da Apple. Lojas do nordeste do país operam a luz de velas e o racionamento foi implementado nos horários de pico, noticiou BPMoney.

Como o país exporta uma larga gama de produtos em quantidades enormes a todo o planeta a redução da produção pode atrasar as exportações e afetar todo o comércio global, inclusive as montadoras de carros no Brasil.

Analistas revisam à baixa o cálculo do Produto Interno Bruto (PIB) chinês. Para o Morgan Stanley cortes prolongados podem reduzir um ponto percentual do PIB.

O Nomura, segundo Investing, cortou as projeções de avanço para o 4,7% e 3% no terceiro e quarto trimestre.

O Ministério do Comércio pediu estocar produtos essenciais para casos de emergência, sem fornecer um motivo específico, informou entre outros “La Nación”.

A chamada aconteceu em meio a lockdowns atribuídos a surtos de coronavírus e chuvas pesadas que prejudicaram as safras e produziram carência de vegetais.

Crise energética, industrial e financeira chinesa ameaça o sistema global
Crise energética, industrial e financeira chinesa ameaça o sistema global
O ministério pediu às autoridades locais vigiar o abastecimento e os preços estáveis. Tendo experimentado as enganações do governo socialista as pessoas saíram comprando em pânico.

“Assim que a notícia foi divulgada, todos os idosos enlouqueceram, fazendo compras em pânico no supermercado”, escreveu um usuário do Weibo, que substitui Twitter fechado ditatorialmente.

O “Economic Daily”, jornal do Partido Comunista Chinês, quis tranquilizar dizendo que medida visa garantir as casas num bloqueio de sua área.

Os preços dos vegetais dispararam e restrições de uma rigidez de campo de concentração se abateram sobre as cidades supostamente para lidar com o coronavírus.

A China quer o impossível de atingir zero infecções nas Olimpíadas de Inverno, que começam em fevereiro de 2022.

A Disneylândia de Xangai foi fechada por pelo menos dois dias depois que um turista testou positivo de Covid-19 depois de voltar para casa.


quarta-feira, 10 de novembro de 2021

Pequim corta as asas dos empresários. Amanhã o pescoço?

Xi pune a acumulação de capitais e quer voltar ao comunismo de Mao
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







O processo de fechamento das empresas chinesas de tecnologia faz parte de um plano concebido pelo ditador Xi Jinping que vai longe, insistem os observadores.

Ele quer ampliar o controle do Estado para aplainar as desigualdades sociais e a influência estrangeira, especialmente dos EUA. Dessa maneira, o período de expansão econômica parece estar acabando, explicou “The New York Times”.

Os executivos não têm mais luz verde para progredir e os governantes marxistas decidirão na reunião secreta do PCCh em andamento quais setores crescerão e de que forma.

As medidas de Xi marcam o fim da “era de ouro” da empresa privada que transformou a China numa potência manufatureira e financeira.

Os especialistas acham que o país entrou numa fase ruim de autoritarismo econômico, e temem os efeitos sobre o mundo caso prossiga o abalo do gigante industrial e financeiro marxista.

O grupo econômico Evergrande é um paradigma: tem uma mastodôntica dívida e o governo não dá sinais de se preocupar com seu um resgate.

O Banco Central declarou ilegais todas as transações de criptomoedas.

Jack Ma já foi o homem mais rico. Agora foge da forca
Jack Ma já foi o homem mais rico. Agora foge da forca
Foram presos dois altos executivos do Grupo HNA, endividado conglomerado de logística. O presidente do Grupo Kweichow Moutai foi condenado à prisão perpétua por aceitar suborno, prática comum no sistema.

Na China World Internet Conference, um funcionário observou que progredirão as limitações aos gigantes da Internet e outras restrições da “acumulação descontrolada de capital”.

Essa Conferencia outrora foi uma vitrine do poder empreendedor da China, mas neste ano foi um palco de demonstrações de lealdade aos esforços do ditador para distribuir riqueza. Yahoo e Linkedin já saíram do país e 1.400 empresas ocidentais estão cogitando fazer o mesmo.

Analistas argumentam que Pequim há muito tempo deveria ter corrigido as plataformas de internet, mas hoje só pensa em prejudicar a competitividade e favorecer o setor estatal ineficiente e monopolista.

Natasha Kassam, diretora do Lowy Institute, um think tank australiano, diz que Xi, nove anos atrás, conteve a corrupção galopante no PCCh concentrando o poder com punho de ferro.

“Ninguém sabia quem seria o próximo alvo”, disse Kassam. “Agora um medo semelhante percorre o setor privado”.

As vítimas de alto perfil se acham vítimas de uma carnificina econômica. Em oito meses o valor de mercado das grandes empresas chinesas de tecnologia caiu mais de US $ 1 trilhão.

Isso não acontece na paz. O governo instrui as autoridades locais para que fiquem atentas ao crescente mau humor social e aos protestos contra o conturbado setor imobiliário.

Presidente George Bush (pai) eufórico com a abertura da China. Agora a 'era de ouro' acabou e vai para pio
Presidente George Bush (pai) eufórico com a abertura da China.
Agora a 'era de ouro' acabou e vai para pio
De acordo com Dinny McMahon, analista da Trivium, consultoria especializada no mercado chinês, “os executivos não procuram mais escapar impunes, e só pensam em cumprir o que Pequim deseja”.

Se Evergrande falir, 1,6 milhão de compradores de imóveis à espera de apartamentos inacabados e centenas de pequenos negócios, credores e bancos perderão seu dinheiro, dentro e fora da China.

Xi já escolheu o culpado: ele apontará contra o capitalismo privado.

Na China se fala de uma nova Revolução Cultural mas desta vez contra os empresários privados, como a que matou dezenas de milhares de proprietários e intelectuais no tempo de Mao Tsé Tung.

Quando a filha do dono de Huawei Meng Wanzhou, voltou da detenção no Canada, o PCCh fez propaganda de um triunfo diplomático, mas era só para enganar o exterior.

De fato, dentro do país ela é apontada como a imagem do odiado sistema de privilégios no PCCh que criou acumulação de dinheiro em poucas mãos e uma sociedade desigual.

Meng usava grifes de luxo e passou sua prisão uma mansão em Vancouver.

Huawei é um instrumento favorito do expansionismo comunista chinês. Mas a família proprietária e “laranja” do PCCh e não se sabe quanto durará.

Em pouco tempo poderemos estar assistindo a uma degradação de status como a padecida pelo do multibilionário Jack Ma fundador de Alibaba.


quarta-feira, 3 de novembro de 2021

China declara “ciberguerra”
para desarticular a mente dos internautas

A ciberguerra deixou de ser ficção e invadiu a vida diária.
A ciberguerra deixou de ser ficção e invadiu a vida diária.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs






O Exército Popular de Libertação da China comunista tornou público que entraria na “guerra digital”, registrou a revista Atlantico.

O pretexto alegado foi que “forças hostis do Ocidente e uma minoria de traidores ideológicos” apontados com o dedo são “inimigos” que usam a Internet para atacar o Partido Comunista Chinês.

Para tentar compreender esta “declaração de guerra” com argumentos tão confusos, a revista entrevistou o Prof. Emmanuel Lincot, do Institut Catholique de Paris, especialista em história política e cultural da China contemporânea.

Na verdade, a projetada guerra do Exército chinês através dos canais da Internet é bem conhecida. Sua fabulosa “Muralha de Fogo” virtual já censura, hostiliza e sabota as informações na rede mundial, com especial foco nas comunicações chinesas.

A publicação militar veio apenas reconhecer o fato. Mas, por que fazê-lo agora?

Segundo o especialista Emmanuel Lincot, o uso da ciberguerra é pregado abertamente pelos estrategistas maoístas desde a Guerra do Golfo. Especialmente no livro A guerra fora dos limites, de Qiao Liang e Wang Xiangsui (La guerre hors limites, Paris, Rivages, 2003).

O objetivo sempre foi desmantelar a vantagem dos EUA nesses meios de comunicação e implantar a hegemonia ideológica maoísta.

Do outro lado na aparência há mais um usuário. Na realidade há um militar visando conquistar a mente da vítima.
Do outro lado na aparência há mais um usuário.
Na realidade há um militar visando conquistar a mente da vítima.
A iniciativa chinesa transforma um terreno cultural de livre troca de informações e ideias num campo de guerra “híbrida”, onde recorre à sedução psicológica e ao assédio subreptício e deletério dos usuários.

A China entende que a rede planetária permite que um participante se transforme em beligerante e então emprega sorrateiramente meios de sugestão nunca antes imaginados.

Para a China, a ciberguerra tem objetivos muito concretos: controlar as informações, sobretudo as que podem acessar seus súditos, confundir os adversários, e garantir interesses vitais de domínio mental e controle policial dos dissidentes nas áreas controladas pelo regime.

A China e os EUA tiveram encontros periódicos para controlar a cibersegurança. Mas nada disso interessa à China.

Está na natureza profunda de um regime autoritário julgar-se eximido de qualquer limitação para consolidar sua ditadura.

O anúncio da ciberguerra chinesa aconteceu num momento em que o regime dá extraordinários sinais de debilidade, empreende expurgos maciços nas fileiras do Partido e acentua as perseguições contra os cristãos identificados como dissidentes.

O próprio Exército Popular corre o risco de ser expurgado internamente, de onde a denúncia de “traidores ideológicos” que estariam minando o regime.

Segundo Lincot, uma cortina de ferro numérica já desceu sobre a China. Baidu e Huawei são dois grandes grupos informáticos dependentes de Pequim que baniram o Google e outros gigantes ocidentais.

A conquista das mentes pela ideologia niveladora e iguálitaria.
A conquista das mentes pela ideologia niveladora e iguálitaria.
Os efeitos políticos foram imediatos. A censura fez da Revolução dos pára-sóis no Taiwan e dos guarda-chuvas em Hong Kong, duas desconhecidas no continente vermelho.

Um gigantesco dispositivo de peneiragem da informação funciona de uma ponta a outra da China. O Estado-Partido vive obcecado por fantasmas após a queda da URSS.

O enrijecimento chinês na esfera virtual pode ter consequências nefastas na economia mundial.

Hoje há 2 bilhões de internautas, 5 bilhões de celulares e 5 trilhões de dólares em propriedade intelectual. Se isso passar a ser alvo de uma sabotagem com intenções ideológicas, o estrago será incontável.

Roger Faligot calculou que o Exército vermelho formou 40.000 especialistas na manipulação das ciberarmas.

Os ataques podem partir de simples computadores com programas especiais, enlouquecer mercados, empresas, exércitos, redes sociais, sabotando ou divulgando informações desestabilizadoras.

Em outubro 2014, segundo a empresa de segurança Novetta, corroborada pela FBI, o programa chinês Axiom havia atingido 43.000 computadores em seis anos.

Nessa fase, o programa visou o furto de informações para conseguir cumprir o plano quinquenal em matéria de meio-ambiente, energia e defesa. O programa continua sob Xi Jinping, que pensa em reforçá-lo no campo cultural.

A China visa prioritariamente instalar “desinformações úteis” à sua imagem em Universidades, mídia, indústrias da imagem e da música.

Esse estratagema pode revelar-se mais insidioso do que a própria ameaça terrorista brutal e primitiva. A Europa deveria tomar medidas rápidas e eficazes, sobretudo em matéria de inteligência econômica, diz Lincot.

Precisamos proteger absoluta e urgentemente nossas universidades, nossa indústria cultural, porém não fazemos isso, deplora o especialista.

Mais de 40.000 homens trabalham para modelar a Internet segundo Pequim.
Mais de 40.000 homens trabalham para modelar a Internet segundo Pequim.
A China não visa  restringir a Internet para os seus cidadãos. Pelo contrário, trabalha para difundi-la até nas mais remotas províncias. O que ela quer é manipular as informações que essa rede passa, a fim de modelar e controlar as mentes e para isso é necessário que todos tenham conexão e depositem seus dados na rede.

Os dirigentes do Partido Comunista Chinês chamam isso de “garantir a coesão nacional”: que todos pensem como o Big Brother de Pequim quer que pense.

O socialismo chinês aspiraria obter assim o que Mao não conseguiu chacinando cem milhões de intelectuais e proprietários: que desapareçam as desigualdades naturais pela extinção dos pensamentos desiguais.

Para o comunismo maoísta igualitário isso é uma “guerra” decisiva, que corresponde à lógica e ao vocabulário marxista-leninista, mas que não deve ficar clara para suas vítimas atuais ou potenciais.

E isso não é um objetivo só para atingir o interior da China; é para o mundo inteiro.

No Ocidente eles aguardam muito da pregação contra as desigualdades e contra a pobreza.

Especialmente quando esse trabalho ideológico não é feito em nome do comunismo explícito, mas da religião, da teologia ou dos direitos humanos.


quarta-feira, 27 de outubro de 2021

“Segunda Revolução Cultural”: Xi quer degola dos estudantes que não são bem comunistas

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Xi Jinping se mostrou profundamente preocupado a seus próximos após ler um relatório sobre a saúde ideológica das universidades chinesas apresentado pela Comissão Central de Inspeção Disciplinar do PCCh, no mês de setembro 2021.

Qualquer estudante chinês de graduação poderia ter contado a ele o que a Comissão descobriu após inspecionar 31 faculdades e universidades em toda a China, observou “Bitter Winter”.

E isso se resume em poucas, mas incisivas palavras: os alunos não se importam com os cursos obrigatórios sobre marxismo ou sobre o pensamento de Xi Jinping.

Eles os consideram um mal necessário e tentam não perder muito tempo com ideologia, concentrando-se em cursos sobre medicina, administração ou qualquer outra coisa que os ajudará após a faculdade na luta por um emprego.

Ninguém ousaria pular ou criticar os cursos ideológicos. Mas tirar uma soneca durante eles nunca foi realmente proibido e é muito praticado.

Estamos tratando desta tendência há alguns anos em nosso blog. Confira:

Universitários chineses estão fartos das aulas obrigatórias de marxismo

Regime tenta reanimar jovens desinteressados pelo socialismo

Chineses renunciam cada vez mais ao Partido Comunista

Chineses renunciam cada vez mais ao Partido Comunista
Chineses renunciam cada vez mais ao Partido Comunista
O relatório qualifica essa defecção de “fortalecimento inadequado da construção política”, e reconhece que “a educação ideológica e política é relativamente fraca”.

Recomenda que os alunos “estudem e implementem os pensamentos de Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas na nova era”.

Porém deplora que os estudantes não o fazem, ou não com entusiasmo suficiente.

A raiz desse problema, afirma o relatório, estaria numa “teoria do status especial das universidades” heterodoxa.

Essa, diz, adota conceitos burgueses de liberdade acadêmica e acredita que a academia é uma zona livre onde a prioridade do marxismo e do pensamento de Xi Jinping pode não se aplicar.

Professores e administradores universitários também seriam responsáveis por este estado de coisas, lamentável para o socialismo, e já teriam sido identificados e denunciados para punição adequada.

Universitários adotam costumes "capitalistas"
Universitários adotam costumes "capitalistas"
É o que os setores mais educados chamam de “Segunda Revolução Cultural”. Na primeira Mao mandou exterminar homens cultos e proprietários para nivelar a mente e a educação de todos.

Também as universidades serão “retificadas” para que em todas as escolas a história do PCCh, do marxismo e do pensamento de Xi Jinping sejam considerados cursos principais, e não marginais.

Depois do mundo das empresas e dos negócios; da galáxia dos videojogos e do entretenimento e da liberdade da Internet, agora chegou a vez das universidades serem “retificadas” num preço que pode significar a degola moral e física de incontáveis pessoas mais instruídas.



quarta-feira, 20 de outubro de 2021

Retorno da China ao “comunismo original”

A entrega de capitais e tecnologia por Nixon a Mao fez o gigantismo da China
A entrega de capitais e tecnologia por Nixon a Mao fez o gigantismo da China
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







A histórica visita nos dias 21 a 28 de fevereiro de 1972 do presidente americano Richard Nixon abriu as comportas das riquezas e tecnologias ocidentais para o agigantamento atual da China.

Como foi explicada aos marxistas chineses essa abertura ao odiado capitalismo americano?

Disso se encarregaria o divinizado pai do comunismo chinês Mao Tsé Tung. Mao sempre fixou como objetivo posicionar a China como potência mundial dominante.

Mas todas as tentativas marxistas fracassaram clamorosamente fazendo por volta de 80-100 milhões de mortes, segundo os autores.

Mao então pregou que para atingir o objetivo seria necessário enriquecer o país que se debatia na pior das misérias. Ele foi obedecido e aplaudiu a chegada de Nixon.

Há quatro décadas, Deng Xiaoping, um dos sucessores de Mao acrescentou que, na corrida rumo ao objetivo, a China comunista “deixaria que algumas pessoas se enriquecessem saindo na dianteira”.

Líderes ocidentais prolongaram a entrega de Nixon a uma China que fingia se converter ao capitalismo privado
Líderes ocidentais prolongaram a entrega de Nixon
a uma China que fingia se converter ao capitalismo privado
Os investidores ocidentais ficaram encantados com essa conversão do gigante asiático ao capitalismo, embora incompleta.

E assim aconteceu. A China ficou a grande fábrica do mundo e a segunda maior economia planetária.

Mas, agora, o continuador da manobra ideada por Mao, o ditador Xi Jinping veio alertar que a tolerância da ditadura à propriedade – ou aparência de tal – passou, segundo mostrou extensa reportagem do “The New York Times”.

Xi fez saber que chegou a hora para os magnatas enriquecidos pela manobra comunista. Agora eles terão que abrir mão de suas riquezas e compartilhá-las igualitariamente com o resto do país.

Xi indicou que o Partido Comunista pressionará empresas e empresários a sacrificarem seus bens para fazer “uma China poderosa e justa”, que no léxico marxista significa igualitária.

“A China é um dos piores países em termos de redistribuição, apesar de ser um país socialista” deplora Xi, enquanto lança uma enorme e constante ofensiva contra as grandes empresas e proprietários, sejam autênticos ou não.

É a campanha da “prosperidade compartilhada” que consiste numa série de medidas duras contra os gigantes da economia, da educação e da tecnologia.

Policiais protegem a falida construtora Evergrande dos populares que pedem de volta suas poupanças
Policiais protegem a falida construtora Evergrande
dos populares que pedem de volta suas poupanças
Para alguns é a “Segunda Revolução Cultural” análoga ao desapiedado extermínio de proprietários e intelectuais disposto por Mao Tsé Tung.

Alguns dos maiores ricaços chineses prometeram doar seus bilhões de dólares para instituições de caridade com tal de fugir do látego que está se abaixando sobre eles.

Até o riquisíssimo Jack Ma o fez. Mas não lhe adiantou de nada e conheceu a prisão.

Xi deu um basta à propriedade para retornar ao ‘antigo ideal de compartilhamento de riqueza do Partido Comunista’, leia-se a miséria igualitária.

Para Xi, a autoridade do Partido Comunista está em jogo.

A paralisia trazida pela pandemia foi o momento esperado.

Faltam bons salários, multiplicam-se as reclamações pelas longas e exaustivas horas de trabalho. As famílias legalmente podem ter mais filhos, mas não os querem pois não têm como educa-los. A crise demográfica está ameaçadora.

Retorno ao comunismo real é um perigo para Xi
Retorno ao comunismo real é um perigo para Xi
Xi enfrenta pouca oposição, ai de quem se opor! Mas também ai! se as queixas se acumularem.

“Não podemos permitir que apareça um abismo intransponível entre ricos e pobres”, repete Xi como que ecoando a pregação marxista ou da teologia da libertação ocidental e pós-conciliar.

O Partido Comunista promete ao povo maior poder de compra e mais impostos para os ricos.

Mas os ricos são membros da elite que está no poder e a maioria dos chineses que pode poupar algo, o fez – e, furiosamente – para comprar uma casa como principal propriedade.

Agora ficaram sabendo que não há propriedade que valha.

O Partido Comunista não houve as indignações e promete que “esta transformação limpará toda a poeira e os mercados de capitais não serão mais um covil para os capitalistas fazerem fortunas da noite para o dia”, como ecoava a Xinhua, principal agência de notícias.

Xi quer voltar à “prosperidade compartilhada” de Mao
Xi quer voltar à “prosperidade compartilhada” de Mao
O slogan “prosperidade compartilhada” que hoje ecoa por todo lado foi cunhado por Mao Tsé Tung na década de 1950 no início da coletivização socialista que culminou no desastroso “Grande Salto em Frente” para o Comunismo.

Xi voltou a ele prometendo “progressos substanciais” para alcançar a “prosperidade compartilhada” até 2035.

O fato é que, na hora do aperto estatista, muitas empresas gigantes se estão revelando compostas por imensas bolhas financeiras de sabão.

Então, os investidores ocidentais começaram a não querer fechar os olhos para o colosso composto de tanta mentira e tanta ideologia niveladora comandada por uma discípulo do pior ditador da história amarela.

Desde então a economia do planeta não parou de ser percorrida de medos e tremores.


quarta-feira, 13 de outubro de 2021

China: 400 “cidades do câncer” recenseadas

Criança com problemas respiratórios em Hefei, província de Anhui
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs








Numa rara ocasião, o ministério chinês do Meio Ambiente publicou a lista das “cidades do câncer” em seu território.

Trata-se de urbes grandes, médias e pequenas, onde o nível de poluição é tão elevado que a proporção de pessoas atingidas pelo câncer superou os níveis mais alarmantes, noticiaram numerosas fontes, entre as quais o jornal “Le Figaro” de Paris.

Segundo a lista oficial, a China teria mais de 400 cidades em tal situação. Os grupos ecologistas, sempre lenientes e amigos do regime, falavam “apenas” em uma centena.

Porta de Dongbianmen, parte da antiga muralha de Pequim. PASSE O MOUSE PARA CONFERIR

O ministério chinês disse estar preocupado pela dimensão gigantesca do problema. Mas só falou lugares comuns, como o de que “os produtos químicos tóxicos estão na origem de numerosas crises ambientais ligadas à poluição do ar ou da água. Existem até casos muito sérios, como as aldeias do câncer em certas regiões circunscritas”.

Os satélites ocidentais fotografaram essas “regiões circunscritas”, que incluem centenas de milhares de quilômetros quadrados, desde Pequim até Xangai.

Nas frequentes épocas em que a poluição habitual cobre essa imensa região, a superfície do planeta fica invisível pela densa nuvem de poluição.

Imagem satelital do nordeste da China (Pequim=mancha no centro acima)
nos dias 3.1.2013 (limpo) e 14.1.2013 (poluído).
PASSE O MOUSE PARA CONFERIR
Para atingir os agressivos objetivos marxistas de conquista econômica do mundo, as fábricas não providenciam nenhuma forma de controle, poluindo sem qualquer medida de prudência as regiões agrícolas.

E ai de quem não cumprir as metas determinadas pela burocracia socialista em Pequim!

O descontentamento social cresce e os cidadãos se mobilizam, opondo-se a projetos ameaçadores de fábricas químicas. Mas o regime é insensível: morra quem morrer, é preciso atingir a meta comunista de produção, como ensinou o “Grande Timoneiro” Mao Tse Tung.

A poluição em Pequim supera todos os recordes, tornando-se evidência incontestável quando uma nuvem tóxica de periculosidade inédita envolveu a capital durante mais de três semanas no mês de janeiro.

Patenteou-se, então, que o fenômeno que destrói a saúde de milhões de cidadãos escravos não se limita a algumas “regiões circunscritas”.

Operários trabalhando em Pequim. PASSE O MOUSE PARA CONFERIR

O Ministério do Meio Ambiente elaborou então um relatório visando abafar e desviar as queixas. Mas um número crescente de cidadãos comuns já não acredita nas falácias do governo.

No ano de 2009, o jornalista Deng Fei, do canal Phoenix TV, no Ano Novo chinês, lançou uma campanha intitulada “Mostrem-me os rios sujos”, recebendo então milhares de fotos mostrando deprimentes paisagens de rios supersaturados de lixo e fábricas jogando águas não tratadas nos riachos próximos.



quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Xi Jinping: a China não respeita e não respeitará “valor universal” algum

A China arranca órgãos dos prisioneiros pela força, divulga a CNN
A China arranca órgãos dos prisioneiros pela força, divulga a CNN
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Os escritos ideológicos mais importantes de Xi Jinping só existem em chinês, e raramente são traduzidos para o inglês pelo Partido Comunista Chinês (PCCh).

Os meios de comunicação e políticos ocidentais não encomendam sua tradução. Portanto, não tem ideia do que pensa o ditador e assim cometem um dos maiores erros na informação, escreveu o diretor de Bitter Winter.

Um exemplo foi fornecido pelo jornal “Diário do Povo” do PCCh que publica a série “Perguntas e respostas sobre o estudo dos pensamentos de Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas na Nova Era”.

Documentário: O que deixará a epidemia do PC chinês?



A série é aprovada pessoalmente por Xi Jinping e as respostas são um resumo de seus escritos e discursos.

No caderno nº 34 Xi responde à pergunta “Por que devemos tomar uma posição clara contra os chamados ‘valores universais’ do Ocidente?”

O caderno começa explicando que os ‘valores universais’ são “a ‘liberdade’, a ‘democracia’ e os ‘direitos humanos’ “defendidos pela burguesia ocidental moderna”.

Xi Jinping, como marxista ortodoxo, inicia descrevendo a História segundo a luta de classes: no início a “autocracia feudal” é esmagada pelas revoluções burguesas até que o ‘liberalismo burguês’’ é derrotado pelo socialismo marxista.

Na mesma ótica, Xi explica que a ‘liberdade’, a ‘democracia’ e os ‘direitos humanos’ ajudaram a derrubar a “autocracia feudal”.

Mas, como ensina o materialismo dialético, esses valores se tornaram reacionários no estágio histórico seguinte.

Hoje, prossegue, a burguesia internacional, liderada pelos “EUA e outros países ocidentais”, pretendem promover esses ‘valores universais’.

Mas, para o presidente chinês hoje não há mais ‘valores universais’.

Eles foram úteis para derrotar a “autocracia feudal” mas hoje são armas reacionárias que devem ser liquidadas pelo socialismo.

Xi Jinping diz que nem os EUA acreditam neles como se evidenciaria na repressão do movimento Black Lives Matter.

Xi deplora que ditos ‘valores universais’ tenham sido usados para causar “a desintegração da URSS, as mudanças drásticas na Europa Oriental” e outros episódios que danificaram o domínio do comunismo.

Pior ainda, diz Xi, o Ocidente promove esses valores na China, para “derrubar a liderança do PCCh e do sistema socialista”.

Xi admite a existência de ‘valores comuns’ como paz, desenvolvimento ou justiça mas apenas enquanto interpretados segundo os diferentes sistemas políticos e tradições nacionais.

Xi Jinping a China não respeita e não respeitará 'valor universal algum
Xi Jinping: a China não respeita e não respeitará 'valor universal' algum
Então a China ou a Rússia os interpretam de maneira diverso que nos EUA ou na Europa, ao gosto do marxismo e do socialismo de seus ditadores.

As palavras de Xi Jinping, comenta Bitter Winter, são música para os ouvidos de todos os ditadores do mundo, e é por isso que eles apoiam a China toda vez que seu histórico abismalmente baixo de direitos humanos é denunciado.

O presidente comunista então conclui que não é por acaso que na China não há direitos humanos, liberdade ou democracia.

Não há porque assim o quer a ideologia do PCCh.

Em poucas palavras, Xi Jinping ensina ao mundo que a China não respeita e não respeitará ‘valor universal’ algum.


quarta-feira, 29 de setembro de 2021

China vermelha cria confusão sobre a origen do Covid

A China tenta impedir o esclarecimento do que se passou no Instituto de Virologia de Wuhan
A China tenta impedir o esclarecimento
do que se passou no Instituto de Virologia de Wuhan
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs







Se intensificam as suspeitas sobre o papel do Instituto de Virologia de Wuhan (China) na gênese de pandemia que matou milhões de pessoas.

As tentativas chinesas de fugir das investigações ficaram complicadas com a comprovação de que técnicos do laboratório procuraram assistência hospitalar em novembro de 2019, no “momento zero” da epidemia.

Num relatório de inteligência americano, o reputado The Wall Street Journal teve acesso à folha dos sintomas de três trabalhadores do Instituto que denunciariam o Covid-19.

Os primeiros casos da doença foram reconhecidos em dezembro de 2019 na mesma Wuhan, embora se supõe que o vírus já circulava no final de novembro. O primeiro caso registrado foi em 8 de dezembro de 2019.

O referido relatório de inteligência do governo americano divide as opiniões. E as fontes consultadas pelo Wall Street Journal fizeram avaliações diferentes.

Segundo o jornal americano, um representante do laboratório de Wuhan afirmou à Organização Mundial da Saúde (OMS) que todos os funcionários haviam sido testados para Covid-19 e nenhum para o coronavírus.

A OMS está investigando a origem do coronavírus com a ajuda de países membros da organização. A China tira o corpo e afirma ser “extremamente improvável” que o vírus fugisse do laboratório.

Mas os EUA e outros países apontam para a falta de transparência dos procedimentos da China.

Em fevereiro de 2021, a OMS confirmou que 13 variantes do vírus foram encontradas em Wuhan, sugerindo que esses vírus já circulavam antes da data oficial do início da eclosão.

A Fox Business insiste no caso dos três pesquisadores do Instituto de Virologia de Wuhan que procuraram atendimento hospitalar.

De acordo com o relatório do Departamento de Estado, os pesquisadores adoeceram no outono de 2019 “com sintomas consistentes com COVID-19” e alguma doença sazonal comum”.

O mistério sobre os morcegos de Wuhan não fica esclarecido
O mistério sobre os morcegos de Wuhan não fica esclarecido
O Instituto de Wuhan nega dados brutos, registros de segurança e registros de laboratório nas experiências com coronavírus em morcegos, tal vez a mais temida fonte do vírus.

O Ministério das Relações Exteriores da China cita em seu favor um relatório da OMS e menospreza o posicionamento adverso: “Os EUA continuam a exagerar na teoria de vazamento de laboratório”.

O governo Biden contribui à confusão, não comenta seus relatórios e passa a responsabilidade à OMS e a especialistas internacionais, a priori suspeitos de seduzidos pela China.

Porém, uma porta-voz do Conselho de Segurança Nacional dos EUA reafirmou que “continuamos a ter sérias dúvidas sobre os primeiros dias da pandemia Covid-19, incluindo suas origens na República Popular da China”.

Pequim chicaneia dizendo que o vírus pode vir de fora da China, inclusive do laboratório militar de Fort Detrick em Maryland.

Alega que seus pesquisadores acham que o vírus chegou em alimentos congelados.

Disputa-se a iintencionalidade das manipulações do Instituto de Wuhan
Disputa-se a iintencionalidade das manipulações do Instituto de Wuhan
A maioria dos cientistas imparciais acha rocambolesca a história do laboratório militar dos EUA.

O governo americano insiste para que a China seja mais transparente com as investigações sobre a origem do vírus, escreveu a “Gazeta do Povo”.

Mas apesar da pressão internacional, a China não aceita uma nova investigação independente e transparente, como pedem as potências ocidentais.

A Comissão Nacional de Saúde da China e o laboratório de Wuhan não respondem aos pedidos de comentários.

A China nega as suspeitas e o Partido Comunista Chinês as atribui a “teorias da conspiração”.

Não há qualquer pressão interna para que o governo abra suas portas a investigadores independentes. Pequim treme num momento em que as relações econômicas vão de mal a pior.

Nesse pé ficou montada a confusão, não podendo ser melhor para embaralhar as pistas que apontam ao suspeito nº1: a China marxista.