O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 29 de abril de 2014

O “cometa cristão”
está ficando grande e incontrolável na China

Escudo humano para defender igreja em Sanjiang
Escudo humano para defender igreja em Sanjiang, antes de ser dinamitado.

Autoridades do Partido Comunista da província oriental de Zhejiang negaram que estivesse em curso uma “campanha de demolição” de igrejas no país.

Porém, simultaneamente, testemunhas denunciaram que cerca de doze já haviam sido demolidas ou perdido suas cruzes

Em outras igrejas, os responsáveis receberam intimação para tornarem “menos conspícua” a presença dos templos, por exemplo desligando as luzes durante a noite.

terça-feira, 22 de abril de 2014

Diocese de Shangai decapitada de seu bispo há 60 anos

Pe. Raymond J. de Souza
O Pe. Raymond J. de Souza publicou no jornal canadense “The National Post” uma visão de conjunto sobre o vazio criado pela perseguição comunista na diocese de Xangai.

A situação se põe assim: Dom José Fan Zhong-Liang SJ, último bispo legítimo de Xangai, morreu há pouco em prisão domiciliar, aos 97 anos de idade, após passar mais de 50 anos num campo de concentração (laogai em chinês). O governo proibiu que ele fosse enterrado segundo o ritual próprio a um bispo.

Dom José viveu como morreu: na paz de Deus, numa recusa absoluta de qualquer forma de submissão à chefatura comunista de Pequim, e em estrita fidelidade ao Papa.

Com esta heroica passagem à eternidade, a diocese de Xangai – talvez a mais importante da China – completa 60 anos sem bispo em funções.

Essa tragédia teve início em 1955, quando o regime maoísta, temendo a livre prática do catolicismo – temida em geral por todos os tiranos de ontem e de hoje – prendeu o então bispo da cidade, D. Inácio Kung Pin-Mei, e por volta de 200 sacerdotes e líderes católicos.

terça-feira, 15 de abril de 2014

Em 2013 a China executou mais pessoas que o resto do mundo

A China aplica a pena de morte em condições aterradoras, por vezes com o objetivo de conseguir órgãos frescos para transplante, ou para eliminar dissidentes.

A insuspeita Amnesty International publicou seu último relatório anual sobre as execuções no mundo. Nele, a China atingiu mais uma vez o sinistro recorde de exceder – e de longe – todo o resto dos países somados no método de extinção “legal” de vidas, informou “Business Insider”.

A máquina judiciária socialista sentenciou à morte milhares de cidadãos em 2013, enquanto no resto do mundo só foi pedida a pena máxima para 778 indiciados – constata o relatório.

Porém, as estatísticas da China ficam complicadas pelo fato de Pequim considerar que as execuções mortais são segredo de Estado.

Hong Lei, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, defendeu que a pena de morte “se baseia principalmente na cultura tradicional e em condições nacionais específicas”.

terça-feira, 8 de abril de 2014

Passeata gigante contra o comercio com a China em Taiwan

O girassol foi o símbolo da manifestação contra o imperialismo chinês.

Meio milhão de pessoas, segundo os organizadores, saíram às ruas de Taipé, capital de Taiwan, contra um tratado comercial com a China que ameaçaria a independência do país.

Eles portavam um girassol como sinal de identificação, que logo virou o símbolo do protesto contra o imperialismo chinês.

Os manifestantes também pediram a renúncia de Ma Ying-jeou, presidente de Taiwan, acusando-o de excessiva simpatia e falta de vigor em relação ao vizinho comunista, noticiou “Business Insider”.

A passeata foi uma das maiores das últimas décadas, num país em que elas são frequentes contra o comunismo.

terça-feira, 1 de abril de 2014

Justiça socialista: “culpados” a priori quase 100% dos indiciados

Culpadou ou não, sua sorte foi decidia com um simples indiciamento

Em 2013, 99,93% das pessoas denunciadas pelo Partido Comunista Chinês ou pela polícia do regime foram declaradas culpadas pelos tribunais de Justiça, de acordo com o relatório anual da Corte Suprema – o STF da China – entregue ao público.

Em 1,16 milhões de sentenças, apenas 825, ou 0,071%, dos indiciados foram inocentados.

Em 954.000 causas penais, os tribunais condenaram 1.158 milhões de chineses, acrescentou o presidente da Corte Suprema, Zhou Qiang, apresentando o relatório diante da Assembleia Nacional Popular (ANP), do Legislativo do regime socialista.

“A Justiça é cega”, diz o velho e sábio adágio do Direito.

Na China também, só que com uma pequena, mas imensa diferença: o socialismo indicia e a Justiça condena sem olhar mais nada.