O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 19 de setembro de 2017

“Livre” no cárcere de terror da Coreia do Norte

O visto de entrada à Coreia do Norte concedido a Suki Kim.
O visto de entrada à Coreia do Norte concedido a Suki Kim.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Suki Kim é uma jornalista nascida e crescida na Coreia do Sul, mas que também possui cidadania americana.

Em 2011 ela conseguiu um trabalho de professora de inglês em uma universidade de Pyongyang, destinada aos filhos homens da elite norte-coreana, “os futuros líderes do país”.

Kim passou seis meses vivendo no campus da universidade e tomou notas para seu livro Without You, There Is No Us: My Time with the Sons of North Korea's Elite (Broadway Books, 320 pp., publicado em 2015, que em tradução livre seria: Sem você, não há nós: meu tempo com os filhos da elite norte-coreana.

O livro em que Susi Kim descreve sua odisseia no terro
O livro em que Susi Kim descreve sua odisseia no terror
Ela relatou à BBC Mundo sua estarrecedora experiência, algo que poucos estrangeiros puderam experimentar.

Eis algumas circunstâncias pelas quais Susi teve que passar, de causar calafrios.

Ela explicou que duas eram as razões de seu interesse pela Coreia do Norte: como jornalista, queria primeiro saber sobre a enorme tragédia que ocorre nesse lugar; e, segundo, razão de ordem pessoal, sua família havia sido separada pela guerra das Coreias em 1950.

De Pyongyang a Seul (capital de Coreia do Sul), são necessárias apenas duas horas de carro.

Mas quando a península foi dividida no Paralelo 38, em 1953, as pessoas do norte nunca voltaram a ver seus familiares.

Suki Kim passou a lecionar na recém-inaugurada Universidade para a Ciência e Tecnologia de Pyongyang (PUST), destinada aos filhos dos dirigentes da Coreia do Norte.

Veja mais sobre essa instituição: Universidade evangélica para filhos de déspotas na Coreia do Norte


A PUST foi fundada por grupos evangélicos e seus funcionários são principalmente professores americanos voluntários, financiados por suas igrejas.

A religião não é permitida e o proselitismo é um crime castigado com a morte. O único que se venera no país é o Grande Líder comunista.

O controle começa no aeroporto, a guarda leva placa que diz 'O Sol do Século XXI', em homenagem a Kim Jong Il
O controle começa no aeroporto, a guarda leva placa que diz
'O Sol do Século XXI', em homenagem a Kim Jong Il
A comunidade evangélica compactuou com a ditadura: ela bancaria a universidade e não faria apostolado.

Assim, no fundo, acabavam financiando a educação dos futuros líderes do país.

O governo deve aprovar tudo o que ocorre na universidade.

Ele decide tudo sobre o indivíduo: seleciona os estudantes, escolhe a carreira a ser seguida por cada um, a escola onde estudar, as atividades que farão.

Havia 270 estudantes, todos eles homens, que viviam no campus. Susi ensinava inglês para duas classes, cada uma delas com cerca de 50 alunos de 19 e 20 anos.

A universidade é vigiada por militares e ninguém tem permissão para sair. Tudo o que ela fazia e ensinava devia ser aprovado, monitorado e gravado.

O governo define as escoltas que vivem com os professores no campus e seu trabalho é monitorá-los 24 horas por dia.

Susi vivia o tempo todo aterrorizada, tomava notas em segredo em memórias de USB, que sempre levava consigo, e apagava tudo no computador, não deixando nenhum rastro de seu trabalho.

No quarto dela havia microfones ocultos e todas as suas aulas eram gravadas. É um sistema de medo constante de vir a morrer ali.

O que ela pensava dos alunos? Num sistema de constante controle e vigilância ninguém sabe realmente o que as pessoas pensam ou sentem.

Na Faculdade todas as atividades são coletivas. Atos individuais são proibidos e suspeitos
Na Faculdade todas as atividades são coletivas. Atos individuais são proibidos e suspeitos
Os estudantes nunca estavam sozinhos. Eles se vigiavam uns aos outros e também a vigiavam, dando informações sobre ela. Tinham uma reunião semanal na qual informavam sobre os outros estudantes e os professores.

Eles são tratados como soldados: fazem exercícios, correm e saem para marchar em grupo, são constantemente doutrinados sobre a grandeza do Grande Líder e o ódio aos Estados Unidos.

Esses jovens não têm permissão de expressar qualquer curiosidade sobre o mundo exterior. Em 2011 nunca tinham ouvido falar de internet, e Susi era proibida de falar sobre isso.

Ela havia recebido ordens estritas de nada ensinar sobre o mundo exterior e os alunos não tinham nenhuma informação sobre o que ocorria fora de seu país. Por exemplo, não sabiam da existência do Taj Mahal nem da Torre Eiffel.

A televisão tem apenas um canal, com programas sobre o Grande Líder. Também são transmitidos programas da China ou da Rússia, todos baseados nos “ideais socialistas”.

Há apenas um jornal, e tanto os artigos quanto os livros publicados estão vinculados ao Grande Líder.

Passeios de fim de semana são controlados e devem visitar locais montados para cultuar o 'líder supremo'.
Passeios de fim de semana são controlados
e devem visitar locais montados para cultuar o 'líder supremo'.
Toda a rotina e os entretenimentos funcionam para honrar o regime e a filosofia igualitária do sistema.

Se esses são os jovens das elites mais bem tratados, o que deverá acontecer com o resto da população? Só se sabe que vive sob o mesmo controle.

Aos domingos Susi tinha licença para sair com um grupo escoltado, para colocar flores em monumentos do Grande Líder.

Às vezes o grupo saía de Pyongyang para visitar as Grandes Montanhas ou alguma fazenda.

Não se veem muitas coisas. As estradas estão vazias, não há carros nas ruas.

As pessoas fora da capital são marcadamente menores e parecem mal-nutridas. Susi nunca foi autorizada a falar com alguém nas ruas.

Os lugares para onde foi levada pareciam cenários de filme e nunca havia pessoas. Só dava para ver os outros membros do grupo e, por toda parte, todos os lugares estavam cobertos com milhares de slogans do Grande Líder.

Nunca tinha imaginado um controle tão grande. A realidade é pior do que se pode imaginar, conclui Susi.


Vídeo: No cárcere de terror da Coreia do Norte





Nenhum comentário:

Postar um comentário