Pesadelo chinês

O Test behind the Great Firewall of China, confirmou mais uma vez que nosso blog ESTÁ BLOQUEADO NA CHINA. A máquina repressiva impede o acesso em Pequim (confira); em Shangai (confira); e agora em Guangzhou (confira). Hong Kong é a exceção (confira). Enquanto Pequim não cobrar medidas coercitivas dos seus correligionários brasileiros ou da Teologia da Libertação, este blog continuará na linha católica anti-comunista, pelo bem do Brasil. MAIS

terça-feira, 27 de setembro de 2016

No centro da China:
ou vai à igreja protestante do Estado ou à prisão!

Protestantes em templo 'patriótico'. A opção é o cárcere!
Protestantes em templo 'patriótico'. A opção é o cárcere!
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Na província central de Guizhou, as autoridades comunistas desencadearam um operativo visando obter a adesão dos cristãos à Three Self-Church, uma igreja protestante do Estado reconhecida por Pequim. As cerimônias nos outros templos foram interditadas.

Quem levar seu filho a outra igreja é denunciado e perseguido em nome da lei, informou a agencia AsiaNews.

A denuncia foi feita pelos ativistas de ChinaAid, uma ONG com base no Texas, EUA, que luta pelos direitos humanos e pela liberdade religiosa no país do dragão, como também é conhecida a China.

Segundo o grupo, na província central de Guizhou os pais foram intimados a não levarem mais seus filhos à igreja, sob pena de os mesmos serem excluídos dos institutos educativos superiores ou da academia militar. Quem levar o filho à igreja será denunciado e perseguido judicialmente.

Há tempo que as autoridades comunistas da região aplicam mão dura contra as religiões, com sanha especial contras as cristãs, que estão registrando um crescimento exponencial no país.

Nos últimos três anos, os adeptos do socialismo estatal demoliram e abateram as cruzes de mais de 1.500 igrejas na província de Zhejiang, como vimos informando em nosso blog.

Os líderes religiosos e os advogados que se opuseram à campanha acabaram na prisão, indiciados com acusações falsas e pretextos, segundo os procedimentos habituais do regime.


terça-feira, 20 de setembro de 2016

Populacao chinesa pode diminuir para a metade
nos próximos 80 anos

A "política do filho único" desequilibrou a pirâmide demográfica
A "política do filho único" desequilibrou a pirâmide demográfica
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Por efeito de três décadas de “política do filho único”, a população chinesa deverá cair para a metade ou mais até o fim do século, divulgou o site “The Nanfang”, editado em Hong Kong.

No Foro Econômico Mundial, o especialista Zheng Zhenzhen, da Academia Chinesa de Ciências Sociais, especulou que a população cairia até um bilhão no ano 2100, o mesmo numero de 1980. A ONU chegou a um resultado análogo, contido no relatório World Population Prospects.

Porém, não são esses os números dos especialistas que não estão alinhados com a planificação oficial. Eles apontam números muito inferiores.

Huang Wenzhen, da Universidade de Wisconsin, acredita que a população chinesa descerá até 580 milhões pelo ano 2100, e continuaria diminuindo até atingir o fundo com 280 milhões nos cinquenta anos subsequentes. E isso apesar de os cálculos de Huang aceitarem uma melhoria de 20% na natalidade dos próximos anos.

Embora sejam chocantemente baixas, as estimativas de Huang não são as mais desanimadoras.

O professor Yi Fuxian calcula só 560 milhões no final deste século. Yi acredita que a taxa de natalidade vai aumentar 1.4% , como resultado da implementação da menos dirigista “política dos dois filhos”. Mas considera que voltará a baixar logo depois.

Como exemplo, ele cita precedentes em Taiwan e Coreia do Sul. Após se precipitar até 1,1% em 2035, a taxa da natalidade chinesa terá um rebote até 1,3% por volta de 2056 e depois ficará achatada até o fim do século.

A 'política dos dois filhos' chegou muito tarde: há poucas mulheres em idade de gestar um segundo filho.
A 'política dos dois filhos' chegou muito tarde:
há poucas mulheres em idade de gestar um segundo filho.
Huang explicou que as mulheres chineses entre 23 e 30 anos diminuirão 40% nos próximos dez anos, reduzindo pela metade o número de bebês.

Com a “política do filho único”, os pais abortavam ou até matavam a criança por nascer, caso fosse menina. Eles preferiam o menino, que poderia sustentá-los na velhice.

O resultado foi um enorme desequilíbrio entre os sexos e a brutal redução do número de mulheres em idade de serem mães.

Atualmente a China tem 1,3678 bilhões de habitantes, mas os 7,1% de nascimentos no último ano computado não permitirão manter esse número.

Raciocinando de modo materialista, o comunismo pouco se importa com seus cidadãos. Para ele, poucos habitantes é sinônimo de poucos operários, menor produção ou mais cara e diminuição da projeção econômica do país.

Dessa maneira, o sonho de Mão Tsé-Tung de uma hegemonia marxista chinesa universal fica furado pela base.

E isso sim preocupa os ditadores de Pequim.


terça-feira, 13 de setembro de 2016

Vietnã: catolicismo cresce e polícia comunista apela à violência

Agentes do governo interrompem culto pela violência.
Agentes do governo comunista interrompem culto pela violência.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



No distrito de Mung Khuong, o Pe. Nguyn Van Thành oficiava a Santa Missa quando os policias comunistas irromperam na igreja e o ameaçaram para suspender o ato.

Em seguida empurraram os católicos para fora, espancaram um jovem e prenderam dois outros, um deles de apenas 14 anos, noticiou o site Infocatólica.

Trn T.T, testemunha citado pelas iniciais por razões de segurança, contou: “Entre os policiais estava também Nguyn Quc Huong, o vice-presidente do distrito, e mais dois vice-presidentes de organizações governamentais”.

T. disse: “Não entendo por que me arrastaram e golpearam como se fosse um criminoso. Estrangulavam-me enquanto batiam minha cabeça contra o muro. Conduziram-me à delegacia e apagaram todos os arquivos de meu celular. Até agora meu pescoço está doendo”.

Na delegacia, T. foi “constrangido a admitir que pusera em perigo a segurança e que tinha causado desordem na comunidade. A polícia me obrigou a escrever um relatório e assinar um documento garantindo que eu não iria mais à Missa. Eu não assinei”.

Protesto de católicos contra perseguição religiosa no Vietnã.
Protesto de católicos contra perseguição religiosa no Vietnã.
A bem informada agência AsiaNews vem publicando que as autoridades comunistas de Lào Cai multiplicaram suas ameaças e violências contra os cristãos. Elas não autorizam o registro de locais de culto e qualificam de ilegal qualquer reunião neles.

Alguns paroquianos contaram: “Muitas vezes pedimos às autoridades locais para construir uma pequena igreja, mas sempre nos foi negado. Temos que alugar casas para celebrar a Missa”.

A polícia “afirma que os sacerdotes não têm direito a celebrar, nem os paroquianos a participar. Quando um é pego, acusam-no de perturbar a ordem. Desse modo, o distrito de Mung Khuong viola a Constituição, que reconhece a liberdade de culto”, acrescentaram.

Porém, a Constituição é um “farrapo de papel” que serve apenas para o regime comunista mostrar aos delegados da ONU e a ONGs estrangeiras, civis e eclesiásticas, e fingir que não há perseguição religiosa no Vietnã.

Apesar do terrorismo oficial, os fiéis das regiões montanhosas do sul não se rendem: “Todos os dias celebramos a Missa e rezamos por nossas famílias e pela sociedade”, diz Trn T.T.

“Eu sou católico. Apresentei-me ante as autoridades e disse que desejava doar minha propriedade para a edificação da igreja. Mas não permitiram”.
No Vietnã, os habitantes das montanhas vão rezar no meio do campo.
No Vietnã, os habitantes das montanhas vão rezar no meio do campo.
Segundo relatório publicado no início de 2016 pela “Associação para a defesa da liberdade religiosa”, no Vietnã oprimido pelo Partido Comunista as pessoas que declaram uma religião já são mais de 24 milhões (sobre um total de 90 milhões de habitantes).

Há mais de 78.000 “dignitários” (membros do clero de todas as religiões) que vivem em mais de 23.000 locais onde se professa algum culto, espalhados por todo o território.

De acordo com o site Catálogo da Hierarquia Católica, no Vietnã há 5.658.000 de católicos, os quais representam 6,87% da população total. Há 26 dioceses (incluindo três arquidioceses), 2.228 paróquias e 2.668 sacerdotes.


terça-feira, 6 de setembro de 2016

Ônibus ecológicamente correto:
fraude símbolo do comunismo chinês

TEB-1 apresentado publicamente.
TEB-1 apresentado publicamente.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





Autoridades chinesas apresentaram na cidade de Qinghuangdao, no norte do país, um ônibus-túnel que anda por cima dos carros. Na propaganda, o invento promete condução pública no nível da primeira classe das linhas aéreas.

O engenho foi concebido pela empresa Huaying Group, que no mês de dezembro daria início à construção de uma fábrica especializada na cidade de Zhoukou, no centro da China, para começar a produzir em 2017, noticiou “Clarin”.

Contudo, logo depois do bombástico lançamento e exibição do protótipo, todas as obras foram adiadas sem explicação convincente.

De fato, especialistas chineses objetaram que o ônibus-túnel é inviável e poderia tratar-se de mais uma fraude propagandística do governo socialista.

Nas redes sociais, fala-se de enganação com apoios cúmplices no governo e no corrupto Partido Comunista. As vítimas do golpe seriam eventuais investidores desprevenidos.

O protótipo recebeu o nome de TEB-1 (abreviatura em inglês de Ônibus Elevado de Trânsito) e percorreu algumas centenas de metros numa primeira exibição.

Movido com baterias elétricas, o TEB-1 tem 22 metros de extensão, 4,8m de altura e 7,8m de largura, prometendo transportar entre 300 e 1.400 passageiros.

A novidade consiste em que ele circula a dois metros de altura, por cima dos carros, apoiado em trilhos dispostos ao longo dos dois lados das avenidas e autopistas.

O TEB-1 já fora apresentado seis anos atrás e não apresentou novidades técnicas
O TEB-1 já fora apresentado seis anos atrás e não apresentou novidades técnicas
A mídia oficial cantou os louvores do projeto: mais barato, ecologicamente correto, custo de instalação cinco vezes menor que os trens subterrâneos ou metrôs, e substituiria 40 ônibus convencionais poluentes e aquecedores do planeta.

Mas a irrealidade da proposta do TEB se manifestou na própria apresentação. A imensa engenhoca não é capaz de dobrar nas curvas, só andando em linha reta, registrou “La Nación” de Buenos Aires.

Tampouco parece capaz passar por baixo dos incertos e desiguais viadutos de Pequim. Duvida-se que possa suportar o peso das centenas de eventuais passageiros e dependeria de baterias monstruosas que não se sabe se podem ter a indispensável autonomia.

Operários foram vistos consertando algumas das partes do protótipo pouco antes do teste.

O jornal Beijing News apontou que o protótipo exibido é o mesmo mostrado em análoga prova há seis anos, não se verificando melhoramentos técnicos em relação ao passado.

Nas redes sociais predominou o espanto ante uma invenção que “carece de verdadeira ciência”, porque Song Youzhou, o desenhador do veiculo, só cursou a escola primária.

Song respondeu com o velho slogan do marxismo, que atribui as grandes invenções ao proletariado mais ignorante.

A empresa responsável anunciou contratos com os governos regionais de Tianjin e Henan. Mas os jornalistas que visitaram o centro de produção não viram sinal algum de atividade. Toda a fábrica estava invadida pelo capim.

A imprensa oficial anunciou que no futuro haverá 500.000 TEB funcionando no mundo. Também garantiu que ter recebido encomendas da Espanha, do México e da Argentina, além de visitas dos ministros de Transporte da França e da Índia.

TEB-1 promete uma folga extraordinária, segundo a propaganda oficial.
TEB promete uma folga extraordinária, segundo a propaganda oficial.
A agência de notícias oficial Xinhuanet, segundo Super interessante, anunciou que o Brasil pensava adquirir a tecnologia.

Segundo o Beijing News, presume-se que a empresa responsável tem o apoio do governo, embora esteja na ‘lista negra’ das financeiras ilícitas, porque prometeu retornos mirabolantes jamais realizados e agora beira a falência.

A BBC foi ao salão de exposições do TEB em Pequim, mas teve o acesso negado com o argumento de que “a maquete do modelo está sendo reparada”. O corpo do veiculo está lá, oculto sob uma estrutura de lona e metal de 10 metros de altura.

A BBC também tentou falar com os fabricantes, mas eles negaram qualquer relação com o projeto. Então o jornalista acenou com a intenção de aplicar dinheiro no negócio e os mesmos empresários modificaram a posição na hora. Eles garantiram que o TEB estava funcionando e que era um ótimo investimento.

“Projetos como esse aparecem quando um inventor louco encontra um grupo de investidores dementes”, comentou um dos internautas, que formulou muitas críticas. Song se defendeu dizendo que não cometeu delito algum, que apenas tenta inovar e que nisso não há nada de mau.

O ônibus ecologicamente correto do futuro era uma fraude, mas a Xinhuanet espalhava que o Brasil teria pensado comprar
O ônibus ecologicamente correto do futuro era uma fraude,
mas a Xinhuanet espalhava que o Brasil teria pensado comprar
Bai Zhiming, corretor de imóveis sem fundos próprios e sem experiência na matéria, comprou a tecnologia descartada do TEB.

Por meio da Internet passou a oferecer um retorno de 12%, tendo seduzido investidores por um total estimado em 26 milhões de dólares.

Agora está sendo processado por mais de 200 pessoas ludibriadas, noticiou a Bloomberg.

O TEB revela as explorações inescrupulosas a que se prestam empresas e produtos que se apresentam em suas propagandas como “ecologicamente comprometidas” para seduzir clientes.

Mas o TEB revela o espírito de modernização adotado pela China marxista para entrar no mercado internacional.

Não é só um ônibus enganador ameaçado de ruína, mas é um regime socialista inteiro, ferozmente antinatural, que se aproxima de um estrepitoso fracasso.


terça-feira, 30 de agosto de 2016

Ante a proibição de enterrar o Bispo com sua mitra,
fiéis o ornam com uma de mitra de flores

Mons Vincent Huang Shoucheng, bispo de Mindong (Fujian), nunca aceitou as exigências do socialismo
Mons Vincent Huang Shoucheng, bispo de Mindong (Fujian),
não se dobrou ante as exigências do socialismo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs





O bispo católico “clandestino” de Mindong (Fujian), D. Vicente Huang Shoucheng, um das maiores personalidades da Igreja Católica na China, morreu na sua Cúria aos 93 anos, governando até o último instante a diocese que o Papa lhe confiara, informou o site de AsiaNews.

D. Huang completou mais de 60 anos de sacerdócio, 35 dos quais passados em cárceres comuns, campos de trabalhos forçados e prisões domiciliares.

A diocese de Mindong está constituída na sua quase totalidade por católicos fiéis ao Papa e à Santa Sé, geralmente chamados de “clandestinos” porque o governo comunista não os reconhece.

Dos 90.000 católicos da diocese, mais de 80.000 são “clandestinos”.

Eles são assistidos por cerca de 45 sacerdotes, 200 religiosas e 300 leigos consagrados, além de centenas de catequistas.

Mindong padece por causa de Mons. Zhan Silu, um “bispo patriótico” ou agente do governo que pretende governar os católicos. Poucos fiéis o seguem, os sacerdotes oficiais são só uma dezena e cuidam de poucas igrejas.

Mons Vincent Huang Shoucheng, bispo fiel ao Papado, no velório na catedral de Mindong com mitra e báculo de flores
Mons Vincent Huang Shoucheng, bispo fiel ao Papado,
no velório na catedral de Mindong com mitra e báculo de flores
Mas até os católicos “patrióticos” tiveram de reconhecer a grandeza do verdadeiro bispo que acaba de falecer.

“Por causa dele – disse um sacerdote ‘clandestino’ – a Igreja de Mindong pode crescer e se renovar”.

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Xi Jinping prega nova “Longa Marcha”
para suprimir facções internas

Xi Jinping deposita flores no monumento do fim da Longa Marcha de Mao.
Xi Jinping deposita flores no monumento do fim da Longa Marcha de Mao.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



O secretário-geral do Partido Comunista e presidente da China, Xi Jinping, depositou uma coroa de flores no monumento comemorativo do fim da “Longa Marcha”, que consagrou a implantação da ditadura de Mao Tsé-Tung, noticiou “AsiaNews”. 

Xi Jinping foi até Jiangtaibao, Ningxia, onde convocou os compatriotas a “empreenderem uma nova Longa Marcha” para realizar o “sonho chinês”, por ocasião da comemoração do centenário da fundação do Partido Comunista (1921-2021) e dos 100 anos da criação da República Popular (1949-2049).

Realizada em 18 de julho, a visita revestiu-se do habitual valor supersticioso de uma romaria às fontes do Partido Comunista e visou exaltar a figura do próprio Xi enquanto herdeiro da tradição comunista de Mao.

A “Longa Marcha” (1934-35) tem um valor mitológico: foi empreendida pelo Exército Vermelho que fugia das tropas nacionalistas de Chiang Kai-Chek.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Se Pequim e o Papa fizerem um acordo, os fiéis não estarão obrigados a segui-lo, diz Cardeal

Manifestantes encenam perseguição religiosa na China. Acordo Vaticano-Pequim abrirá nova perseguição, diz Cardeal.
Manifestantes encenam perseguição religiosa na China.
Acordo Vaticano-Pequim abrirá nova perseguição, diz Cardeal.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Se por acaso for afirmado um acordo entre a China comunista e a Santa Sé, ele virá com “a aprovação do Papa”. Mas nem mesmo nesse caso os fiéis estarão obrigados a levá-lo em consideração, se julgarem “em consciência” que é “contrário à fé”, instruiu o Cardeal Joseph Zen, arcebispo emérito de Hong Kong, noticiou o site “Vatican insider”.

O Cardeal lidera a resistência católica à falsa “pax sino-vaticana” que parece estar tomando forma durante encontros silenciosos de funcionários comunistas chineses com representantes do Vaticano com o aval do Papa Francisco.

O alto prelado salesiano exortou os católicos chineses a adotar uma atitude de resistência diante de acordos e praxes pastorais combinados entre Pequim e o Vaticano, ainda que aprovados pelo pontífice romano.

O Cardeal iniciou a exortação, publicada em seu blog, dirigindo-se inicialmente aos católicos que gemem no continente sob a bota marxista:

“Irmãos e irmãs do Continente, devemos agir com honra!”, escreveu, censurando os maus católicos que “estão do lado do governo” e os “oportunistas na Igreja” que “auspiciam que a Santa Sé assine um acordo para legitimar sua situação anômala”.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

China não acata julgamento desfavorável de Haia sobre o Mar da China

Navios de guerra chineses em exercícios na área das ilhas disputadas.
Navios de guerra chineses em exercícios na área das ilhas disputadas.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A Corte Permanente de Arbitragem (CPA), sediada em Haia, decidiu que a China não tem base legal para reclamar "direitos históricos" sobre a maior parte das águas do Mar da China Meridional.

Pequim havia inaugurado uma belicosa disputa para se apossar de arquipélagos pertencentes ou reivindicados pelos países vizinhos, como Filipinas, Vietnã, Malásia e Brunei, informou o jornal “Le Monde” de Paris.

“O Tribunal chegou à conclusão de que não há base legal para que a China reivindique direitos históricos sobre as zonas marítimas” disputadas e que ela havia “violado os direitos soberanos” das Filipinas.

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Universitários chineses estão fartos
das aulas obrigatórias de marxismo

Universitários chineses estão fartos das aulas obrigatórias de marxismo
Universitários chineses estão fartos das aulas obrigatórias de marxismo
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Quem quiser um titulo universitário na China deve ser aprovado na disciplina obrigatória de marxismo. O presidente Xi Jinping vem desenvolvendo uma campanha de intensificação do comunismo entre a juventude.

A doutrina marxista é a base ideológica do gigantesco e todo-poderoso Partido Comunista da China (PCC), o qual, entretanto, está se sentindo como um colosso que contempla seus pés de barro cada vez mais quebradiços.

Isso porque o socialismo teórico não faz senão perder fôlego na juventude!

terça-feira, 26 de julho de 2016

Chineses lutam contra o comunismo para defender a Cruz

Fiéis se amarram ao Cruzeiro para tentar impedir a demolição.
Fiéis se amarram ao Cruzeiro para tentar impedir a demolição.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




A região de Wenzhou ganhou o apelativo de “Jerusalém da China” pela sua extraordinária devoção à Santa Cruz e a construção de inúmeras e até colossais igrejas, sempre coroadas por enormes cruzes vermelhas especialmente iluminadas à noite, segundo descreve o jornal espanhol “El Mundo”.

Esses templos sobressaem no horizonte e podem ser contemplados das autoestradas.

O regime não suportou esse triunfo da Cruz e, dentro do plano geral do Partido Comunista Chinês (PCC) contra o símbolo mais sagrado do Cristianismo, ordenou demoli-lo.

Soldados e operários pesadamente equipados iniciaram as demolições alegando os pretextos legais mais díspares.

Mas a tarefa do anticristianismo não está sendo fácil.

terça-feira, 12 de julho de 2016

Fábricas fogem da recessão na China

Mercado de sapatos fechado em Houjie, China
Mercado de sapatos fechado em Houjie, China
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs




Pequim assiste na corda bamba à migração das fábricas manufatureiras de baixou custo para outros países, registrou o jornal econômico americano “The Wall Street Journal”.

Pequim não publica números sobre os fechamentos ou mudanças de fábricas. A investigadora Justina Yung, da Universidade Politécnica de Hong Kong, a pedido da Federação das Indústrias de Hong Kong, calculou que as empresas da cidade que operam no vizinho Delta do Rio das Pérolas diminuíram de um terço no período 2006-2013.
Os custos do trabalho na China superam há anos a inflação, segundo a consultora BMI Research, e quase quadruplicam os de Bangladesh, Camboja, Myanmar e Laos.

A tendência é mudar para o Vietnã, diz Wang Wei, gerente-geral de Guangzhou Weihong Footwear Industrial Co., fabricante de sapatos esportivos para Nike, Adidas e Puma.

Para conter a fuga, o governo oferece subsídios e incentivos em regiões mais centrais, onde os salários podem ser até 30% inferiores.

terça-feira, 28 de junho de 2016

Bons modos da rainha abalam a grosseria socialista chinesa

A rainha espantada com a falta de educação dos diplomatas socialistas.
A rainha espantada com a falta de educação dos diplomatas socialistas.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Alguns comentários simples e distintos da rainha Elizabeth II da Inglaterra abalaram Pequim e encheram os jornais.

Em poucas palavras, a soberana foi despretensiosamente dar apoio moral a uma oficial da polícia de Londres que havia sido destratada pela comitiva do presidente chinês Xi Jinping durante sua visita ao Reino Unido em outubro de 2015.

A oficial é Lucy D'Orsi e o encontro aconteceu no tradicional Garden Party que a rainha oferece nos jardins do palácio de Buckingham, a grande residência real na capital britânica, como informou Yahoo! News.

A oficial foi apresentada pelo protocolo na presença de parentes e conhecidos, além das câmaras da BBC.

Ouvindo que se tratava da responsável pela segurança dos chineses, a qual havia sido ofendida por eles, a rainha comentou distintamente: “Mas que má sorte!

E após ouvir um sucinto relato do acontecido, a soberana se referiu ao tratamento dado pelos chineses ao embaixador britânico como sendo “very rude”: “Eles foram muito mal-educados com o embaixador”.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Ditos de Trump atemorizam países libres
e regozijam ditaduras marxistas

Para bálticos, Trump é um amigo encapuzado de Putin.
Para bálticos, Trump é um amigo encapuzado de Putin.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Num grafite gigante sobre o muro de um fast-food de Vilnius, capital e mais populosa cidade da Lituânia, apareceu toda a preocupação que suscita no país a eventualidade de o candidato populista Donald Trump assumir a presidência dos EUA.

Na perspectiva dos Países Bálticos, Trump vem agindo como um amigo e êmulo do agressivo dono do Kremlin Vladimir Putin.

A imagem é repugnante e claramente inspirada numa famosa foto em que o ditador soviético Leonid Breznev aparece beijando a boca do chefe comunista da Alemanha Oriental Erick Honecker, noticiou a agência AFP.

A simpatia que o pré-candidato republicano manifesta pelo dono do Kremlin não parece ser apenas eleitoreira, mas resulta de uma afinidade de modos de ser e de governo, além de um fundo populista que está sendo recusado na América do Sul, mas reina de látego na mão na imensa Rússia.

“Temos a impressão de estarmos engajados numa nova guerra fria e os EUA poderiam vir a ter um presidente que corteja a Rússia”, disse à AFP o proprietário do fast-food em cujo muro está o grafite, Dominykas Ceckauskas.

“Vemos as semelhanças entre os dois ‘heróis’”, acrescentou ironicamente. “Ambos têm um ego inchado ao extremo e é preocupante ver que eles se dão tão bem”.

terça-feira, 14 de junho de 2016

Zâmbia teme corned beef chinês com carne de cadáveres humanos

Zambianos dizem que corned beef chinês vem com carne de cadáver humano
Zambianos dizem que corned beef chinês vem com carne de cadáver humano
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



O embaixador da China na Zâmbia saiu apressadamente para desmentir insistentes afirmações na imprensa e nas redes sociais segundo as quais a China estaria vendendo carne enlatada de cadáveres humanos em supermercados da África, noticiou o jornal “La Nación” de Buenos Aires.

“É uma acusação totalmente maliciosa e vil. Para nós é completamente inaceitável”, disse o embaixador Yang Youming.

O desmentido não teve muito eco nem aceitação, persistindo a dúvida.

terça-feira, 7 de junho de 2016

Ditadura censura informações e comentários económicos

Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Economistas, analistas e jornalistas de cadernos econômicos não têm mais liberdade de apresentar uma visão da economia chinesa diversa da espalhada pela ditadura socialista de Pequim, escreveu “La Nación” de Buenos Aires.

Tudo “está escrito”, não no Corão, mas no plano quinquenal aprovado pelo Partido Comunista Chinês. E, assim, vai tudo no melhor dos mundos. Quem não afinar sofrerá as consequências, ainda que os números contrários lhe furem os olhos.

Reguladores do mercado de valores, censores oficiais e outros funcionários advertiram os comentaristas que formularam pontos de vista sobre a economia chinesa que não se encaixam nas declarações do governo.

Lin Caiyi, economista chefe de Guotai Junan Securities Co., foi advertido de evitar comentários “exageradamente pessimistas” sobre a economia e a moeda chinesa.

Os analistas das Bolsas tentam evitar os informes críticos. A ofensiva do governo é generalizada. Os funcionários se recusam a fazer comentários ou se referir ao tema econômico, ainda quando ‘para inglês ver’ as autoridades comunistas insistem em que a livre circulação da informação contribui para a vitalidade da economia.

terça-feira, 31 de maio de 2016

A Ressurreição de Cristo celebrada com heroísmo de mártires

O Pe. Dong Baolu celebra Missa para católicos clandestinos numa das muitas igrejas das 'catacumbas'
O Pe. Dong Baolu celebra Missa para católicos clandestinos
numa das muitas igrejas das 'catacumbas'
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Perto da metade dos católicos chineses não endossa a recusa da autoridade papal exigida por Pequim. Eles integram a chamada “Igreja clandestina” que vive sob a ameaça constante de invasão policial e até mesmo de prisão para fiéis e sacerdotes, constatou a revista “Time”.

Um fotógrafo estrangeiro viveu na China há oito anos e documentou a vida do rebanho “clandestino” de Hebei, que é guiada pelo padre Dong Baolu.

A metade da cidade outrora foi católica devido ao apostolado dos missionários estrangeiros, que difundiram muito profundamente a fé nas mais variadas localidades da China rural.

A revolução comunista de Mao Tsé-Tung em 1949 e as campanhas políticas de extinção dos opositores nas décadas seguintes deram um golpe tremendo no rebanho católico.

terça-feira, 24 de maio de 2016

China amordaça ainda mais as associações privadas

As associações civis agora ficarão sob o controle e administração da polícia.
As associações civis agora ficarão sob o controle e administração da polícia.
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Desde o 1º de janeiro de 2017, as organizações sociais estrangeiras na China serão administradas e controladas pela policia socialista, que decidirá se aprova seu trabalho, podendo cancelá-lo se achar que ameaça a segurança nacional, informou a agência EFE reproduzida por “Clarín” de Buenos Aires.

A Assembleia Nacional Popular – ANP (parlamento chinês) aprovou a lei que “encurrala” a sociedade civil e terá grave impacto em muitos setores. Ela dificulta o trabalho dessas organizações e aperta o controle sobre suas atividades, membros e financiamento.

O golpe atinge de cheio os grupos religiosos e associações de caridade que são ajudados economicamente desde o exterior.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Chineses pedem ao Papa que atue pelo fim da perseguição religiosa

O Cardeal Joseph Zen Ze-kiun lidera apelo ao Papa Francisco pelo fim da perseguição religiosa na China
O Cardeal Joseph Zen Ze-kiun lidera apelo ao Papa Francisco
pelo fim da perseguição religiosa na China
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



O Cardeal Joseph Zen Ze-kiun, bispo emérito de Hong Kong, liderou nessa cidade uma manifestação de rua diante da representação oficial do governo de Pequim, pedindo o fim da perseguição aos cristãos e a concessão de liberdade religiosa.

Diante de 100 pessoas, o corajoso cardeal de 84 anos leu um comunicado onde se lê: “Diante de toda essa perseguição, não podemos nos considerar em segurança. Não podemos ficar indiferentes. Se nós silenciarmos, tornar-nos-emos cúmplices”.

terça-feira, 10 de maio de 2016

Tráfico de vacinas vencidas e perigosas apavora população chinesa

O caso vinha de longe, mas os protestos foram tantos que o governo fingiu reprimir
O caso vinha de longe, mas os protestos foram tantos que o governo fingiu reprimir
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Milhões de chineses descobriram estarrecidos que estavam sendo vacinados com substâncias ineficazes e até perigosas, noticiou o jornal de Paris “Le Monde”. 

As autoridades chinesas anunciaram a prisão de uma farmacêutica e de sua filha que vendiam há cinco anos vacinas vencidas ou mal conservadas, avaliadas em 307 milhões de reais.

Tratava-se de 25 vacinas diversas, inclusive contra o pólio, a raiva, a hepatite B e até contra a gripe, segundo a revisa chinesa “Caijing”.

Só que a detenção acontecera há mais de um ano e, sem embargo, o tráfico continuou, até tornar-se público e notório. O governo socialista diz que agora deteve 130 membros da inescrupulosa rede.

terça-feira, 3 de maio de 2016

Em plena África, Pequim sequestra cidadãos de Taiwan

J. Chiang, do partido KMT, exibe um vídeo com o sequestro de cidadãos taiwaneses
J. Chiang, do partido KMT, exibe um vídeo com o sequestro de cidadãos taiwaneses
Luis Dufaur
Escritor, jornalista,
conferencista de
política internacional,
sócio do IPCO,
webmaster de
diversos blogs



Taiwan acusou à China comunista pelo sequestro de 45 cidadãos taiwaneses que trabalhavam na Quênia e foram levados pela força para a China para serem investigados, denunciou o Ministério de Relações Exteriores em Taipei.

Taiwán considera o ato como um “sequestro” e elevou protestos contra o regime comunista chinês, escreveu o jornal espanhol “El Mundo”.

Oito cidadãos taiwaneses foram levados pela força à China no dia 8 de abril e logo depois mais outros 37. Em alguns casos os sequestradores usaram até gases lacrimogênios.

O diretor do Departamento para a Ásia Ocidental e África do Ministério de Relações Exteriores taiwanês, Chen Chun-shen, denunciou o aumento das prisões irregulares praticados por Pequim em outros países e sublinhou que “este caso viola gravemente os direitos dos cidadãos taiwaneses e fere os sentimentos de todos na ilha de Taiwan”.